quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Linhaça


A linhaça é a a semente do linho (Linum usitatissimum), muito utilizada em culinária, sendo consumida com casca e dela se extrai o óleo de linhaça, que é rico em Ómega 3, Ómega 6 e Ómega 9. Além disso, o óleo de linhaça é usado na indústria cosmética e em farmácias de manipulação. Os relatos mais antigos da semente da linhaça são datados de 5000 anos antes de Cristo, na Mesopotâmia. Foram até encontrados desenhos da semente em tumbas faraónicas, o que comprova o uso desta herbácea desde a antiguidade. Mesmo sendo originária da Ásia, seus benefícios foram difundidos pelo mundo todo, e seu consumo é muito comum na América do Norte e em países europeus.

A semente de linhaça é considerada um alimento funcional, pois, além de ter suas propriedades nutricionais básicas, tem propriedades preventivas graças aos compostos antioxidantes e anticancerígenos.

A semente de linhaça tem cerca de 39% de óleo em sua composição. Seu óleo é um dos alimentos mais rico em Ômega 3 da natureza (cerca de 57%) e de Ômega 6. A relação ideal entre Ômega 3 e Ômega 6 é de 1:4 respectivamente, enquanto o óleo vegetal de linhaça apresenta uma relação de 1:3, muito próxima do ideal.


Além dos óleos Ômega-3 e ômega-9, a sua constituição ainda conta com uma alta taxa de fibras solúveis (ideal como laxante e auxiliar na digestão), vitaminas B1, B2, C, E, caroteno, ferro, zinco, alguma quantidade de potássio, magnésio, fósforo e cálcio. Estudos mostram que é boa para os diabéticos, pois estabiliza os níveis de açúcar no sangue e também é uma auxiliar para a prevenção da obesidade, pois ela ativa mais o metabolismo.

Ômega-3 reduz os riscos de Doenças Cardiovasculares (DCV)?


As doenças cardiovasculares (DCV) estão no topo da lista das doenças que mais fazem vítimas no mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), foram registrados cerca de 17,5 milhões de vítimas da DCV, somente em 2005. Destas mortes, 7,6 milhões foram decorrentes de doenças coronárias e 5,7 milhões ocorreram por infarto do miocárdio. Entre as principais causas que aumentam os riscos para o desenvolvimento da DCV pode-se atribuir grande parte da culpa para a alimentação inadequada em associação à vida sedentária. Estas práticas levam ao desencadeamento de outros fatores que também contribuem para o desenvolvimento da DCV, como o sobrepeso, obesidade, diabetes e, conseqüentemente, aos distúrbios metabólicos (alta concentração plasmática de triglicérides e colesterol, por exemplo).

Desde a década de 1970, acumulam-se evidências de que ácidos graxos poliinsaturados ômega-3 (AGPI n-3) podem reduzir os riscos para o desenvolvimento e progressão de DVC. Até hoje, pesquisadores do mundo todo continuam estudando para entender os mecanismos dessa relação. Mas já se sabe que algumas famílias de ácidos graxos ômega-3 são capazes de exercer maior efeito protetor.

Em dois estudos, foram observados as seguintes mudanças:

  • a associação de AGPI n-3 e risco de DCV apontam possíveis evidências incluem mudança na fluidez da membrana plasmática, produção de precursores bioativos do sistema de sinalização celular e regulação da expressão de genes relacionados com a ativação endotelial e da inflamação.
  • A ingestão de AGPI n-3 e atividade física também encontrou resultados favoráveis à suplementação com óleo de peixe, que é rica em AGPI n-3. Observou-se que a suplementação com óleo de peixe e a prática regular de exercício diminuiu a gordura corporal e melhorou a saúde cardiovascular e metabólica.

Os resultados apresentados dão suporte para a hipótese de que o aumento do consumo de ácidos graxos poliinsaturados ômega-3, em especial o EPA (ácidos eicosapentaenóico) e DHA (ácido docosahexaenóico), reduz os riscos do desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Além disso, é importante salientar que, associado ao aumento do consumo de AGPI n-3, promover bons hábitos alimentares, com a ingestão de frutas e hortaliças em geral, e que fazer exercícios físicos regularmente, pode contribuir para a saúde do coração.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Pirâmide de Atividades Físicas

Essa é para o "mano" Tadashi...

Salmonella


A Salmonella sp. é um gênero de bactérias, pertencente à família Enterobacteriaceae, sendo conhecida há mais de um século. Tem em seu nome uma referência ao cientista estadunidense chamado Daniel Elmer Salmon, que associou a doença à bactéria pela primeira vez. Pertence ao grupo debactérias do tipo “Gram Negativa”.

A espécie Salmonella enterica é subdividida em seis subespécies: enterica, salamae, arizonae, diarizonae, hutnae e indica. A espécie Salmonella enterica subespécie enterica, por sua vez, possui uma grande variedade de sorotipos, que são designados após a subespécie ou após o gênero, escritos com letra maiúscula, tais como: Enteritidis, Typhimurium, Typhi, Agona, Infantis, Weltvreden, London, Javiana e outros. Existem mais de 2500 sorotipos de Salmonella descritos.

Atualmente é um dos microrganismos mais frequentemente envolvidos em casos e surtos de doenças de origem alimentar.

A Salmonella pode provocar três patologias, a mais grave sendo a febre tifóide, mas estão também entre as doenças provocadas pela Salmonella as febres entéricas e as salmoneloses, sendo estas as mais comuns. Os sintomas típicos de salmoneloses são: diarréia, febre, dores abdominais e vômitos, surgindo, em média, 12 a 36 horas após o contato com o microrganismo.

Uma das formas mais eficientes de se combater é o emprego de calor nas preparações dos alimentos. Outra forma é adquirir produtos animais com inspeção sanitária, já que é uma bactéria que vive dentro do trato intestinal dos animais, principalmente aves.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Complicações clínicas da anorexia nervosa e bulimia nervosa


Falar deste tema parece muitas vezes repetitivo, mas sinto que não devo deixar de tocar neste assunto. Não sei se fechamos os olhos e fingimos que não existe ou simplesmente, por ignorância sobre o assunto, deixamos de observar o que nos cerca.
Transtornos alimentares, qualquer pessoa pode ser “vítima”. São doenças intimamente ligadas com a vaidade e, quando esta se torna incontrolável, o indivíduo pode se tornar um alvo fácil para as “más companhia” da vaidade. E, infelizmente, não é só o fato de perder peso que causa preocupação, mas todo o prejuízo que o acompanha.
Hoje falarei sobre isso, as conseqüências clínicas causadas pelos “Transtornos Alimentares”.
Fonte: Complicações clínicas da anorexia nervosa e bulimia nervosa.
Autoras: Carmen Leal de Assumpção e Mônica D Cabral.
Os transtornos alimentares (TA) são acompanhados de várias complicações clínicas relacionadas ao comprometimento do estado nutricional e às práticas compensatórias inadequadas para o controle do peso (vômitos, uso de diuréticos, enemas e laxativos). Muitas destas complicações surgem em decorrência do atraso do diagnóstico e do início do tratamento, pois, muitos pacientes escondem os sintomas e/ou recusam o tratamento. A morbidade e mortalidade associadas aos TA são expressivas.
O exame de um paciente com TA baseia-se na avaliação do estado nutricional e das complicações decorrentes principalmente das práticas purgativas. O exame inclui uma investigação detalhada das alterações relacionadas com a redução do peso corporal, do padrão alimentar atual, da freqüência e da gravidade dos métodos de purgação (se presentes) e da intensidade da prática de atividade física.
A seguir, algumas das complicações decorrentes dos TA.
Neurológicas: Alargamento dos sulcos cerebrais; Dilatação dos ventrículos; Atrofia cerebral (reversível).
Oftalmológicas: Catarata; Atrofia do nervo óptico; Degeneração da retina; Diminuição da acuidade visual.
Endócrinas: Síndrome do eutiroidiano doente; Pseudocushing; Amenorréia, oligomenorréia; Diminuição da libido; Infertilidade; Atraso ou retardo do desenvolvimento puberal; Osteopenia ou osteoporose.
Gastrointestinais: Esofagite, hematêmese (S. de Mallory-Weiss); Retardo do esvaziamento gástrico, redução da motilidade intestinal; Constipação; Prolapso retal; Dilatação gástrica; Alteração da função hepática; Hiperamilasemia; Hipertrofia das glândulas parótidas e submandibulares.
Renais: Cálculo renal; Azotemia pré-renal; Insuficiência renal.
Bucomaxilares e fâneros: Cáries dentárias; Queilose; Ressecamento cutâneo, pele fria e pálida; Hipercarotenemia; Calosidade nos dedos ou no dorso das mãos (Sinal de Russel); Acrocianose.
Pulmonares: Taquipnéia, bradipnéia; Edema pulmonar; Pneumomediastino.
Hematológicas: Anemia, leucopenia, trombocitopenia, neutropenia
Metabólicas e hidroeletrolíticas: Hipocalemia, hiponatremia, hipernatremia, hipomagnesemia, hiperfosfatemia, Hipoglicemia, hipercolesterolemia, Alcalose metabólica, acidose metabólica.
Por estas e outras razões é que devemos estar atentos à qualquer suspeita de transtornos alimentares. Pequenas mudanças de comportamento já são um alerta, como ir ao banheiro logo após uma refeição e provocar vômito, reduzir o consumo alimentar drasticamente, fazer “contas” de quanto comeu entre outros.
ANOREXIA MATA... BULIMIA MATA... CUIDADO!

Mudança de Hábitos


Recentemente ao fazer uma “limpeza” em meu armário, encontrei uma edição de “Veja” (23 de abril de 2007 – Ano 30 n°16) e nela há uma matéria sobre o cardápio de brasileiro. O título da matéria é “Cardápio Renovado”, de Flávia Varella.

A matéria fala de uma pesquisa realizada pelo Inan (Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição) e que traça um perfil do novo estilo alimentar da população. Como muitos devem saber, o cardápio do brasileiro tem como base o arroz e feijão, mas o que a pesquisa mostra é que o consumo destes dois itens vem caindo e dando lugar à novos itens, antes mais “escassos” à grande maioria da população, como as proteínas, seja pelo consumo de carnes, seja pelo consumo de leite e derivados. Mas junto com o aumento do consumo de proteínas, esta ocorrendo também o aumento no consumo de carboidratos simples (açúcares) com conseqüente redução do consumo de fibras (carboidratos mais complexos e de difícil digestão), sem contar o consumo de gorduras cada vez mais maléficas à saúde, como as gorduras saturadas ou “trans”.

E isto é verdade, ao longo do tempo, principalmente nos últimos 10 anos uma grande fatia da população passou a ter acesso à alimentos que antes eram inatingíveis, ou seja, não tinham condições financeiras de adquirir, mas com o sucesso inicial do plano Real e a estabilidade da economia, com a inflação de certa forma controlada, ainda que em níveis que gostaríamos que estivessem mais baixos, alguns alimentos passaram a ser mais acessíveis, seja pelo aumento da oferta, seja pelo aumento da renda.

Mas isto não significa que passamos a comer melhor e para isso, não é preciso muito para explicar, basta estar atento ao noticiário que dia após dia tem nos informado sobre o aumento da população “obesa”, ou seja, estamos engordando, mas o que é pior, estamos “criando” uma população que terá grandes problemas de saúde.

Mas por quê?

Nosso padrão alimentar mudou, isto não há dúvidas. Se você tem avós ou até mesmo bisavós vivos, pergunte a eles o que eles comiam e verá que você hoje come muito menos verduras e legumes do que eles, mas mais do que isso, verá que você possui em sua dieta itens que eram “impensáveis” para eles, como “fast-food”. Até mesmo o ato de realizar as refeições mudou.

Quantas vezes por semana você se senta com sua família para fazer uma refeição? Quantas vezes vocês realizam uma refeição feita em casa e equilibrada?

Estamos sim, comendo mais e pior. E para fechar o “caixão”, estamos nos exercitando cada vez menos. A vida está cada vez mais sedentária, e não cômoda. Estamos optando pelo simples e rápido e deixando de lado o que nos faz bem. Atividades de lazer estão cada vez mais restritas, reservadas a pequenos espaços e com pouca mobilidade. Nosso filhos, seja pela falta de opções e pela falta de segurança, estão cada vez mais “encarcerados” em apartamentos ou condomínios.

É preciso uma mudança de postura, ou reportagens como a de abril de 2007 não serão apenas reportagens, mas sim profecias, alertas que ouvimos, ou lemos, mas que infelizmente não aceitamos.

Índice de Massa Corporal - IMC



A história do IMC
Usar uma fórmula para calcular a obesidade não é um conceito novo. Já no século XIX, um estatístico belga chamado Adolphe Quetelet criou o Índice de Quetelet, que media a obesidade ao dividir o peso da pessoa (em quilogramas) pelo quadrado de sua altura (em polegadas).
Fórmula: p/h2
Antes de 1980, os médicos normalmente usavam tabelas de peso por altura (uma para homens e uma para mulheres), que incluíam faixas de pesos para cada polegada de altura. Mas essas tabelas eram limitadas porque se baseavam somente no peso e não na composição corporal. O IMC se tornou um padrão internacional para medição da obesidade na década de 80 e o público aprendeu sobre ele no final da década de 90, quando o governo lançou uma iniciativa para encorajar alimentação saudável e prática de exercícios.
Em 1998, o NHI abaixou o limiar de excesso de peso do IMC de 27,8 para 25, buscando padronizá-lo com as diretrizes internacionais. Essa mudança transferiu 30 milhões de americanos que estavam na categoria "peso saudável" para a categoria "excesso de peso". Atualmente, o NIH aconselha os médicos e seus pacientes a incluir o IMC como parte de uma avaliação completa do tamanho corporal e saúde geral da pessoa.
O Índice de Massa Corpórea é um cálculo que leva em consideração tanto o peso corporal como a altura da pessoa para determinar se ela está abaixo, acima ou no peso ideal, e pode ser calculado em polegadas e libras (como nos EUA), ou em metros e quilogramas (no Brasil e outros países que usam o sistema métrico).
A fórmula para calcular o Índice de Massa Corporal é:
IMC = peso / (altura)2.
Pesquisas indicaram que estar acima do peso ou obeso pode acarretar um aumento nas chances da pessoa desenvolver várias doenças, entre elas:
  • doenças cardíacas;
  • diabetes;
  • osteoartrite;
  • alguns tipos de câncer.
Da mesma forma, estar abaixo do peso também pode levar a um aumento dos riscos à saúde devido à subnutrição.
Em um sentido mais amplo, o IMC ajuda os órgãos públicos a ter uma idéia geral do quanto o peso e a obesidade afetam a saúde da população. E quando analisado de indivíduo a indivíduo, permite que os médicos identifiquem problemas de peso em seus pacientes antes que um problema de saúde sério apareça. Os pacientes acima do peso, ou que correm risco de ficar acima do peso, podem começar a fazer uma dieta e seguir um programa de exercícios para que possam trazer seu peso de volta a uma faixa mais saudável.
É importante saber que o IMC é apenas um dos fatores envolvidos na hora de determinar riscos de doenças e, além dele, a combinação de escolhas alimentares, exercícios e o hábito de fumar determina se um indivíduo é saudável ou não.
Existem dois padrões de referência para avaliar o resultado obtido pelo IMC.
OMS – Organização Mundial de Saúde
abaixo do peso – abaixo de 18,5
no peso normal – entre 18,5 e 25
acima do peso – entre 25 e 30
obeso – acima de 30
NHANES II survey (National Health and Nutrition Examination Survey)
Condição
Homens
Mulheres
Abaixo do peso
<>
<>
Peso Normal
20,7 - 26,4
19,1 - 25,8
Sobrepeso
26,4 - 27,8
25,8 - 27,3
Acima do Peso
27,8 - 31,1
27,3 - 32,3
Obeso
> 31,1
> 32,3
O IMC nem sempre é preciso nos resultados fornecidos para idosos, que já perderam muita massa muscular e óssea, fazendo com que possam estar acima do peso mesmo que seu IMC diga que estão dentro da faixa normal. E o IMC também pode apresentar diferenças para os distintos grupos étnicos, por exemplo, os asiáticos podem começam a correr risco de ter problemas de saúde com um IMC menor do que os europeus.
Devido à possibilidade de erros, o IMC deveria ser apenas mais um método de medição usado para avaliar o peso e saúde do paciente. Os NIH (Institutos Nacionais de Saúde dos EUA) (em inglês) recomendam que os médicos avaliem se seus pacientes estão acima do peso baseando-se em três fatores:
  1. IMC;
  2. circunferência da cintura: uma medida da gordura abdominal;
  3. fatores de risco para doenças associadas à obesidade, tais como pressão alta, colesterol LDL ("ruim") alto, colesterol HDL ("bom") alto, alto índice de açúcar no sangue e fumo.
Muitos especialistas em saúde dizem que a porcentagem de gordura corpórea é um indicador melhor da situação do peso do que o IMC. Mas a gordura corporal nem sempre é tão fácil, ou tão barata, de ser medida. Testes como medidas de dobras cutâneas (nos quais o técnico pinça uma dobra da pele para medir a camada de gordura subcutânea sob ela), absormetria radiológica de dupla energia (DEXA, que mede a densidade óssea) ou impedância bioelétrica (que mede a oposição a um fluxo de corrente elétrica através do corpo, a impedância é baixa em tecido magro e alta em tecido gorduroso) são mais precisos, mas devem ser feitas somente por profissionais médicos treinados.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Fidelidade Divina

Certa vez, um homem pediu a Deus uma flor e uma borboleta.
Deus, por sua vez, lhe deu um cacto e uma larva.
O homem ficou triste pois não entendeu o porque do seu pedido vir errado. Pensou que talvez o Senhor tivesse se enganado na hora da entrega dos pedidos. Também, com tanta gente para atender...
Resolveu não questionar. Passaram-se alguns dias e o homem foi verificar o pedido que deixara esquecido.
E... do espinhoso e feio cacto nasceu a mais bela das flores. A horrível larva transformou-se em uma belíssima borboleta.
A maneira de Deus é correta. O Seu caminho é o melhor, mesmo que aos nossos olhos pareça estar dando tudo errado.
Se você pediu a Deus uma coisa e recebeu outra, descanse no amor sem limites do Senhor e tenha certeza de que Ele sempre lhe dá o que você precisa no momento certo. Nem sempre o que você precisa é o que você deseja, mas Deus nunca erra na entrega de seus pedidos. Creia nisso e siga sem murmurar ou duvidar.
O espinho de hoje será a flor de amanhã...
"Pelo que eu vos digo: Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos-á; pois todo o que pede, recebe; e quem busca acha; e ao que bate, abrir-se-lhe- á. E qual o pai dentre vós que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, se lhe pedir peixe, lhe dará por peixe uma serpente? Ou, se pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem." (Lucas 11:9-13)

Estresse Oxidativo - Parte I: Radicais Livres


Antes de falar em "Estresse Oxidativo", irei falar sobre os Radicais Livres. Não se assuste, não é nenhum grupo revolucionário, mas traz alguns danos à saúde.
Mas o que são os Radicais Livres?

São moléculas instáveis, pelo fato de seus átomos possuírem um número ímpar de elétrons. Para atingir a estabilidade, estas moléculas reagem com o que encontram pela frente para "roubar" um elétron. Na verdade, elas buscam "estabilidade", equilíbrio. Este elétron livre favorece a recepção de outras moléculas, o que torna os radicais livres extremamente reativos, inclusive com moléculas orgãnicas (ex. os lipídios da membrana celular).

No nosso organismo, os radicais livres são produzidos pelas células, durante o processo de queima do oxigênio, utilizado para converter os nutrientes dos alimentos absorvidos em energia. Os radicais livres podem danificar células sadias do nosso corpo, entretanto, nosso organismo possui enzimas protetoras que reparam 99% dos danos causados pela oxidação, ou seja, nosso organismo consegue controlar o nível desses radicais produzidos através do nosso metabolismo.
A prática de atividades físicas é um processo onde ocorre elevada produção de radicais livres. Duas hipóteses são discutidas:
1- Exercícios exaustivos nos quais há um aumento de 10 a 20 vezes no consumo de oxigênio no corpo. O enorme bombeamento de oxigênio através dos tecidos desencadearia a liberação de radicais livres.
2- A outra forma de produção de radicais livres durante os exercícios está ligada ao processo que é conhecido como isquemia-reperfusão. Quando os exercícios físicos intensos são praticados, o fluxo sangüíneo é desviado dos órgãos não diretamente envolvidos para os músculos em atividade. Assim, uma parte do corpo irá passar por uma deficiência de oxigênio. Ao término do exercício há reperfusão, quando o sangue retorna aos órgãos que estiveram privados. Este processo foi associado à liberação de grandes quantidades de radicais livres. Verificamos então a importância do desaquecimento, ou volta à calma ou relaxamento muscular.

Porém, não são os processos metabólicos que produzem os radicais livres. Fatores externos também podem contribuir para o aumento da formação dessas moléculas. Entre esses fatores estão: poluição; raio X e radiação ultravioleta; cigarro; álcool; substâncias presentes em alimentos e bebidas (aditivos químicos, conservantes, hormônios presentes em carnes de gado e galináceos (quando de criação
intensiva), entre outros; estresse e; consumo exagerado de gorduras saturadas (frituras).
A ação dos radicais livres esta muito ligada ao processo de envelhecimento celular, pois a degradação tecidual provocada pelo "ataque" dos radicais livres reduzem as propriedades físicas dos tecidos, diminuindo, por exemplo a rigidez da pele, a elesticidade, provocando, por exemplo, as rugas.

Cobalamina... a Vitamina B12


Esta é uma vitamina sintetizada por bactérias, que consistem em sua única fonte, mas esta presente em praticamente todas as formas de tecidos animais, os quais adquirem a vitamina indiretamente a partir das bactérias. Isto serve de alerta aos vegetarianos estritos, pois não há como adquirir a Cobalamina "naturalmente" a não ser consumindo carne, pois esta não ocorre em hortaliças ou frutas.
Ela é importante para o funcionamento normal do metabolismo de todas as células, especialmente para aquelas do trato gastrointestinal, medula óssea e tecido nervoso. possui uma função indispensável na formação do sangue (
eritropoiese - processo de produção de eritrócitos, também denominados como hemácias ou glóbulos vermelhos).
A fontes alimentares mais relevantes são: fígado, cortes de carne bovina e carneiro, bem como em peixes e ovos. Pode, também, ser encontrada no leite de vaca.
Uma alimentação equilibrada fornece as quantidades necessárias e ideais para a obtenção desta vitamina. As quantidades recomendadas variam de 0,3µg /dia para crianças com idade de até 6 meses até 2,6µg /dia para gestantes. Lembrando que em 100g de carne bovina pode ser encontrada 100µg desta.
A carência de Cobalamina pode provocar a "Anemia Megaloblástica" (a medula óssea produz hemácias e neutrófilos gigantes e imaturos), Neuropatia associada a Deficiência de Cobalamina, Ateromas (são placas, compostas especialmente de lipídeos e tecido fibroso que se formam na parede dos vasos. Levam progressivamente a diminuição do diâmetro do vaso, podendo chegar a obstrução total do mesmo e, possivelmente, ocasionando isquemias teciduais) e Defeitos do Tubo Neural durante a formação do feto.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Para Amar uma Mulher


Uma pequena "homenagem" às meninas que visitam este BLOG.

Para amar uma mulher
é preciso saber escutar cada sorriso.

Sejam abertos ou fechados,
ou apenas prenunciados.

Numa pluralidade, o valor singular.

Em seu disfarce ou sinceridade,
a forma da mulher se expressar.

Quando um “não” é dito como “sim”...

Para amar uma mulher
é assim: sinta cada fio do seu cabelo.
Fronteira entre a força e a delicadeza
No toque macio,
enxergar a aspereza as dores que ela guarda
dentro do peito
e querer saná-las de qualquer modo,
custe o que
custar,
de qualquer jeito.
Para amar uma mulher
faça dela o primeiro plano, tua estrela.
Entre o universo de amigos,
aquele futebol, a televisão domingueira,
escolher ficar com ela,
surpreendê-la.

Até assumir um estilo romântico, Shakesperiano...

Sussurrar que a amará por duzentos anos,

a toda hora,
a vida inteira.

Porque só um poeta
e uma mulher
sabem o poder das palavras...

Para amar uma mulher
ainda que não a entendas,
aceita-a.
E a deita em teu colo no desespero.
Daquele choro sem motivo, em exagero.
E elogia aquele batom que te convida.
Daquele sem finalidade, em despedida...

Perdoa
suas fraquezas, seu lado enciumado.

Compreenda que neste campo minado,
se a pisares, ela explodirá.

Para amar uma mulher,
não é preciso esperar...
Ela já te espera, sabe que existes.
Aceita esta poesia-palpite
de uma mulher que ama,
apaixonada.

Que para amar uma mulher,
basta fazer com que ela se sinta amada.

(desconhecido, ao menos por mim)


Papo de "Maluco Doidão"

Efeitos do THC.

Bíblia... repleta de ERROS!


A Bíblia está CHEIA de erros:

O primeiro erro foi quando Eva duvidou da Palavra de Deus;

O segundo erro aconteceu quando seu esposo fez o mesmo;

E assim erros e mais erros ainda estão sendo cometidos...

Porque as pessoas insistem em duvidar da Palavra de Deus.

A Bíblia está CHEIA de contradições:

Ela contradiz o orgulho e o preconceito;

Ela contradiz a lascívia e a desobediência;

Ela contradiz o meu pecado e o seu.

A Bíblia está CHEIA de falhas:

Porque Ela é o relato de pessoas que falharam muitas vezes ;

Assim foi com a falha de Adão;

Com a falha de Caim;

E a de Moisés;

Bem como a falha de Davi e a de muitos outros que também falharam.

Mas Ela é também o relato do amor infalível de Deus.

Deus NÃO ESCREVEU a Bíblia:

Para pessoas que querem jogar com as palavras;

Para aqueles que gostam de examinar o que é bom mas sem fazê-lo;

Para o homem que não acredita porque não quer.

O homem moderno DESCARTOU os ensinamentos da Bíblia:

Pelas mesmas razões que outros homens tem descartado através da história, por grande ignorância a sua verdadeira mensagem e conteúdo;

Intransigente apatia em recusar considerar suas declarações;

Bem conhecidos pseudo-cientistas posando de críticos honestos;

Convicção secreta de que este Livro está certo e de que os homens estão errados.

Somente uma pessoa PRECONCEITUOSA acreditaria que:

Os ensinamentos biblícos são passados e irracionais, sendo princípios arcaicos e sem propósito;

A Bíblia está cheia de discrepâncias e afirmações inaceitáveis;

Ela só poderia ser trabalho irrelevante e não inspirado de meros homens.

A Bíblia é, afinal, somente mais um LIVRO RELIGIOSO:

Para milhares que não se arriscam serem honestos consigo mesmos e com Deus;

Para aqueles que tem medo de aceitar o desafio do próprio Deus a um exame honesto;

Para aqueles que não querem examiná-la a fundo porque Ela diz verdadeiramente como os homens são.

E você não pode ENTENDER ou CONFIAR no que a Bíblia diz:

A menos que você esteja disposto a considerar as evidências e encarar face a face o AUTOR!

Clorofila

De vez em quando surgem uns modismos, e normalmente estes modismos não dão em nada. Com relação á Clorofila é o caso. Mas antes de falar sobre ela, queria esclarecer que não sou o dono da verdade, mas busquei informações para deixar clara minha opinião sobre.

A clorofila confere a cor verde às plantas. É encontrada nas membranas dos tilacóides dos cloroplastos (esferas de cor verde). Clorofila é a designação de um grupo de pigmentos fotossintéticos presente nos cloroplastos das plantas (em sentido geral, incluindo também as algas, cianofíceas e diversos protistas anteriormente considerados "algas" ou "plantas", como as algas vermelhas ou castanhas).

A intensa cor verde da clorofila se deve a suas fortes absorções das regiões azuis e vermelhas do espectro eletromagnético, e por causa destas absorções a luz que ela reflete e transmite parece verde. Ela é capaz de canalizar a energia da luz solar em energia química através do processo de fotossíntese. Neste processo a energia absorvida pela clorofila transforma dióxido de carbono e água em carboidratos e oxigênio.

Vasculhando algumas edições antigas de VEJA (desculpem aos que não gostam desta revista), achei uma reportagem, que foi a razão inicial de falar no assunto. Tudo bem que é uma revista para leigos e uma edição antiga (10 abril 2002 – ano 35/n°14), mas há nela uma opinião no mínimo relevante.

A professora Ursula Lanfer Marquez, da faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo diz algo interessante: “O consumo de clorofila não serve para nada”. “Motivo: as moléculas da substância não são absorvidas pelo organismo. Mas os defensores da ‘clorofila’ argumentam que, uma vez ingerida, a clorofila se quebra e libera magnésio.” Porém a Profa. Ursula rebate dizendo que “nem sempre há essa liberação de magnésio e, quando há, as suas quantidades são tão pequenas que não têm nenhum efeito”.

Não quero ser um estraga prazeres, mas não há literaturas científicas que digam que de fato um suquinho de clorofila, ou qualquer derivado, faça ou não benefícios à saúde.

O que sempre digo é: Uma alimentação equilibrada sempre fornecerá os nutrientes necessários ao bom funcionamento do organismo. Não é preciso aderir à modismos para supostamente aumentar as concentrações de minerais, vitaminas, fibras, proteínas, carboidratos ou gorduras, o que vale sempre é o equilíbrio.

ATENÇÃO

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Verão...


Já estamos no meio do verão, mas nunca é tarde para dar algumas dicas.
E a dica de hoje é:
Coma muitas frutas.
Beba muito suco!

O Consumo de Frutas ajuda na reposição de água, reidratando o organismo, mas também, matendo o equilíbrio osmótico, já que a presença de sais minerais ajuda neste quesito, além do que, as vitaminas presentes nas frutas ajudam em funções vitais.

Prejuízos decorrentes da Obesidade

Sibutramina


Não quero ser polêmico, pelo contrário, quero dar uma opinião sincera sobre o uso deste fármaco, entre outros, para o tratamento de obesidade. Não sou contra o uso de medicamentos para controle ou perda de peso, mas sou a favor apenas quando todos os tratamentos convencionais falharam e quando o tratamento farmacológico é feito sob orientação especializada e com reeducação.
Não adianta administrar um fármaco, alcançar o obejtivo (ex. perder 30Kg) e depois cometer os mesmos erros, ou seja, comer muito e comer mal. É necessário ter consciência de que além do gasto financeiro com o tratamento, é necessário uma mudança de hábitos para que não ocorra o ganho de peso após o tratamento.
Quantos já ouviram ou viveram experiências assim? Perdeu um valor X de peso e ganhou 2X depois?

Chega de enrolação e alertas, hoje vou falar um pouco da "Sibutramina"
A Sibutramina é um dos fármacos disponíveis para o tratamento da obesidade e está disponível no mercado com os nomes de Reductil e Plenty. A substância é um agente que inibe a recaptação da serotonina e da noradrenalina, com vários estudos clínicos que respaldam a sua eficácia e segurança.
É um agente administrado oralmente para tratamento da obesidade e é bem absorvida pelo trato gastrintestinal (77%), mas passa por um metabolismo considerável que reduz sua biodisponibilidade.
Há diversos trabalhos clínicos de tipo comparativo, controlado com placebo, demonstrando que a Sibutramina reduz o peso em excesso através de um mecanismo específico de estímulo do centro da saciedade.
É indicado para redução do peso, no tratamento da obesidade, e deve ser usado em conjunto com dieta e exercícios, como parte de um programa de controle de peso, desde que a orientação alimentar e a atividade física não sejam suficientes para atingir o objetivo clínico.
Somente um médico capacitado pode prescrever este medicamento
.
Existem algumas contra-indicações, mas somente com uma avaliação médica é que se pode afirmar se o indivíduo poderá ou não fazer uso do mesmo. Eis alguns:
Condições psiquiátricas como bulimia nervosa, anorexia nervosa, depressão forte, ou mania pré-existente.
* Hipersensibilidade ao remédio
* Pacientes abaixo de 18 anos de idade.
* Tratamento concomitante com inibidores da Monoamina Oxidase (MAO), antidepressivos ou outros remédios centralmente ativos.
* Hipertensão não suficientemente controlada.
* Hipertensão pulmonar.
* Lesões existentes na válvulas cardíacas, doença coronária, insuficiência cardíaca congestiva, arritmia sério e infarto do miocárdio anterior.
* Infarto ou ataque isquêmico transiente.
* Hipertiroidismo.
* Glaucoma de ângulo fechado.
* Problemas de ataque apoplético.
* Alargamento da glândula da próstata com retenção urinária.
* Feocromocitoma.
* Mulheres grávidas ou lactantes


Espero que essa breve explicação ajude você a refletir melhor se realmente deseja se utilizar desta groga para emegrecer.

domingo, 6 de janeiro de 2008

Talassemia


A talassemia é uma doença do sangue de natureza hereditária.
Também denominada de Anemia do Mediterrâneo por ser mais comum nesta região em pessoas descendentes de Italianos, Gregos, Asiáticos e Africana. Também conhecida por Anemia de Cooley, nome dado em homenagem ao médico que primeiro a descreveu em 1925. Trata-se de um grupo de enfermidades genéticas do sangue que afeta a capacidade da pessoa de produzir hemoglobina (Hemoglobina é uma proteína que existe em nossas células vermelhas (hemácias) que transporta oxigênio para todas as partes do corpo).
O diagnóstico é feito através de estudo do sangue do paciente e de seus familiares. É necessário a realização de hemograma com estudo morfológico das hemácias, a realização de Eletroforese de Hemoglobina qualitativo e quantitativo com determinação de Hb fetal e A2 e dosagem de ferro e ferritina. Existem testes que podem ser feitos durante a gravidez para determinar se um feto é portador de talassemia.
A enfermidade só pode ser prevenida hoje através do aconselhamento genético pré natal de casais portadores.
Aparentemente saudáveis ao nascer, desenvolve-se ao longo do primeiro ano de vida os primeiros sinais da anemia que caracteriza a doença: palidez, desânimo, falta de apetite e hipodesenvolvimento. Com o tempo tornam-se ictérico (a pele e a esclerótica ocular tornam-se amarelos).
A anemia persistente leva a um aumento do baço, fígado e coração. Os problemas cardíacos e as infecções são as causa mais comuns de morte entre as crianças com Talassemia maior. A forma intermediária ou menor apresentam estes mesmos sintomas em grau que vão do moderado a quase nenhum.
Não há nenhum problema associado ao indivíduo portador do traço thalassemico. Algumas vezes pode existir pequena anemia levando a leve cansaço. A suspeita de traço thalassemico deve ser considerada nos indivíduos tratados para anemia por deficiência de ferro que não respondem a terapêutica. Estes indivíduos não são mais susceptíveis à infecções que os indivíduos normais e não apresentam qualquer outra complicação associada.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Primeira Semana


Conforme minha promessa, estou enviando um e-mail contando as novidades da minha primeira semana depois de ser transferida pela firma para o Rio de Janeiro. Terminei hoje de arrumar as coisas no meu novo apartamento.

Ficou uma gracinha, mas estou exausta. São dez da noite e já estou pregada.

Segunda-Feira

Cheguei na firma e já adorei. Entrei no elevador quase no mesmo instante que o homem mais lindo desse planeta. Ele é loiro, tem olhos verdes e o corpo musculoso parece querer arrebentar o terno. Lindooooo!

Estou apaixonada. Olhei disfarçadamente a hora no meu relógio de pulso e fiz uma promessa de estar parada defronte ao elevador todos os dias a essa mesma hora. Ele desceu no andar da engenharia.

Conheci o pessoal do setor, todos foram atenciosos comigo. Até o meu chefe foi super delicado. Estou maravilhada com essa cidade.

Cheguei em casa e comi comida enlatada. Amanhã vou a um mercado comprar alguma coisa.

Terça-Feira

Amiga! Precisava contar. Sabe aquele homem de quem falei?

Ele olhou para mim e sorriu quando entramos no elevador. Fiquei sem ação e baixei a cabeça. Como sou burra! Passei o dia no trabalho pensando que preciso fazer um regime. Me olhei no espelho hoje de manhã e estou com uma barriguinha indiscreta. Fui no mercado e só comprei coisinhas leves: biscoitos, legumes e chás. Resolvido! Estou de dieta.

Quarta-Feira

Acordei com dor-de-cabeça. Acho que foi a folha de alface ou o biscoito do jantar. Preciso manter-me firme na dieta. Quero emagrecer dois quilos até o fim-de-semana. Ah! O nome dele é Marcelo. Ouvi um amigo dele falando com ele no elevador. E ainda tem mais: ele desmanchou o noivado há dois meses e está sozinho. Consegui sorrir para ele quando entrou no elevador e me cumprimentou. Estou progredindo, né? Como faço para me insinuar sem parecer vulgar? Comprei um vestido dois números menor que o meu. Será a minha meta.

Quinta-Feira

O Marcelo me cumprimentou ao entrar no elevador. Seu sorriso iluminou tudo! Ele me perguntou se eu era a arquiteta que viera transferida de Brasília e eu só fiz: "U-hum"... Ele me perguntou se eu estava gostando do Rio e eu disse: "U-hum". Aí ele perguntou se eu já havia estado antes aqui e eu disse: "U-hum". Então ele perguntou se eu só sabia falar "U-hum" e eu respondi: "Ã-hã". Será que fui muito evasiva? Será que eu deveria ter falado um pouco mais? Ai, amiga! Estou tão apaixonada! Estou resolvida! Amanhã vou perguntar se ele não gostaria de me mostrar o Rio de Janeiro no final de semana. Quanto ao resto, bem... ando com muita enxaqueca. Acho que vou quebrar meu regime hoje. Estou fazendo uma sopa de legumes. Espero que não me engorde demais.

Sexta-Feira

Amiga! Estou arruinada! Ontem à noite não resisti e me empanturrei. Coloquei bastante batata-doce na sopa, além de couve, repolho e beterraba. Menina saí de casa que parecia um caminhão de lixo. Como eu peidava! (nossa! Você não imagina a minha vergonha de contar isto, mas se eu não desabafar, vou me jogar pela janela!).

No metrô, durante o trajeto para o trabalho, bastava um solavanco para eu soltar um futum que nem eu mesma suportava. Teve um momento em que alguém dentro do trem gritou: "Aí! Peidar até pode, mas jogar merda em pó dentro do vagão é muita sacanagem!"

Uma senhora gorda foi responsabilizada. Todo mundo olhava para ela, tadinha. Ela ficou vermelha, ficou amarela, e eu aproveitava cada mudança de cor para soltar outro. O meu maior medo era prender e sair um barulhento. Eu estava morta de vergonha. Desci na estação e parei atrás de uma moça com um bebê no colo, enquanto aguardava minha vez de sair pela roleta. Aproveitei e soltei mais um. O senhor que estava na frente da mulher com o bebê virou-se para ela e disse: "Dona! É melhor a senhora jogar esse bebê fora porque ele está estragado!". Na entrada do prédio onde trabalho tem uma senhora que vende bolinhos, café, queijo, essas coisas de camelô. Pois eu ia passando e um freguês começou a cheirar um pastel, justo na hora em que o futum se espalhou. O sujeito jogou o pastel no lixo e reclamou: "Pó, dona Maria! Esse pastel tá bichado!"

Entrei no prédio resolvida a subir os dezesseis degraus pela escada. Meu azar foi que o Marcelo ficou segurando a porta, esperando que eu entrasse. Como não me decidia, ele me puxou pelo braço e apertou o botão do meu andar.

Já no terceiro andar ficamos sozinhos. Cheguei a me sentir aliviada, pois assim a viagem terminaria mais rápido. Pensei rápido demais. O elevador deu um solavanco e as luzes se apagaram. Quase instantaneamente a iluminação de emergência acendeu. Marcelo sorriu (ai, aquele sorriso...) e disse que era a bruxa da sexta-feira. Era assim mesmo, logo a luz voltaria, não precisava se preocupar. Mal sabia ele que eu estava mesmo preocupada.

Amiga, juro que tentei prender. Mas antes que saísse com estrondo, deixei escapar. Abaixei e fiquei respirando rápido, tentando aspirar o máximo possível, como se estivesse me sentindo mal, com falta de ar. Já se imaginou numa situação dessas? Peidar e ficar tentando aspirar o peido para que o homem mais lindo do mundo não perceba que você peidou?

Ele ficou muito preocupado comigo e, se percebeu o mau cheiro, não o demonstrou. Quando achei que a catinga havia passado, voltei a respirar normal. Disse para ele que eu era claustrofóbica. Mal ele me ajudou a levantar, eu não consegui prender o segundo, que saiu ainda pior que o anterior. O coitado dessa vez ficou meio azulado, mas ainda não disse nada. Abaixei novamente e fiquei respirando rápido de novo, como uma mulher em estado de parto. Dessa vez Marcelo ficou afastado, no canto mais distante de mim no elevador. Na ânsia de disfarçar, fiquei olhando para a sola dos meus sapatos, como se estivesse buscando a origem daquele fedor horroroso.

Ele ficou lá, no canto, impávido. Nem bem o cheiro se esvaiu e veio outro. Ele se desesperou e começou a apertar a campainha de emergência. Coitado! Ele esmurrou a porta, gritou, esperneou, e eu lá, na respiração cachorrinho.

Quando a catinga dissipou, ele se acalmou. As lágrimas começaram a escorrer pelos meus olhos. Ele me viu chorando, enxugou meus olhos e disse: "Meus olhos também estão ardendo..." Eu juro que pensei que ele fosse dizer algo bonito. Aquilo me magoou profundamente. Pensei: "Ah, é, FDP? Então acabou a respiração cachorrinho...”.

Depois disso, no primeiro ele cobriu o rosto com o paletó. No segundo, enrolou a cabeça. No terceiro, prendeu a respiração, no quarto, ele ficou roxo. No quinto, me sacudiu pelos braços e berrou: "Mulher! Pára de se cagar!".

Depois disso ele só chorava. Chorou como um bebê até sermos resgatados, quatro horas depois. Entrei no escritório e pedi minha transferência para outro lugar, de preferência outro País.

Apague este e-mail depois de ler, tá?

Sua amiga, Ana

Fibras

Depois de um longo recesso sem escrever, voltei.

Hoje serei breve e o tema são as fibras. Falarei de sua absorção e benefícios desta absorção.
Pelo gráfico ao lado temos duas situações, em A, temos uma absorção ocorrendo com a presença de fibras na refeição, pelo intestino e, em B, uma absorção sem a presença de fibras na refeição.

Para um atleta que necessita de energia imediata ou um indivíduo que sofre de hipoglicemia (redução dos níveis de glicose no sangue) a situação B é a mais indicada, pois fornece energia imediata, porém, da mesma forma que esta energia é absorvida rapidamente, o gasto/consumo também, seja pela necessidade, seja pelo seu armazenamento nas células (musculares ou adipócitos).
Mas quando realizamos uma refeição rica em fibras (situação A) favorecemos algumas situações:
1- as fibras controlam a absorção de nutrientes pelo intestino, fazendo com que o alimento permaneça por mais tempo e percorra um espaço maior, distribuindo de forma mais equilibrada todos os nutrientes pelo tubo digestivo, desta forma, as concentrações de "glicose", por exemplo, se mantém mais equilibradas no sangue, permitindo uma oferta da mesma por mais tempo às células, assim, reduzindo a sensação de fome.
2- percorrendo maior área do intestino, melhora a formação do bolo fecal, ou seja, permiti que as fezes tenham um aspecto mais pastoso e reduzindo os problemas com constipação (prisão de ventre), pois as fibras também absorvem água, amolecendo assim as fezes.

Assim, recomendo que sempre que fizer uma refeição, aumente a oferta de alimentos ricos em fibras, como os vegetais folhosos.