domingo, 20 de abril de 2008

Fome, Consumo Excessivo de Carboidratos...


Nosso corpo é provavelmente uma das máquinas mais perfeitas que existem. Pode apresentar pequenos defeitos, mas seu funcionamento é fantástico. Mas essa máquina, como qualquer outra, precisa de energia para funcionar. Sem energia é impossível a máquina humana fazer atividades simples, como até mesmo respirar. Por exemplo, quando um nutricionista faz uma orientação nutricional, o primeiro cálculo passa pela TMB (Taxa Metabólica Basal - valor mínimo que um indivíduo utiliza de energia para manutenção das atividades vitais).
E o nutriente fonte de energia são os carboidratos.
Mas qual a relação da fome com os carboidratos?
Bem, quando ficamos muito tempo sem fazermos alguma refeição, por mais simples que seja, os níveis de glicose no sangue caem. E a glicose é um dos nutrientes usados pelo cérebro para manutenção. O outro nutriente é a água, que fornece energia na forma de energia hidroeletrolítica, mas este é um assunto para mais tarde.
Você já deve ter reparado o que acontece quando fica muito tempo sem se alimentar: dor de cabeça, cansaço, desmaios... em casos mais graves, coma e morte.
São sinais típicos de "socorro" emitidos pelo cérebro.
Normalmente, após uma refeição, estes efeitos passam, mas o perigo esta aí, na qualidade da refeição. Em casos de extremos, um pedaço de doce muitas vezes ajuda, mas algumas pessoas acabam comendo mais que um simples pedaço.
É um risco muito grande, porque nosso corpo de fato pede por carboidratos e a forma mais rápida é o consumo de açúcares simples e quanto mais fazemos a ingestão destes, maiores são os riscos de termos aumentado os níveis de glicose no sangue. Se conseguimos fazer um intervalo bom entre as refeições, ok, mas o problema é que quanto mais simples os carboidratos, mais rápidos são absorvidos, mais rápidos são "guardados" nas células do fígado e musculares na forma de glicogênio e, consequentemente, mais rápido os níveis de glicose caem novamente. O fígado até irá disponibilizar esta glicose novamente, mas a tendência é voltarmos a comer.
veja bem, quanto mais tempo os níveis de glicose ficam altos no sangue, maiores as chances de aumentarmos os níveis de triglicerídeos, que são gorduras formadas a partir da glicose.
Mas, mais grave é que as células podem iniciar um processo de resistência à insulina, pois quando há glicose no sangue, o pâncreas libera insulina e esta, por sua vez, "abre as portas" das células para a absorção da glicose.
Quando as células criam resistência à insulina, a glicose não entra e se mantém no sangue. Isso é a diabetes do tipo II.
Quando estiver com fome, procure fazer uma refeição "normal", com carboidratos, tanto simples, como complexos e na forma de fibras, com gorduras e proteínas. Além, claro, de vitaminas, minerais... assim você evita problemas mais graves.
Um grande abraço e até a próxima!

Um comentário:

paula disse...

esse tema é mt bom de se estudar.
as pessoas tem q saber qual é a contia ideal para ser consumir os carboidratos, pois seu uso exagerado pode traser mts riscos a saúde