terça-feira, 11 de março de 2008

Culpa


Talvez um dos sentimentos mais complicados de se lidar é a culpa. E na nutrição não é diferente.
Um exemplo: você já tentou fazer algum regime ou dieta para perder peso? E durante o período deu aquela "fugida" até a geladeira e comeu tudo que tinha e mais um pouco? Mas... depois ficou com aquele sentimento de culpa por ter exagerado?
Uma das coisas que sempre falo aos meus pacientes é que jamais "nutram" esse sentimento. Ele é terrível. Destrói qualquer progresso que se tenha alcançado.
Porque?
Normalmente a pessoa que sente culpa por ter exagerado numa refeição procura os caminhos mais fáceis: derrota ou compensação.
A derrota vem quando ela se entrega e diz a si mesma: "Não tenho jeito! Sou um glutão mesmo e não tem como eu conseguir" "Vou desistir"
E o pior, é que essas pessoas em sua maioria desistem mesmo. E eu fico triste por isso, porque um grupo desisti de tudo sem nunca ter procurado ajuda profissional e, outro grupo desisti porque não acredita em mais nenhum profissional, nem em si mesma.
É preciso ser perseverante, não desanimar, seguir em frente.
Já a compensação seja talvez a forma mais punitiva ao corpo. E sensível.
Quando você tenta compensar uma "orgia alimentar", você procura fazer o quê normalmente? Deixar de comer.
Isso é um perigo, porque não é isso que se deve ser feito, pelo contrario. Deve-se continuar se alimentando, porém dentro do sue padrão normal e ideal. Ou seja, dentro das suas necessidades.
Quando se deixa de comer com o intuito de se "auto-flagelar" e tentar perder as calorias que ganhou, você causa um desiquilibrio no organismo. Você sai de um extremo ao outro, do "calor intenso ou frio congelante".
É preciso ter cuidado, porque esse sentimento é típico dos pacientes com bulimia.
Um conselho.
Nunca tente sair de seu padrão quando você se encontrar numa situação de extremo. Se você comeu muito num dia, numa festa etc., não fique sem comer, continue mantendo seu padrão, dentro de suas necessidades. Também não desista. Um dia de "gula" não é o fim, é apenas um dia como outro qualquer, porém com uma pitada de exagero. Siga em frente, procure ajuda de um especialista, tenha uma orientação alimentar em mãos para não ficar sem referências.

Equilíbrio é uma das palavras chaves da boa alimentação.
Seja feliz, mesmo quando errar, corrija seu erro sem se machucar.
Um forte abraço!

Nenhum comentário: