sábado, 25 de abril de 2009

Coca-Cola, Beba... com Moderação.


Primeiro estranha-se; depois entranha-se. Foi assim que Fernando Pessoa, esse famoso publicitário definiu a mais universal das bebidas - e também mais prejudicial à saúde, embora não contendo coca (como algumas pessoas ainda pensam) e apesar de nos primórdios ser comercializada como xarope benfazejo e vendida exclusivamente nas farmácias...

Para sua informação saiba que entre outros elementos que entram na receita (secreta!) da Coca-Cola um dos ingredientes activos é o ácido fosfórico que tem um ph 2,8! O ácido fosfórico também dissolve o cálcio aos ossos e é o maior contribuinte para o aumento da osteoporose. Há alguns anos realizou-se uma pesquisa na Alemanha para detectar a razão do aparecimento de osteoporose em pré-adolescentes. Conclusão:consumo excessivo de Coca-Cola. Dúvidas? Ponham um osso numa tigela com Coca-Cola e ele dissolver-se-á em dois dias...

Algumas curiosidades:

Em muitos estados americanos as patrulhas rodoviárias carregam dois galões de Coca-Cola no porta-bagagens para serem usados na remoção de sangue na estrada depois de um acidente.

Para transportar o xarope da Coca-Cola, os camiões comerciais são identificados com a placa de Material Perigoso que é reservado para o transporte de materiais altamente corrosivos.

Os distribuidores de Coca-Cola têm-na usado para limpar os motores dos seus caminhões há pelo menos 20 anos.

A Coca-Cola Light tem sido considerada cada vez mais pelos médicos e pesquisadores como uma bomba de efeito retardado por causa da combinação com o Aspartame, suspeito de causar lúpus e doenças degenerativas do sistema nervoso.

Mas nem tudo é mau no famoso líquido. Eis por fim algumas dicas e conselhos úteis:

Para limpar casas de banho:
despeje uma lata de Coca-Cola dentro da sanita e deixe actuar durante uma hora. Descarregue o autoclismo.

Para remover pontos de ferrugem nos cromados dos automóveis:
esfregue com um chumaço de papel de alumínio molhado com Coca-Cola.

Para limpar corrosão dos terminais de baterias dos automóveis:
despeje uma lata de Coca-Cola sobre os terminais e deixe efervescer sobre a corrosão.

Para soltar um parafuso enferrujado:
aplique um pano encharcado em Coca-cola sobre o parafuso enferrujado durante alguns minutos.

Para remover manchas de graxa da roupa:
adicione uma lata de Coca-Cola ao detergente da máquina da roupa.

Fonte: http://blog.uncovering.org/archives/2006/07/cocacola.html

Ovo.. de Vilão à Aliado


Ele contém albumina, que aumenta a massa magra, e leucina que ajuda a manter.

Quando pensa no consumo de proteínas, pouca gente se lembra dele, mas o ovo é uma alternativa bastante saudável para repor os aminoácidos essenciais ao funcionamento do organismo. "As proteínas são de extrema importância para o nosso organismo por sua função construtora e reparadora, além de participarem da formação de hormônios, enzimas e anticorpos", afirma a nutricionista Lucyanna Kalluf, do Centro Brasileiro De Nutrição Funcional.

A variedade de opções no preparo (cozido, mexido ou em omeletes) conta a favor de inclusão do ovo na dieta, que ainda ganha reforço de vitaminas, minerais e lipídios (presentes em grandes quantidades na gema). "Mais de 50% da vitamina B2 do ovo está na clara, de fácil digestão e ideal para quem treina e quer desenvolver músculos", afirma a especialista. "Nunca coma ovos crus, prevenindo a salmonela (bactéria que traz infecção intestinal).

Entre a turma da academia, o xodó é a albumina: esta proteína tem alto valor biológico, excelente biodisponibilidade (é facilmente aproveitada pelo organismo e fácil digestão. A albumina possui os nove aminoácidos necessários para o processo de anabolismo (aumento de massa muscular), contribui para a regeneração de tecidos musculares, unhas, pele e cabelo (faz crescer cabelos), revitaliza funções orgânicas devido ao seu valor energético e impulsiona o sistema imunológico. A albumina está contida, principalmente, na clara. "A clara também dispõe de leucina, um aminoácido que ajuda a manter os músculos e diminui a massa gorda (gordura).

A gema, por sua vez, é rica em ômega 3, gordura excelente para o cérebro e que estimula o equilíbrio da insulina com a glicose, mais um fator para regular a compulsão e a resistência insulínica, que é o maior fator de risco para a Síndrome Metabólica. Ela também age no combate da anemia. "O ovo combate não apenas a anemia por deficiência ferro, mas também a chamada anemia perniciosa graças à presença de vitamina B 12", diz a nutricionista.

Consumo diário

Para contar com esses benefícios, o ideal é incluir ao menos um ovo (de galinha) por dia na sua alimentação o de codorna é ainda mais rico em colesterol comparado com o de galinha. Em cada 50 gramas (o equivalente a cinco ovinhos), há 422 miligramas da substância. Mas não é só: ele também tem maior quantidade de fósforo e ferro do que seu concorrente e só perde no quesito vitamina A.

Apesar da digestão mais lenta, o ovo pode ser ingerido no jantar e é um ótimo substituto para as carnes vermelhas (principalmente entre as pessoas de idade mais avançada e com dificuldade para mastigar). "Mas minha recomendação é consumo de um ovo no café da manhã, porque ele traz saciedade e evita que o paciente fique besliscando", afirma a nutricionista.

Quanto à cor da casca, não há com o que se preocupar: ela indica apenas a cor da galinha. As brancas põem ovos brancos, as vermelhas põem ovos vermelhos. E não há diferença nutricional relevante entre os ovos de granja e os chamados caipiras, que têm uma coloração mais amarelada. Isso se deve ao tipo de alimentação. A especialista lembra que as galinhas caipiras são criadas soltas e comem o que encontram pela frente, incluindo vegetais mais coloridos, enquanto as de granja se alimentam apenas de ração.

O colesterol

Por muitos anos, o ovo foi visto como inimigo do coração. Mas pesquisas recentes comprovam que não há risco de doença cardiovascular para pessoas que consomem até um ovo por dia, de acordo com a nutricionista. Para preservar sua saúde, evite o consumo de ovos fritos, que têm mais calorias totalmente dispensáveis.

Amigo da memória

O ovo também é fundamental à mesa de quem tem mania de esquecer tudo. Isso acontece porque ele é uma ótima fonte de colina, proteína que melhora a memória e a cognição. Além disso, ele tem as vitaminas B2, B6, B12, E, K, D e ácido fólico. Zinco, cálcio, selênio (boa quantidade), fósforo e ferro também estão presentes. "Devido a todos esses nutrientes, o ovo deve fazer parte da dieta de todos os indivíduos, salvo aqueles com alguma intolerância ou alergia alimentar", afirma a nutricionista Lucyanna Kalluf.

Fonte: http://yahoo.minhavida.com.br/materias/alimentacao/Coma+um+ovo+por+dia+para+ganhar+musculos+e+perder+gordura.mv

Musculação - 7 Razões Para Treinos com Peso


Você ainda precisa de algum tipo de motivação para treinar com pesos? Aqui você encontra as mais recentes descobertas sobre os benefícios desse tipo de treino:

1) Pesos constroem músculos

Mulheres com idade entre 20 e 30 anos perdem 3,6 kg de músculos e ganham 10 quilos de gordura. Homens de 20 a 80 anos perdem um quarto de sua massa muscular. Correr, pedalar ou outra qualquer outra atividade aeróbica não acaba com essa perda. A McMaster University, dos Estados Unidos, realizou um estudo comparando programas de dez semanas com uso de peso combinando exercícios aeróbicos contra programas que usam somente exercício aeróbico.

O grupo que só fazia atividades aeróbicas mostrou que só houve aumento de 2% na capacidade cardiovascular e 11% na capacidade física. Já nos treinos com pesos junto com trabalho aeróbico, seus praticantes tiveram a capacidade cardiovascular melhorada em 15% e na capacidade física 109%. No quesito força os resultados favorecem ainda mais quem treinou com pesos. O grupo da atividade aeróbica não teve nenhum tipo de aumento de força nas pernas e nos braços. Enquanto no grupo que treinou com pesos, verificou-se em seus participantes um aumento de 43% na força dos braços e 22% nas pernas.

2) Pesos fazem você perder gordura

O músculo é o motor do corpo. Ele faz com que a gordura seja queimada como combustível. Então se você tem poucos músculos, não dá para perder muita gordura. Um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition comparou os níveis de gordura corporal em mulheres. As sedentárias tem 21% de gordura corporal, as praticantes de exercícios aeróbicos tem 16% e as que praticam exercícios de resistência tem 14%.

3) Pesos fazem os ossos crescerem

Os benefícios que os treinamentos com pesos trazem ficam evidentes em um estudo de densidade óssea feito com levantadores de pesos de 14 países, comparando com pessoas que tem uma vida saudável e praticam outros tipos de exercícios. Na média os ossos daqueles que levantam pesos são 46% mais densos e 50% mais fortes.

Força óssea e muscular não estão somente relacionadas com levantadoras de pesos, mas também em mulheres jovens e saudáveis. Um estudo da Stanford University constata claramente que aproximadamente 20% da densidade mineral óssea depende da manutenção muscular.

Uma pesquisa publicada em fevereiro de 2000 no British Journal of Sports mostra que até em mulheres mais velhas, um ano de treinamento com pesos aumentou em até 29% a força muscular, com uma melhora significativa na densidade óssea.

4) Pesos aumentam a imunidade

Para termos um sistema imunológico mais forte dependemos da disponibilidade do amino ácido glutamina. Seus músculos são os responsáveis em fornecer glutamina para seu sistema imunológico durante o trabalho muscular. Quanto mais músculos você tem, mais glutamina eles fornecerão para seu sistema imunológico, fortalecendo-o.

5) Pesos combatem o diabetes

Verificou-se em estudos publicados de 1995 a 1999 dados inesperados e benéficos sobre os resultados de programas de treinamento com pesos. Este tipo de treinamento proporciona maior tolerância de glucose em pacientes com diabetes tipo 2. Em uma dessas pesquisas, mulheres que já passaram pela menopausa e tem diabetes seguiram um programa de treinamento com pesos durante 4 meses. A sensibilidade por glucose melhorou cerca de 29%.

6) Pesos atacam a artrite

Na Tufts University, pesquisadores deram a seus pacientes com artrite reumática um treino de alta intensidade com pesos durante 12 semanas. Os resultados mostraram que os pacientes tiveram significativa redução da dor nas juntas, diminuição da fadiga além de um grande ganho em força. Em um estudo da Nebraska University com pacientes com osteoartrite no joelho, os pesquisadores aplicaram um treinamento de 8 semanas com pesos. Outros pacientes foram usados como grupo de controle. Foi verificado que o trabalho com pesos causa um significante declínio na atividade da artrite.

7) Pesos fortalecem seu coração

Estudos mostram que treinamentos com pesos causam menos sintomas cardíacos que os tradicionais exercícios de reabilitação, como pedalar ou andar. Também são responsáveis por melhor fluidez sangüínea, maior força muscular, mais resistência física e menos fadiga.

Em um desses estudos, um programa de 12 semanas foi combinado com um tradicional programa de reabilitação. O grupo que treinava com pesos e também realizava trabalho aeróbico mostrou grande aumento de força (90% contra 9% daqueles que só fizeram trabalho aeróbico). Eles também perderam mais gordura (3 kg contra 1 kg). E também tiveram melhora na capacidade física.

Fonte: FitnessNetwork.com

O Perigo dos Derrames Silenciosos

Na calada do cérebro
É assim, sem dar pistas nem deixar sequelas, que ocorre um derrame silencioso. Mas atenção: ele é muito mais comum do que se imagina e pode, com o tempo, comprometer a agilidade mental.

por DIOGO SPONCHIATO

A ameaça não avisa que está chegando e passa despercebida pelo dono da cabeça em apuros. Na surdina, uma artéria minúscula é obstruída e para de irrigar um grupo de neurônios, que, sem combustível, sucumbe. A princípio, o indivíduo nem se dá conta de um derrame que, como a falta de sintomas indica, é silencioso. Mesmo assim, ninguém deve julgar seu estrago inofensivo. Aos poucos, esse tipo de acidente vascular cerebral (AVC), como os médicos denominam o problema, semeia a discórdia no cérebro, podando funções cognitivas como o raciocínio.

“Ele é de cinco a dez vezes mais frequente que os derrames que apresentam sinais e sequelas na hora”, chama a atenção o neurologista Vladimir Hachinski, editor-chefe da revista científica Stroke, da Associação Americana de Derrames, que, agora, joga os holofotes sobre a versão silenciosa do mal para alertar a população e os profissionais de saúde a respeito desse perigo — mensagem que, sem dúvida, também é válida para o Brasil.

“Os AVCs silenciosos costumam ser desprovidos de sintomas porque não atingem regiões estratégicas do cérebro”, esclarece o neurologista Alexandre Pieri, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. “As áreas danificadas não estão envolvidas com as funções sensorial e motora”, completa seu colega Cícero Galli Coimbra, da Universidade Federal de São Paulo. Com o tempo, porém, as lesões podem se multiplicar. Ocorre uma aqui, outra acolá, e assim por diante. “Daí, com o passar dos anos, parte do cérebro fica parecida com um queijo suíço”, compara Coimbra.

O que, afinal, faz florescer esse fenômeno lento e progressivo? “A pressão alta, o diabete, o colesterol elevado, o abuso do álcool e o tabagismo”, dá Pieri a lista dos vilões. O próprio envelhecimento tem lá sua culpa. “Um estudo americano aponta que um em cada dez idosos já sofreu um AVC silencioso”, conta o neurologista Jefferson Fernandes, do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre. No fundo, são os mesmos fatores que plantam um derrame avassalador. “Além disso, muitas vezes os próprios episódios silenciosos recorrentes predizem um AVC mais grave”, lembra Pieri.

Para Hachinski, o problema não é tão sigiloso quanto parece ser. “Ele pode alterar a capacidade de o indivíduo se concentrar e se organizar”, diz. Dessa forma, uma avaliação minuciosa com o neurologista abriria o caminho para surpreendê-los. O dilema é que, muito antes de haver uma devastação nos neurônios, o paciente não nota nem se queixa de nada — e a doença acaba passando despercebida até pelo médico. “Às vezes o diagnóstico é feito por acaso. O indivíduo tem uma dor de cabeça não relacionada ao problema e, na hora de realizar um exame de imagem, descobrem- se as lesões”, relata Fernandes.

Fonte: Uol

Gosta de Brincar com Suas Fotos?

Hoje vou deixar alguns links de sites interessantes para quem gosta de brincar com suas fotos, tirar alguma imagem diferenciada de uma foto que esta faltando um toque pessoal... etc.
É só clicar nos links baixo:
Picture to ASCII: http://picascii.com/

Quando Começamos a Envelhecer?


O tempo passa e quando nos tocamos, percebemos que estamos envelhecendo, acontece isso quando olhamos para o passado e sentimos uma imensa saudade daqueles tempos, tempos em que tudo era mais fácil, mais divertido e as coisas mais simples.

Quando começamos a Envelhecer?

Com isso vem a pergunta, “quando de fato começamos a envelhecer?”, segundo os especialistas o envelhecimento ocorre de maneiras e idades diferentes para cada pessoa.

Segundo estudos, a idade em que atingimos o ápice do nosso corpo é quando completamos 22 anos, isso se pendura por cinco anos até chegarmos nos 27 anos.

Essa é a idade em que o ser humano começa a envelhecer, mas não se assuste com isso, pois você notará essa mudança apenas quando chegar na casa dos 40 anos.

Fases da Vida

Nessa fase já vivemos metade de nossas vidas. Já passamos por dias em que fomos mais fortes e mais ágeis. Percebemos que aos 20 anos era mais fácil manter o corpo em forma, agora tudo é mais lento inclusive o nosso metabolismo.

Percebemos a importância de todas as fases de nossa vida, fases boas e ruins, nos tocamos que os momentos ruins nos servem para ganhar maturidade e que eles são precisos para construir nosso caráter e aprender que nem tudo pode dar certo, aprender que você se tornou essa pessoa, por causa desses momentos também.

Momentos Importantes

E os momentos bons são aqueles que fazem a vida valer apena, olhar para trás e ver que nessa longa jornada tudo valeu apena. Geralmente não percebemos os momentos bons, apenas os começamos a notar com o passar do tempo, quando sentimos saudades dessas histórias e não podemos mais viver elas.

Mais se lembre que a juventude está dentro de nós e nunca é tarde para viver a vida, essa é apenas mais uma fase dela.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

O consumo de gelatina repõe os estoques de colágeno em adultos saudáveis?

Não. Uma alimentação equilibrada pode evitar perdas excessivas de colágeno. Alimentos como as carnes vermelhas e a gelatina são fontes de colágeno. Entretanto, não é possível repor todo o estoque de colágeno perdido com a idade somente por meio da alimentação.

O colágeno é a proteína mais abundante do reino animal, sendo o principal constituinte dos ossos, peles e tecidos conectivos de todos os mamíferos. A partir da terceira década de vida, começam a acontecer alguns eventos fisiológicos que incluem a diminuição da fabricação de colágeno pelo organismo, acompanhada de alterações em sua estrutura, o que causa modificações nos tecidos acima citados.

Com o avanço da idade, perde-se um pouco da flexibilidade (a “elasticidade” dos tendões e cápsulas articulares), observa-se o surgimento de rugas na pele, diminuição da densidade mineral óssea e alterações das propriedades articulares, que podem vir associadas a algumas doenças como, por exemplo, osteoporose e osteoartrose.

A gelatina comercial é um produto protéico solúvel em água quente, obtida por meio de hidrólise parcial do colágeno dos ossos e tendões de animais (normalmente o boi), o que o torna bem assimilado pelo organismo humano. Devido aos diferentes métodos de produção e fontes de colágeno, a composição nutricional das gelatinas pode variar, mas de maneira geral, o alimento contém cerca de 83% de proteína, sendo deficiente em todos os aminoácidos essenciais. Quando analisado o teor de aminoácidos não-essenciais nota-se que a gelatina apresenta concen trações bastante elevadas dos aminoácidos arginina, prolina, glicina e alanina.

Sendo assim, o consumo de gelatina estimula a síntese de colágeno nas cartilagens e na matriz extracelular dos outros tecidos. Cabe ressaltar que a formação do colágeno depende, entre outras substâncias, da presença da vitamina C.

Fonte: Nutritotal

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Síndrome de Adônis (Anorexia Reversa)

A obsessão por um corpo sarado pode ser sintoma da vigorexia, distúrbio cada vez mais comum nas academias. Homens atingidos pelo transtorno querem ganhar mais e mais massa. Você está nessa?

Você malha pesado todos os dias, segue rigorosamente uma dieta de crescimento muscular, toma um monte de suplementos e ainda assim fica deprimido quando se olha no espelho, achando que não está tão sarado quanto poderia? Então, cuidado. O problema pode não estar no corpo, mas na sua cabeça. Dependendo da sua ânsia de construir um físico sarado, você corre o risco de ser uma vítima da vigorexia, distúrbio que afeta os malhadores compulsivos

Conhecida também como síndrome de Adônis ou anorexia reversa, a doença é descrita por psiquiatras como um transtorno disfórmico muscular que atinge mais os homens. Por trás do nome pomposo existe uma patologia com características semelhantes às de outros transtornos obsessivos- compulsivos (como anorexia e bulimia) e que pode ter graves conseqüências físicas, de doenças cardiovasculares à esterilidade. Seu principal sintoma é a preocupação exagerada com a aparência, mesmo quando já se tem um corpo sarado. Embora pratiquem exercícios compulsivamente e desenvolvam os músculos de forma exagerada - exibem braços gigantes, peitoral que parece explodir dentro da camiseta -, os homens afetados pelo problema vivem insatisfeitos com seu tamanho e querem ganhar mais massa. O termo vigorexia foi cunhado pelo psiquiatra americano Harrison Pope, da Faculdade de Medicina de Harvard (EUA), o primeiro a estudar o transtorno, nos anos 1990. Pope fez uma ampla pesquisa sobre a imagem que os homens têm deles próprios, a que achariam ideal para si e a preferida das mulheres. Os resultados mostraram que, ao projetar eu corpo ideal, os homens vítimas da síndrome queriam aproximadamente 13 quilos a mais de massa muscular do que tinham.
Entretanto, é preciso cautela para não confundir os vigoréxicos com os narcisistas marombados. “Em sua maioria, os vigoréxicos apresentam baixa estatura, são tímidos, perfeccionistas e têm problemas de auto-estima”, afirma a psiquiatra paulista Jocelyne Rosenberg, especializada no assunto e autora do livro Lindos de Morrer: Dismorfia Corporal e Outros Transtornos Obsessivos (Editora Celebris, 112 págs). Buscam na academia uma saída para suas frustrações. Os músculos não param de crescer, mas, para eles, nunca é o suficiente. “Quando um vigoréxico se olha no espelho, vê a imagem de um corpo a ser aperfeiçoado. Daí a eterna insatisfação”, diz Jocelyne. Segundo a psiquiatra, na adolescência muitos deles sofreram atos agressivos praticados entre estudantes. Assim, quando crianças, foram intimidados ou humilhados por serem magros ou baixinhos.

Um levantamento de Harvard, nos Estados Unidos, mostra que a vigorexia atinge 11% dos americanos que freqüentam regularmente academias de ginástica. No Brasil, não há estatísticas sobre o problema, mas os especialistas estimam que o grau de incidência é semelhante por aqui. A falta de informação é a principal causa para o desenvolvimento do transtorno, principalmente entre os jovens - calcula-se que 60% dos vigoréxicos têm entre 14 e 26 anos, embora não exista uma idade-limite para que o problema se manifeste. Esses jovens percorrem um ciclo repleto de armadilhas. A primeira é o próprio ambiente das academias, propício a comparações. Decidida a atingir bíceps maiores que o do cara no aparelho ao lado, a vítima não respeita o nível máximo do corpo. Como sempre se acha inferior aos colegas de malhação, exagera na carga de exercícios. A compulsão e a pressa em queimar etapas do treinamento, ignorando os intervalos necessários para a recuperação do organismo, prevalecem sobre o cansaço e o bom senso. É comum que, nesse estágio, o candidato a Hércules comece a manifestar sintomas de estresse, como irritação ou angústia. A preocupação com o corpo o leva a se afastar dos amigos, da namorada, das baladas e de todos os compromissos que possam atrapalhar seus treinos, que vêm sempre em primeiro lugar.
O outro passo na busca pelo corpo perfeito costuma envolver uma mudança na alimentação que beira o fanatismo. O vigoréxico costuma ser uma enciclopédia quando o assunto é dieta. Essa é minuciosamente regulada, com ênfase excessiva na ingestão de proteínas. Alimentos gordurosos (como as frituras), refrigerantes e doces, que atrapalham o desenvolvimento muscular, são riscados do cardápio - os xiitas eliminam até as frutas mais doces, por causa da quantidade de açúcar que contêm. Não é difícil flagrar um vigoréxico no vestiário da academia manipulando o arsenal de suplementos que consome antes, depois e até durante a malhação. Todo conhecimento que ele busca avidamente em todas as fontes possíveis (livros, revistas, fóruns na internet, instrutores da academia e conselhos de amigos) é testado e incorporado à rotina: alimentar-se a cada três horas, incluir no cardápio controlado um coquetel de shakes de proteína, cápsulas de aminoácidos e vitaminas - tudo com base em cálculos complexos do tempo que o corpo leva para metabolizar os nutrientes ingeridos.

Se o exagero ficasse por aqui, o vigoréxico ainda assim poderia ser considerado uma pessoa saudável. O drama é que a ansiedade por resultados rápidos leva grande parte deles ao consumo de anabolizantes, medicamentos à base do hormônio testosterona que promovem acelerado crescimento muscular. A testosterona é produzida pelo próprio organismo masculino: ajuda a fortalecer a musculatura, os tecidos e a memória. Para casos específicos, com acompanhamento médico, o hormônio é utilizado no tratamento de alguns tipos de câncer, anemia e osteoporose. Os supermarombeiros, porém, costumam usar fórmulas sintéticas de testosterona para aumentar o volume muscular, os esteróides. Seu uso virou febre nas academias pelos resultados rápidos, pois os músculos “incham” após poucas doses. “É razoavelmente comum ganhar até 5 quilos de massa muscular em um mês com consumo intensivo de anabolizantes, dependendo da quantidade ingerida e do perfil físico”, diz o endocrinologista Nardo Ouriques, do Rio de Janeiro. Daí a sensação de que todo bombado parece um pit bull num corpinho de poodle. Os anabolizantes podem ser encontrados na forma de comprimidos, gel ou injetáveis. Embora sejam medicamentos controlados, várias comunidades na internet oferecem contatos de venda por e-mail. Quem tem dificuldade de obter receita médica acaba recorrendo aos anabolizantes de uso veterinário - os para cavalos são os preferidos -, mais fáceis de ser adquiridos.

A maioria dos homens que sofrem de vigorexia nunca teve nenhum tipo de acompanhamento adequado na academia”, afirma o personal trainer carioca Rafael Sales, que também treina atletas de vale-tudo. “Eles fazem as coisas de orelhada: estipulam as séries de exercícios e os pesos, montam a própria dieta e, principalmente, escolhem os suplementos. Desprezam a planilha de treinos, as dicas do nutricionista e nunca consultam um médico. Só observam o que deu certo para os colegas da academia e acham que é só imitar”, acrescenta. Essa falta de discernimento é, dizem os especialistas, a principal contradição dos vigoréxicos. Apesar de obcecados por saúde, agridem o corpo na busca do que consideram a forma ideal. No caso do uso de esteróides, sofrem efeitos que podem ser devastadores e, em alguns casos, irreversíveis. Os primeiros sintomas dos danos são vômitos, náuseas, palpitação e aumento da pressão, muitas vezes confundidos com mal-estares passageiros ou resultado da sobrecarga de exercícios. E o pior vem depois.

“O uso indiscriminado dessas drogas leva a alterações sangüíneas que podem causar derrame cerebral, problemas vasculares, males cardíacos e hepáticas e disfunção erétil”, enumera José Milfont, presidente da Sociedade Brasileira de Urologia - RJ e estudioso da vigorexia. “Os anabolizantes estimulam o desenvolvimento do câncer de próstata. Se o homem já é propensoà doença, tomar essas drogas equivale a jogar gasolina no fogo”, explica. Outro problema comum é a ginecomastia, crescimento anormal das glândulas mamárias por causa do excesso de hormônio, que causa no homem o constrangedor surgimento de seios protuberantes. “Em alguns meses, já começam a surgir efeitos colaterais”, avisa o endocrinologista Nardo Ouriques. O perigo que a maioria ignora é a possibilidade de o fortão virar um fracote na cama. “O anabolizante inibe a produção de testosterona, causando atrofia testicular. Assim, o sujeito vai precisar cada vez mais desse hormônio artificial para manter o vigor - o que pode gerar infertilidade e até impotência”, diz Milfont. Mesmo quem deveria dar o exemplo já pagou caro por abusar das bombas. O ator, fisiculturista e atual governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, teve que trocar válvulas cardíacas por válvulas de coração de porco, em 1997, em conseqüência do uso de esteróides. Na época, ele disse que o problema cardíaco era congênito, informação que nem parentes levaram a sério.
A boa notícia é que o transtorno tem cura. O tratamento inclui sessões de terapia em que o psiquiatra orienta o paciente a controlar a compulsão para malhar, aliadas ao uso de medicamentos antidepressivos, que ativam a serotonina - neurotransmissores que controlam os hormônios responsáveis pelo humor, depressão, ansiedade e fome.
Antes de se deitar no divã, porém, a maioria dos vigoréxicos arrebentou músculos e articulações por excesso de exercícios, comprometeu o orçamento com suplementos importados e, às vezes, detonou o fígado por causa dos anabolizantes.
Sim, porque na maior parte dos casos, o vigoréxico só se conscientiza dos males provocados por essas substâncias depois que o estrago foi feito. O empresário carioca Maurício Chuek, hoje com 30 anos, viveu a experiência. Quando começou a freqüentar a academia, aos 16 anos, tinha o perfil típico do vigoréxico: baixo e magro, queria ganhar músculos a todo custo. “Malhava duas horas por dia, mas só deslanchei quando tomei anabolizantes em ciclos regulares a cada oito semanas”, admite. Seu peso, que era de 65 quilos, pulou para 82 em dois anos. Aos 20 anos, media 1,72 metro e pesava 100 quilos. “Os amigos e a família diziam que eu estava deformado. Tive tendinite nas articulações dos joelhos e dos cotovelos por causa da sobrecarga de peso, mas ainda achava que poderia melhorar.”
Chuek constatou que, embora tivesse adquirido massa muscular, seu corpo tinha 12% de gordura. Passou então a treinar muay thai, uta conhecida como boxe tailandês, para aumentar o desempenho aeróbico e queimar gordura. “Foi quando percebi que meu peso pouco adiantava, pois sou baixo. Parei de tomar anabolizantes, me dediquei mais à luta com acompanhamento especializado e adotei a carga de exercícios correta e uma dieta equilibrada.”
A história dele tinha tudo para um final feliz, mas os efeitos das bombas apareceram dois anos depois. Primeiro, teve de fazer uma cirurgia por causa da ginecomastia. Depois, aos 24 anos, após muitas tentativas de engravidar a namorada, descobriu que estava estéril. Fez tratamento, conseguiu conceber um filho e hoje, com 75 quilos e apenas 6% de gordura corporal, se diz arrependido do antigo estilo de vida. “Minha forma física atual é muito melhor do que quando tinha 18 anos”, assegura Chuek, que é dono de uma galeria de arte no Rio de Janeiro e se prepara para ingressar no circuito profissional de muay thai.
À primeira vista, o vigoréxico parece ser um tipo facilmente identificável nas academias. Mas quem mergulha com tudo na malhação nem sempre percebe que está ultrapassando os limites. A preocupação com a aparência é uma tendência do homem moderno - e nada mais natural do que batalhar um reforço nos bíceps para tirar suspiros das mulheres. A própria prática de exercícios, que costuma desencadear reações bioquímicas responsáveis pela sensação de prazer, acaba estimulando a busca por resultados mais expressivos. Assim, a linha que diferencia o que é prazeroso do comportamento compulsivo pode ser tênue demais.

A pesar do perfil de contornos nebulosos, dá para saber se você - ou seu amigo - está se tornando uma vítima da doença. “O vigoréxico, mesmo sem saber, emite vários sinais de que tem a síndrome”, afirma Jocelyne Rosenberg. Avalie se você não está abusando dos suplementos, o tempo que passa na academia, se não está obcecado por subir na balança e se olhar no espelho. O distanciamento de amigos e da família e o surgimento de surtos de depressão também podem ser indicativos.
“Não adianta sair malhando sem orientação ou querer queimar etapas”, ensina o preparador Rafael Sales. “A alimentação balanceada, por exemplo, contribui em 60% para a boa forma, seja para quem pretende ganhar massa, reforçar a musculatura ou perder gordura”, afirma. Segundo ele, a mistura indiscriminada de diferentes tipos de suplementos pode afetar o metabolismo e alterar o efeito desejado. Na pirâmide da boa forma, os exercícios aeróbicos vêm em seguida, pois ajudam a queimar gordura e a perder peso, e a musculação aparece apenas em terceiro lugar. Portanto, para atingir o corpo perfeito, não é preciso viver na academia ou bitolado em dieta. Basta usar o bom senso e relaxar - antes que sua namorada troque seus bíceps pelos de um cara menos sarado, mas que saiba curtir a vida.

Fonte: Mens Health – 04/2008

terça-feira, 21 de abril de 2009

A MASSACRANTE FELICIDADE DOS OUTROS


por Martha Medeiros

Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma. Estamos todos no mesmo barco. Há no ar um certo queixume sem razões muito claras.

Converso com mulheres que estão entre os 40 e 50 anos, todas com profissão, marido, filhos, saúde, e ainda assim elas trazem dentro delas um não-sei-o-quê perturbador, algo que as incomoda, mesmo estando tudo bem. De onde vem isso?

Anos atrás, a cantora Marina Lima compôs com o seu irmão, o poeta Antonio Cícero, uma música que dizia: ‘Eu espero/ acontecimentos/ só que quando anoitece/ é festa no outro apartamento’.

Passei minha adolescência com esta sensação: a de que algo muito animado estava acontecendo em algum lugar para o qual eu não tinha convite. É uma das características da juventude: considerar-se deslocado e impedido de ser feliz como os outros são, ou aparentam ser. Só que chega uma hora em que é preciso deixar de ficar tão ligada na grama do vizinho.

As festas em outros apartamentos são fruto da nossa imaginação, que é infectada por falsos holofotes, falsos sorrisos e falsas notícias. Os notáveis alardeiam muito suas vitórias, mas falam pouco das suas angústias, revelam pouco suas aflições, não dão bandeira das suas fraquezas, então fica parecendo que todos estão comemorando grandes paixões e fortunas, quando na verdade a festa lá fora não está tão animada assim.

Ao amadurecer, descobrimos que estamos todos no mesmo barco, com motivos pra dançar pela sala e também motivos pra se refugiar no escuro, alternadamente. Só que os motivos pra se refugiar no escuro raramente são divulgados pra consumo externo.

‘Todos são belos, sexys, lúcidos, íntegros, ricos, sedutores, social e filosoficamente corretos. Parece que ninguém, nenhum deles, nunca levou porrada. Parece que todos têm sido campeões em tudo’.

Fernando Pessoa também já se sentiu abafado pela perfeição alheia, e olha que na época em que ele escreveu estes versos não havia esta overdose de revistas que há hoje, vendendo um mundo de faz-de-conta. Nesta era de exaltação de celebridades - reais e inventadas - fica difícil mesmo achar que a vida da gente tem graça. Mas tem.

Paz interior, amigos leais, nossas músicas, livros, fantasias, desilusões e recomeços, tudo isso vale ser incluído na nossa biografia. Ou será que é tão divertido passar dois dias na Ilha de Caras fotografando junto a todos os produtos dos patrocinadores?

Compensa passar a vida comendo alface para ter o corpo que a profissão de modelo exige? Será tão gratificante ter um paparazzo na sua cola cada vez que você sai de casa? Será bom só sair de casa com alguém todo tempo na sua cola a título de segurança? Estarão mesmo todas essas pessoas realizando um milhão de coisas interessantes enquanto só você está em casa, lendo, desenhando, ouvindo música, vendo seu time jogar, escrevendo, tomando seu uisquinho?

Tenha certeza que as melhores festas acontecem sempre dentro do nosso próprio apartamento.

sábado, 18 de abril de 2009

A Arte da Conquista

"O jogo da conquista tem muitos truques,
mas um só desafio:
vencer o medo de demonstrar o amor" (AD)






domingo, 12 de abril de 2009

Cursos On-Line com Certificado

Não curto fazer propaganda gratuita, mas quem esta a procura de um curso ou aprimorar seu conhecimentos, aqui vai uma dica.
O Anotebuk está disponibilizando, através do iPed, cursos online de informática, programação, animação e design, profissionalizante e lingua estrangeira.
Tem também cursos para crianças de matemática, português, geografia, história e ciências.
São mais de 60 cursos a partir de R$24,90 e, também, cursos gratuitos!!!
Você pode receber o certificado autenticado em sua casa.
Mais informações: http://www.iped.com.br/

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Ganho de Massa Muscular


Construir músculos e aumentar o percentual de massa magra é um desafio para muitas pessoas. A única forma de manter a massa muscular em um processo de emagrecimento é alimentar os músculos apropriadamente e, simultaneamente, queimar a gordura com exercícios aeróbicos.

A grande questão é que em um programa de emagrecimento, a maior parte das pessoas reduz a ingestão calórica a níveis tão baixos que o organismo busca energia nos músculos. A perda de peso ocorre, assim como o percentual de massa magra. Para evitar que isto aconteça, é importante saber estimular a construção muscular para ter um corpo forte e definido.

Conheça 10 dicas para o ganho de massa muscular:

1. Evitar dietas restritivas:

Um dos erros mais comuns em dieta para o ganho de massa muscular é consumir quantidades adequadas de proteínas, mas não ingerir calorias suficientes para suprir o corpo de energia. É verdade que seu corpo necessita de proteínas para crescer, mas se esta medida for acompanhada de uma dieta muito restritiva em calorias, de nada vai adiantar.

2. Consumir carboidratos:

Os carboidratos são a principal fonte de energia para o corpo. Se o corpo não tem reserva em carboidratos, ele terá que obter nas proteínas a energia de que necessita para treinar. Além disso, os carboidratos têm um papel importante na liberação de insulina, que é um hormônio anabólico, atuando inclusive na construção das proteínas. Porém, é importante lembrar que os carboidratos devem ser ingeridos nas quantidades adequadas, pois em excesso eles provocam acúmulo de gordura.

3. Consumir proteínas:

Proteínas são o principal nutriente responsáveis pela construção muscular. O ideal para praticantes de atividades físicas é consumir de 0,8 g a 1,5 g de proteínas para cada quilo corporal. Por exemplo, uma pessoa que pesa 70 kg, deve consumir de 56-105g de proteína/dia. O ideal é dividir esta quantidade em pequenas porções ao longo do dia para melhor absorção e assimilação. Boas fontes de proteínas são carnes magras, frango, peixe, whey protein e clara de ovo.

4. Fracionar as refeições:

O ideal é fazer 6 refeições por dia. Embora exija bastante disciplina, comer porções menores e mais vezes ao dia compensa no final. Uma razão é a liberação frequente de insulina. Quando você come, o nível de glicose no sangue aumenta e a resposta do organismo para isso é a liberação deste hormônio, um potente anabólico.

5. Ingerir "gorduras do bem":

Há uma importante ligação entre a gordura e os níveis de testosterona, um dos principais hormônios ligado ao ganho de massa muscular e à diminuição da gordura corporal. Boas fontes de gorduras benéficas são: salmão, que é rico em ômega 3, azeite, óleo de linhaça e CL.

6. Fazer uma boa refeição pré-treino:

Na refeição pré-treino é importante ingerir carboidratos de digestão lenta - arroz, macarrão e grãos integrais, feijões, batata-doce. Como a conversão destes carboidratos em glicose demora mais tempo, o nível de açúcar no seu sangue se manterá constante durante todo o treino e você terá energia para treinar por mais tempo e mais intensidade. Incrementando esta refeição com uma fonte magra de proteína, seus ganhos são maximizados.

7. Fazer uma refeição pós-treino de qualidade:

A refeição pós-treino deve ser rica em carboidratos de fácil digestão - abacaxi, banana, manga, melancia, papaia, pão branco, mel, aveia, geléias, dextrose - e em proteínas completas, como peito de frango e whey protein. Durante o treino o corpo entra em estado de catabolismo (quebra). As fibras musculares são destruídas para que elas sejam construídas maiores e mais fortes. Com uma alimentação inapropriada, o organismo não poderá fazer esta reconstrução com eficiência.

8. Beba bastante água:

Mais de 70% do corpo é composto por água. Se a pessoa estiver desidratada, os músculos não crescem. Após treinos longos e intensos, é necessário repor não só água, mas também os sais minerais e os carboidratos perdidos. Para isso, os sports drinks são excelentes opções.

9. Usar suplementos:

Suplementos funcionam, contanto que você treine. Para quem está começando a treinar agora é recomendado ingerir proteínas, glutamina, carboidratos e multivitamínicos. Outra boa indicação são os packs. Eles contêm combinações específicas de macro e micronutrientes.
Lembre-se: sempre sob orientação de um profissional de saúde (nutricionista, médico ou profissional de educação física com especialização). O uso incorreto de suplementos pode causar prejuízos à saúde.

10. Descansar bem:

Descanso é essencial para a construção muscular. A pessoa que não descansa não obtém construção muscular satisfatória. Esse descanso engloba as 48h entre uma série e outra, as pausas entre os grupos de repetições (de 60 a 90 segundos) e as horas de sono.

fonte: www.corpoperfeito.com.br

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Mario Sergio Cortella - Simples Solução

Malhar em Jejum ou Passar Mais de Quatro Horas Sem Comer ENGORDA


Se você é do time que pensa no jejum como alternativa poderosa contra os quilos extras, saiba que está embarcando numa roubada.
Deixar de comer compromete uma série de funções vitais e não ajuda em nada na dieta , afirma a nutricionista do Minha Vida, Karina Gallerani. Isso porque o jejum prejudica o metabolismo (conjunto de transformações que as substâncias químicas do alimento sofrem em nosso organismo). E são essas reações que permitem a célula transformar os alimentos ingeridos em energia.
A quantidade de calorias ou energia gasta durante o repouso (usada pelo corpo para fazer para funcionar órgãos como coração, cérebro, pulmões e intestino) é chamado de metabolismo basal. O metabolismo basal pode variar de acordo com a composição corporal de cada pessoa, assim como a idade, sexo e prática de atividades físicas. Mas o jejum prolongado tende a diminuir esse metabolismo, interferindo no gasto de energia , diz Karina.
Para entender melhor as conseqüência de ficar muito tempo sem comer, confira a lista de mitos que a especialista desvenda abaixo. Ela revela o intervalo ideal entre uma refeição e outra, explica a relação entre estômago vazio e mau hálito e alerta para os perigos de ficar, diariamente, sem tomar café-da-manhã.

1. Fazendo exercícios em jejum, emagreço mais rápido.
Falso. Durante a execução dos exercícios físicos, se você estiver em jejum, seu nível de glicose no sangue pode estar muito baixo (hipoglicemia). Então, seu organismo vai passar a consumir proteínas. Você perde massa magra (músculos), diminui seu metabolismo e acaba ficando mais fraco. A performance cai e o desgaste físico e emocional aumenta. Em condições normais, com alimentação equilibrada, o organismo consegue manter este equilíbrio interno. No entanto, a o jejum prolongado pode comprometer esse balanço energético.

2. Ficar muito tempo sem comer deixa o metabolismo mais lento.
Verdade. Depois de muito tempo sem comer, o metabolismo passa a funcionar mais lentamente, como tentativa de economizar energia. Como conseqüência, na próxima refeição, a tendência é acumular mais gordura. O ideal é não ficar sem comer por mais de 4 horas, distribuindo as refeições durante o dia.

3. O jejum acelera os resultados da dieta.
Falso. As pessoas normalmente relacionam a dieta como algo muito restritivo, acreditando erroneamente que a reeducação alimentar proibirá o consumo de certos alimentos. Embora uma boa alimentação possa ter certas limitações, não há proibições absolutas.

4. Ficar em jejum causa dor de cabeça.
Verdade. O cérebro não tem qualquer reserva energética e por isso, independente do estado nutricional é necessário que haja um suprimento de glicose, provenientes principalmente de alimentos fontes de carboidratos para este tecido. Situações de hipoglicemia, por exemplo, onde ocorre uma redução dos níveis de glicose sanguínea, podem acarretar perturbações no funcionamento do sistema nervoso central, que vão desde cefaléia, incoordenação de fala e motora, até alterações no eletroencefalograma e coma.

5. Ficar três horas sem comer não prejudica o organismo.
Verdade. Períodos curtos de jejum (de uma a três horas sem comer) não acarretam problemas. Esse é o tempo médio que o organismo leva para realizar a digestão e conseqüente absorção dos alimentos. Mas pessoas com tendência a hipoglicemia devem se alimentar a cada duas horas. Do contrário, podem surgir sintomas como visão turva, cefaléias, enjôos, vômitos, tremores.

6. Pular o café-da-manhã diminui a capacidade raciocínio.
Verdade. Jejuns superiores a quatro horas podem resultar em lentidão dos movimentos, raciocínio confuso, perda de memória, dores musculares e de cabeça, tontura e até mesmo desmaios em alguns casos mais graves. Quem persiste em tornar o almoço a primeira refeição do dia, está expondo o organismo a mais de doze horas em jejum. Esse estado metabólico também pode favorecer consideravelmente o aparecimento de infecções já que o organismo está fraco devido a falta de nutrientes.

7. Ficar em jejum durante o dia causa mau hálito
Verdade. A presença do mau hálito, decorrente da acidose metabólica (excesso de acidez no sangue caracterizada por uma concentração anormalmente baixa de carboidratos) é decorrente a jejuns superiores a seis horas. Esta característica é bem comum em pacientes com diabetes. Os mecanismos de compensação realizados pelo organismo em situações de acidose é uma respiração mais profunda e rápida: o organismo tenta livrar o sangue do excesso de ácido reduzindo a quantidade de dióxido de carbono. Os rins tentam excretam mais ácido na urina. Quando estes dois mecanismos não conseguem estabelecer a homeostase e o corpo continua a produzir ácido em demasia, instala-se um quadro de acidose grave e, em última instância, o coma.