sexta-feira, 3 de julho de 2009

Hipoglicemia

A hipoglicemia é o nome dado à diminuição do nível de glicose (açúcar) no sangue.
A hipoglicemia, por si só, não é uma doença, mas sim uma alteração secundária a outras doenças ou uso de medicamentos. A glicemia (nível de glicose no sangue) de jejum normal é de 60 a 99 mg/dl. Glicemias entre 50 e 60 mg/dl podem ser normais para muitas pessoas. Admite-se como hipoglicemia quando a glicose plasmática (no sangue) está abaixo de 55 mg/dl para homens e 45mg/dl para mulheres, independente do horário em que foi realizada.

Como é feita a confirmação da hipoglicemia?
São necessários três elementos importantes: (1) nível de glicemia abaixo do normal, (2) presença de sintomas compatíveis com hipoglicemia e (3) melhora dos sintomas após alimentação ou administração de glicose.

Como o nosso organismo mantém o controle da glicemia?
Quando uma pessoa se alimenta, durante o processo de digestão e absorção há um aumento da glicose no sangue. Diante disso, o organismo produz quantidades adequadas de insulina que permitem que esta glicose em excesso entre para dentro das células. Diante de um longo período de jejum, as células do corpo continuam consumindo a glicose no sangue e o organismo, para evitar que a glicose no sangue abaixe muito libera alguns hormônios que aumentam o nível de glicose como o glucagon, o hormônio de crescimento (GH), a adrenalina e o cortisol. Estes hormônios ativam a liberação do glicogênio (glicose estocada no fígado) e transformam outros nutrientes como proteínas e gordura em glicose. Assim, para haver hipoglicemia é necessário que haja um aumento de insulina ou uma diminuição dos hormônios hiperglicemiantes.

Quais são as causas da hipoglicemia?
Geralmente são ocasionadas por falta de refeições nos horários corretos, por exercícios físicos excessivos, ou por doses elevadas de insulina e/ou medicamentos (hipoglicemiantes orais).
Um grande número de doenças ou situações clínicas pode causar a hipoglicemia, que depende principalmente da idade do paciente e do momento em que ela aparece.
Entre as causas da hipoglicemia de jejum podemos encontrar o uso de medicamentos como insulina e anti-diabéticos, uso de álcool, tumores produtores de insulina, síndrome genética, insuficiência hepática ou renal, deficiência de hormônios contra-reguladores (GH, adrenalina, glucagon e cortisol), anorexia nervosa e doenças de armazenamento de glicogênio. Entre as hipoglicemias pós-prandiais (que aparecem depois das refeições) temos principalmente a hipoglicemia reativa e aquelas que aparecem após a pessoa ter sido submetida a uma cirurgia de estômago.

Quais são os sintomas da hipoglicemia?
Diante de uma hipoglicemia, a pessoa apresenta dois tipos de sintomas: (1) os relacionados à diminuição de glicose cerebral e (2) os decorrentes da produção de adrenalina na tentativa de elevar a glicose.
Entre os primeiros, os mais freqüentes são visão turva, tonturas, fraqueza, dor de cabeça, pensamento lento, formigamentos, sensação de fome, dificuldade de concentração, irritabilidade, alterações de comportamento e, em casos mais graves, convulsão e coma, decorrente do fornecimento inadequado de glicose como combustível ao cérebro, com prejuízo resultante em suas funções (neuroglicopenia).
Veja abaixo algumas manifestações possíveis:
  • Atividade mental anormal, prejuízo do julgamento
  • Indisposição não específica, ansiedade, alteração no humor, depressão, choro, medo de morrer
  • Negativismo, irritabilidade, agressividade, fúria
  • Mudança na personalidade, labilidade emocional
  • Cansaço, fraqueza, apatia, letargia, sono, sonho diurno
  • Confusão, amnésia, tontura, delírio
  • Olhar fixo, visão embaçada, visão dupla
  • Atos automáticos
  • Dificuldade de fala, engolir as palavras
  • Ataxia, descoordenação, às vezes confundido com embriaguez
  • Déficit motor, parálise, hemiparesia
  • Parestesia, dor de cabeça
  • Estupor, coma, respiração difícil
  • Convulsão focal ou generalizada

Já os sintomas causados pela liberação de adrenalina são mais freqüentes a sudorese, tremores e palpitações. Embora os sintomas possam variar de acordo com a pessoa, costumam ser os mesmos.

Diferenças entre hipoglicemia e hiperglicemia
Sintomas
Hiperglicemia
(alta de açúcar)
Hipoglicemia
(baixa de açúcar)
Início
Lento
Súbito (minutos)
Sede
Muita
Inalterada
Urina
Muita quantidade
Inalterada
FomeMuitaMuita ou normal
Perda de pesoFreqüenteNão
PeleSecaNormal ou úmida
Mucosa da BocaSecaNormal
SuoresAusentesFreqüentes e frios
TremoresAusentesFreqüentes
FraquezaPresenteSim ou não
CansaçoPresentePresente
Glicose no sangueSuperior a 200 mg%40 a 60 mg% ou menos
háálito cetônicoPresente ou ausenteAusente

Dicas para evitar hipoglicemia
1. O consumo de um lanche antes de dormir (ceia) pode auxiliar na prevenção de hipoglicemia noturna. Os alimentos mais recomendados para este lanche devem conter carboidratos e proteínas (leite ou pão com queijo e presunto, por exemplo);
2. A monitorização nesse horário é extremamente importante. A glicemia deve ser ajustada sempre para que fique em torno de 100 m/dl;
3. Ficar atento à alimentação se fizer exercício físico (especialmente se não programado). É necessário medir sua glicemia para ver se é necessário o consumo de carboidratos extras;
4. Evitar o uso do álcool, principalmente em jejum.

Nenhum comentário: