segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Onze municípios do Rio receberão unidades do Cefet até 2010

RIO - Até 2010, o estado do Rio terá onze novas unidades do Cefet (Centro Federal de Educação Tecnológica) em funcionamento, cada uma com capacidade para cerca de 1.200 alunos. A projeção é gerar mão-de-obra, técnica ou de nível superior, e atrair mais empresas para o estado. Para tanto, a escolha do lugar para a implantação dos centros precisa ser estratégica: a cidade-pólo deve irradiar desenvolvimento num raio de aproximadamente 60 km, e assim estimular o crescimento de toda a região. É o caso de Petrópolis, na região Serrana, cuja unidade do Cefet-RJ foi inaugurada na última semana, e também de outros dez municípios do estado.

As cidades foram escolhidas pelo governo federal justamente por possuírem em seu entorno arranjos produtivos que podem gerar desenvolvimento para os demais municípios. No entanto, só isso não basta. Para receber a unidade, a prefeitura deve oferecer ao Ministério da Educação (MEC) boas condições para a sua instalação.

- A prefeitura de Petrópolis, por exemplo, doou um prédio onde foi construída a unidade e fez todas as adaptações necessárias para que ela funcionasse - esclarece o diretor-geral do Cefet-RJ, Miguel Badenes.

Atualmente, a unidade de Petrópolis conta com um curso técnico de telecomunicações e os cursos superiores em tecnologia em gestão de turismo e licenciatura em física. Mas a idéia, segundo Badenes, é incluir na grade técnica os cursos de construção civil e eletromecânica. A unidade de Friburgo também oferece os cursos superiores de gestão em turismo e de licenciatura em física.

- Isso porque essas cidades estão no plano de desenvolvimento do ministério do Turismo, e é preciso gerar mão-de-obra para estimular esse potêncial. Já a licenciatura de física se deve à carência de quase 70 mil professores da disciplina na região - destaca Badenes, lembrando que o Cefet-RJ também está encarregado da unidade de Angra dos Reis.

No entanto, Badenes ressalta que a criação dos pólos ainda não será suficiente para atender a carência de quase 100 mil técnicos no Rio nos próximos dez anos. Segundo ele, o governo do estado e o Sistema S (que abriga Sesc, Senac e Sesi, entre outros) precisam dar a sua contribuição.

Meta do MEC é implementar 354 unidades até 2010

Além dos pólos de Petrópolis, Friburgo e Angra, o Plano de Expansão da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica do governo federal prevê a construção de mais sete unidades no estado, num total de 150 em todo o país. O Cefet Química é responsável pela implantação das unidades de Duque de Caxias, Volta Redonda, São Gonçalo, Realengo e Paracambi, e o Cefet Campos, pelos centros de Cabo Frio e Itaperuna. A meta do Ministério da Educação é chegar a 354 unidades até 2010.

- Temos uma unidade também em Arraial do Cabo, que é uma iniciativa nossa, e não faz parte do plano de expansão do governo federal - conta o diretor-geral do Cefet Química, Luiz Edmundo Aguiar.

Segundo ele, o critério para a escolha dos municípios levou em consideração não só a realidade econômica das cidades, mas a capacidade de absorver de mão-de-obra e a facilidade de acesso às cidades vizinhas.

- Os cursos técnicos e superiores oferecidos por cada unidade também estão relacionados com a vocação econômica da região. Em Arraial, temos logística ambiental e pesca, já em Duque de Caxias, que possui uma das maiores refinarias do país, os cursos são voltados para a área de petróleo e gás - diz Aguiar.

A previsão é que todas as unidades estejam prontas até dezembro de 2009.

Nenhum comentário: