quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

FELIZ 2011!



OBRIGADO PELO CARINHO E MENSAGENS QUE RECEBI NESTE ANO!
ESPERO "REVE-LOS" EM 2011 E... FAZER MELHOR ESTE PEQUENO "TRABALHO"

FELIZ 2011 PARA VOCÊ!
ATÉ LOGO!


terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Bebidas Energéticas e Alcool...

Bebidas alcoólicas com cafeína foram retiradas das lojas nos Estados Unidos após relatos de que causariam reações adversas.

Entre as marcas proibidas estão a Four Loko, vendida em lata. A bebida, altamente energética, com sabor de frutas, contém álcool em concentração de 12%, o que a torna três vezes mais forte do que a cerveja comum, além de uma quantidade de cafeína equivalente a dois cafés expressos.

Por determinação da Food and Drug Administration (FDA), órgão que controla o setor de alimentos nos Estados Unidos, a marca Four Loko não poderá continuar a ser vendida na fórmula original. A nova versão não conterá cafeína.

Comentando a decisão da FDA, Joshua M Sharfstein, vice-comissário da organização, citou pesquisas que indicam que a mistura de cafeína e álcool representa um "risco à saúde pública".

Estudos

Uma pesquisa feita pela Universidade da Flórida com 802 estudantes que haviam misturado álcool e cafeína concluiu que eles estavam três vezes mais propensos a sair do bar muito embriagados e quatro vezes mais propensos a dirigir, em comparação com estudantes que não beberam álcool em combinação com cafeína.

A cafeína é um estimulante natural que aumenta a atenção e o ritmo dos batimentos cardíacos. O álcool, por sua vez, é um calmante que produz letargia e perda das faculdades normais.

"Quando alguém mistura os dois, acreditamos que a cafeína mascara os efeitos calmantes do álcool", explicou Bruce Goldberger, um toxicologista da University of Florida envolvido na pesquisa.

"Nossa pesquisa mostrou que a percepção da pessoa em relação ao seu grau de debilitação foi mascarada pelo efeito estimulante causado pela cafeína".

Goldberger acha que a combinação leva mais estudantes a ficar acordados por mais tempo, e portanto, a beber mais.

Outro estudo, feito pela Wake Forest university, na Carolina do Norte, com a participação de 697 estudantes, revelou que os que haviam consumido bebidas alcoólicas com cafeína tinham mais propensão a dirigir bêbados, abusar sexualmente de outra pessoa ou acabar precisando de tratamento médico.

"Meu amigo bebeu um pouco menos do que três latas em uma hora", disse o estudante James Kulinski à BBC. "Ele não sabia o que estava fazendo. Ficou totalmente descontrolado. Não tinha coordenação nem capacidade de se comunicar".

Defesa

Criada por três amigos que se conheceram na universidade, a bebida Four Loko chegou às lojas em 2008.

O fabricante, Phusion Projects, nega afirmações de que a bebida produz o envenenamento por álcool.

"Temos argumentado repetidamente (...) que a combinação de álcool e cafeína é segura", diz uma declaração dos criadores da marca.

"Se fosse insegura, combinações populares como rum e coca-cola ou Irish coffee (café, uísque, creme de leite e açúcar), que vêm sendo consumidas de forma segura e responsável por anos, teriam recebido a mesma atenção que os nossos produtos mereceram".

Outros locias, no entanto, estão adotando medidas semelhantes às da FDA americana.

O México já proibiu vendas de bebidas alcoólicas com cafeína em bares e casas noturnas.

No Canadá, apenas cafeína derivada de fontes naturais, como o guaraná, pode ser adicionada.

Na Austrália, as autoridades estão considerando a questão, e na Escócia o partido Trabalhista pediu que as bebidas sejam proibidas.

Fonte: Uol

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Receitas de Bolo... na Caneca!!!

Olha só que interessante!!! Acabei de receber em meu email e não resisti, tive que postar!
Às vezes bate uma vontade de comer um bolinho... mas se comer demais, não vai prestar. Seus problemas terminaram... uma única porção de bolo!!!

A brincadeira é que você bate os ingredientes na própria caneca com um garfo e põe no microondas por 3 minutos. A massa crua é mais mole que a de um bolo normal mas é assim mesmo. 
Não aumente a farinha ou terá um bolo duro.

Bolo de Caneca

Você prepara na própria caneca que irá consumir e em apenas 3 minutos no microondas.

Ingredientes:
- 1 ovo pequeno
- 4 colheres (sopa) de leite
- 3 colheres (sopa) de óleo
- 2 colheres (sopa) rasas de chocolate em pó
- 4 colheres (sopa) rasas de açúcar
- 4 colheres (sopa) rasas de farinha de trigo
- 1 colher (café) rasa de fermento em pó

Modo de Preparo:
- Coloque o ovo na caneca e bata bem com um garfo.
- Acrescente o óleo, o açúcar, o leite, o chocolate e bata mais.
- Acrescente a farinha e o fermento e mexa delicadamente até incorpar.
- Leve por 3 minutos no microondas na potência máxima.

Dicas
- A caneca deve ter capacidade de 300ml.
- A medida de colher é sempre rasa.
- Você pode servir este bolo com coberturas, caldas, castanhas e sorvete. E pode comer quente.

BOLO DE CHOCOLATE NA CANECA
(Rende 2 porções)

2 canecas com capacidade de 150 ml
1 gema
6 colheres (sopa) de leite condensado
1 colher (sopa) de manteiga
1 colher (sopa) de leite
2 colheres (sopa) de chocolate em pó
5 colheres (sopa) de farinha de trigo peneirada
1 colher (café) de fermento químico
1 clara batida em neve

Cobertura
Leite condensado misturado com chocolate em pó a gosto

Em uma tigela ponha a gema, o leite condensado, a manteiga, o leite e o chocolate em pó. Bata com batedor de arame vigorosamente por três minutos. Acrescente a farinha de trigo e o fermento, e misture bem. Junte a clara em neve e incorpore à mistura, mexendo com delicadeza.

Distribua nas canecas e asse por 25 minutos, a 180 graus em forno preaquecido. Se preferir, asse-o em forno microondas. Nesse caso, apenas 3 minutos em potência máxima bastam. Retire do forno e, enquanto ainda estiver quente, faça alguns furos com um palito e despeje o leite condensado misturado com o chocolate. Decore como quiser.

BOLO DE LARANJA NA CANECA
(Rende 1 porção)

1 ovo
3 colheres (sopa) de óleo
4 colheres (sopa) rasas de açúcar
4 colheres (sopa) de suco de laranja
5 colheres (sopa) rasas de farinha de trigo
1 colher (café) de fermento químico



Cobertura
2 colheres (sopa) açúcar de confeiteiro
3 colheres (chá) de suco de laranja

Coloque o ovo na caneca e bata com o garfo. Adicione o óleo, o açúcar e o suco de laranja e misture. Agregue a farinha, o fermento e misture até uniformizar. Leve por três minutos ao microondas em potência máxima.

Cobertura
Junte tudo e cubra o bolo.

Dica: Vale trocar o suco de laranja pelo de limão. Mas, para essa substituição, em vez de 4 colheres (sopa) do sumo da laranja, use 2 colheres (sopa) do limão, pois o sabor é mais acentuado.

BOLO DE LEITE DE COCO NA CANECA
(Rende 1 porção)

1 ovo
2 colheres (sopa) de leite de coco
2 colheres (sopa) de leite
3 colheres (sopa) de óleo
4 colheres (sopa) rasas de açúcar
5 colheres (sopa) rasas de farinha de trigo
1 colher (sopa) rasa de coco ralado
1 colher (café) de fermento químico

Cobertura
2 colheres (sopa) de açúcar de confeiteiro
3 colheres (chá) de leite de coco
Coco ralado

Despeje o ovo inteiro na caneca e bata. Em seguida, junte o óleo, o açúcar, o leite de coco e misture bem. Acrescente a farinha, o fermento e mexa até a massa ficar uniforme. Leve por três minutos ao microondas na potência máxima. Cubra o bolo e polvilhe coco ralado.

Dica: Depois de preparar a massa, passe manteiga e polvilhe farinha em outra caneca e despeje a massa. Assim, o doce não gruda e não quebra ao desenformar.

BOLO DE FUBÁ COM GOIABADA NA CANECA
(Rende 1 porção)

1 ovo
3 colheres (sopa) de óleo
4 colheres (sopa) rasas de açúcar
4 colheres (sopa) de leite
2 colheres (sopa) rasas de fubá
4 colheres (sopa) rasas de farinha de trigo
1 colher (café) de fermento em pó


Cobertura
2 colheres (sopa) de goiabada
1 colher (sopa) de água

Derrame o ovo na caneca e bata com o garfo. Acrescente o óleo, o açúcar, o leite e o fubá e misture. Coloque a farinha de trigo e o fermento e mexa até dar o ponto. Leve por três minutos no microondas em potência máxima.

Cobertura
Pique a goiabada, junte a água e ponha no microondas por um minuto. Espalhe sobre o bolo.

Dica: Em vez de goiabada, cubra o doce com geléias de sabores diferentes.

BOLO DE CENOURA DE CANECA
1 cenoura pequena
1 ovo
3 colheres de sopa de oleo de milho
1 pitada de sal
3 colheres de açucar.
4 colheres de sopa rasa de trigo..

Cobertura
1 colher de nescau
1/2 colher de manteiga
1 colher de açucar
1 colher de leite

Preparo
Raspe a cenoura e corte em pedaços pequenos, coloque no processador, junto com o oleo e o ovo. Bata até a cenoura ficar bem triturada.
Coloque na caneca, o trigo, o açucar e o fermento , junte a cenoura batida e misture bem..No microondas, com potência máxima, por 2 minutos.

Cobertura
Misture tudo numa xicara de chá e leve ao microondas por 40 seg. retire ..bata bem deixe esfriar e cobra o bolo..

CANECA DE PÃO DE QUEIJO

1 ovo pequeno
4 colheres (sopa) de leite
3 colheres (sopa) de oléo
1 pitada de sal
4 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado
4 colheres (sopa) de polvilho azedo
1 colher (café) de fermento em pó
margarina para untar

Preparo:
Bata todos os ingredientes no liquidificador, e unte a caneca com margarina, coloque esta mistura até a metade da altura da caneca e leve no microondas por 3 minutos em potência media retire e polvilhe o queijo parmesão para decorar.
Rendimento: 2 canecas

CANECA DE BOLO SALGADO
1 ovo pequeno
4 colheres (sopa) de leite
3 colheres (sopa) óleo
4 colheres (sopa) de farinha de trigo
1 colher (café) de fermento em pó
1 pitada de sal
1 fatia de queijo mussarela
1 fatia de peito de peru
½ tomate picado sem semente
orégano e queijo parmesão para decorar

Preparo
Misture todos os ingredientes menos a decoração numa caneca de 300 ml, misture bem e leve no microondas em potência alta por 3 minutos e decore com orégano e queijo parmesão e folhas de salsinha.
Rendimento: 1 caneca

CANECA DE PUDIM DE LEITE CONDENSADO
1 lata de leite condensado
1 e ½ lata de leite
3 ovos
gotas de baunilha para perfumar

Calda:
6 colheres (de sopa) de açúcar
6 colheres(de sopa) de água

Preparo
Em um recipiente misture os ingredientes do pudim (pode ser manual ou no liquidificador) misture bem os ingredientes e reserve.
Para calda coloque o açúcar e água, leve ao microondas por 3 minutos em potência alta, coloque a calda na caneca e coloque a mistura na metade da caneca, faça isso em 4 canecas, leve uma de cada vez ao microondas por 3 minutos em potência alta.
Decore com um pouco de calda.

Rendimento: 4 canecas

CANECA DE PETIT GATEAU

¾ lata de leite condensado
¾ caixa de creme de leite
3 ovos pequenos
½ lata de chocolate em pó
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
1 colher (café) bem rasa de fermento em pó
margarina para untar



Ganache
100 g de chocolate ao leite
70 ml de creme de leite
1 saco de confeitar descartável

Decoração
4 bolas de sorvete
folhas de hortelã e calda de chocolate

Preparo
Bata todos os ingredientes em um liquidificador, coloque a mistura ate a metade da altura da caneca, já untada com margarina, e com o saco de confeitar coloque no meio da massa crua um pouco do ganache, leve ao microondas por 3 minutos, sirva com uma bola de sorvete de creme e folhas de hortelã.

Rendimento: 4 canecas

domingo, 7 de novembro de 2010

Estudo da UFRJ Desenvolve Pó de Café Fortificado com Ferro e Zinco

Não seria exagero dizer que o tradicional cafezinho, com ampla aceitação em todas as classes sociais, é uma preferência nacional. O café é a segunda bebida mais consumida no Brasil, só perdendo para a água, segundo levantamento realizado em janeiro de 2010 pelo Instituto Ivani Rossi Consultoria em Pesquisa para a Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic). Mas além de ser apreciado pelo aroma e sabor peculiares e por suas propriedades estimulantes, ele pode vir a ser um aliado no combate às deficiências nutricionais de parte da população brasileira. Para aproveitar a popularidade da bebida a favor da melhoria da nutrição, uma pesquisa desenvolvida na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com apoio do programa Bolsa Nota 10 da FAPERJ criou o café torrado e moído fortificado com ferro e zinco.

O projeto foi tema da dissertação de mestrado defendida em julho deste ano no Programa de Pós-graduação em Ciência de Alimentos do Instituto de Química da UFRJ pela bolsista Nota 10 Luciana Lopes Costa, sob orientação da professora Adriana Farah, que é Jovem Cientista do Nosso Estado da FAPERJ e doutora em Ciências de Alimentos pela UFRJ, com parte de sua tese realizada no Institute for Coffee Studies at Vanderbilt University Medical Center (EUA). De acordo com Luciana, adicionar ferro e zinco ao café é uma tentativa de suprir o consumo inadequado desses minerais, ainda abaixo dos níveis recomendados pelos padrões internacionais da Organização Mundial da Saúde (OMS). “A subnutrição de micronutrientes como o ferro e o zinco, importantes para prevenir a anemia, ainda é prevalente nos países em desenvolvimento”, diz a nutricionista.

A ideia de criar um café fortificado já vinha sendo testada em outras pesquisas na instituição que tiveram a participação da professora Adriana Farah. “Fizemos um estudo inicial com fortificação de café solúvel, que teve orientação da professora Carmen Marino Donangelo. A intenção era verificar se o café poderia ser um veículo adequado para a fortificação, permitindo uma absorção adequada dos minerais adicionados a sua matriz, e o resultado foi excelente”, conta Adriana, que vem se dedicando ao tema café e saúde ao longo dos últimos anos. “No caso desse projeto defendido pela Luciana, o enfoque escolhido foi a fortificação do café em pó porque ele é mais acessível às pessoas de baixa renda do que o café solúvel”, explica a orientadora.

Café para ajudar a nutrir

Durante os dois anos da pesquisa, diferentes concentrações de ferro e zinco foram experimentadas no Laboratório de Bioquímica Nutricional e de Alimentos da UFRJ até se chegar à concentração ideal de nutrientes que deveria ser adicionada ao pó de café. “Cada xícara do café fortificado que desenvolvemos atende a 20% da recomendação da OMS para a ingestão diária de ferro e de zinco”, destaca Luciana. Esses testes foram realizados em parceria com o Laboratório de Análises Espectrométricas da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), com auxílio do professor Norbert Miekeley.

O próximo passo do projeto foi avaliar se os minerais adicionados ao pó de café ficariam retidos no coador na hora do preparo ou se eles passariam pelo coador mantendo as suas propriedades nutricionais também no café pronto para beber. Para isso, a eficácia da adição de ferro e zinco foi testada de acordo com os diversos métodos utilizados no preparo do café em pó, como as cafeteiras elétrica e italiana (café Mocca), os coadores de pano, de nylon e de papel, e a máquina de café expresso. “As bebidas preparadas com cafeteira elétrica e com máquina de café expresso foram as que mais preservaram as propriedades nutricionais do ferro e do zinco adicionados ao pó original, com cerca de 40% de aproveitamento desses minerais”, ressalta Luciana.

Os resultados observados para a preservação de ferro e zinco no preparo da bebida com a cafeteira elétrica, hoje um eletrodoméstico comum na maioria das casas no País, também podem ser convenientes para difundir o consumo do pó de café fortificado em larga escala. “Além de eficaz para ajudar a preservar os componentes nutricionais adicionados ao pó, a cafeteira elétrica é um dos métodos mais utilizados pelos brasileiros para fazer café, junto com o método do coador, de acordo com dados da Abic. No entanto, 40% ainda não é um percentual ideal de extração em relação ao custo-benefício da fortificação do café torrado e moído e mais estudos precisam ser realizados no sentido de aumentar essa recuperação”, completa Adriana.

Depois que as melhores condições para o preparo do café fortificado foram observadas, outra etapa da pesquisa foi a análise sensorial, realizada em parceria com o Laboratório de Análise Sensorial/Instrumental (Lasi) da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Nessa fase, 80 provadores – entre eles um grupo treinado para perceber sabores característicos do café e um grupo de pessoas não treinadas – participaram de testes de degustação que determinaram o limiar da percepção dos micronutrientes adicionados ao pó pelos consumidores. “Os provadores não perceberam diferenças entre o sabor do café fortificado e o do café comum até mesmo em doses acima daquelas utilizadas na fortificação, o que indica que o produto pode vir a ter uma boa aceitação do público”, pondera Luciana.

Antes mesmo de ser fortificado com ferro e zinco, o café em pó utilizado nos testes já havia recebido um tratamento especial. Diferente da torra escura frequentemente encontrada nas marcas comuns do mercado, ele foi preparado com uma torra média clara e com uma metodologia de torrefação recentemente desenvolvida que ajudam a preservar outras importantes propriedades nutricionais. “O café que foi enriquecido no estudo foi obtido sob condições específicas para torná-lo o mais saudável possível, a ponto de preservar as suas moléculas de ácidos clorogênicos e lactonas. Elas são responsáveis pelo fato do café ser o alimento que mais contribui para a capacidade antioxidante na dieta do brasileiro, além de ser uma bebida com potenciais propriedades antidiabetes, antibacteriana e hepatoprotetora, entre outras”, destaca Adriana.

Ainda não há previsão de quando o produto deve chegar ao mercado, mas o objetivo principal é que ele venha a ser empregado como uma ferramenta de apoio às políticas de assistência à saúde. “O café torrado e moído fortificado ou até mesmo o café solúvel fortificado, que apesar do custo mais elevado oferece um aproveitamento de 100% dos minerais adicionados, poderão ser comercializados ou distribuídos, no futuro, a populações carentes no contexto dos programas de saúde governamentais. Estamos abertas a parcerias”, diz Adriana. “Considerando as adaptações necessárias em relação ao custo-benefício, o procedimento técnico de fortificação do café poderia trazer benefícios relevantes à saúde coletiva”, concluem Luciana e Adriana.

Fonte: Faperj

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Como Atrair as Crianças na hora de comer???

Qual o maior problema que os pais enfrentam com os filhos na hora das refeições: fazer os filhos comer frutas e verduras.
Bem.. o Japão criou uma maneira bem interessante para resolver o problema.
Vejam as fotos abaixo.


Veja mais em: Picasa

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Alimentos Que Mais Causam Intoxicação Alimentar

Engana-se quem pensa que os surtos de doenças transmitidas por alimentos (DTA) são exclusivos do verão. Podem ocorrer em qualquer época do ano e causar falta de apetite, náuseas, vômitos, diarreia, dores abdominais e febre, além da possibilidade de atingirem o fígado (hepatite A) e as terminações nervosas periféricas (botulismo). Há um registro médio de 665 surtos por ano no Brasil, com 13 mil doentes, de acordo com o Ministério da Saúde. Por isso, é importante ficar atento à alimentação.
Entre os produtos que mais provocaram problemas no País, segundo a Secretaria de Vigilância em Saúde, estão ovos crus e mal cozidos (22,8%), carnes vermelhas (11,7), sobremesas (10,9%), água (8,8%), leite e derivados (7,1%). Uma pesquisa do Centro para Ciência no Interesse Público dos Estados Unidos, divulgada no blog Well, do jornal The New York Times, aponta os 10 principais vilões de lá nessa ordem: ovo, atum, ostra, batata, queijo, sorvete, tomate, brotos e frutas vermelhas.
Existem mais de 250 tipos de DTAs e a maioria é causada por bactérias e suas toxinas, vírus e parasitas. A lista de condições que favorecem a contaminação conta com erros de higiene pessoal, preparo com muita antecedência das iguarias e refrigeração inadequada.
Alguns gestos simples ajudam na prevenção, como lavar bem as mãos com água e sabão antes de preparar as refeições, verificar se os utensílios da cozinha estão limpos e checar o prazo de validade dos produtos.
Confira abaixo dicas específicas para cada tipo de alimento, apontadas pela nutricionista Alessandra Paula Nunes, professora do curso de nutrição do Centro Universitário São Camilo, de São Paulo:

Aves e ovos: As aves apresentam em seu sistema digestório a bactéria Salmonella, que pode contaminar o ovo e a carne. Sua eliminação depende da maneira de preparo do alimento. O ovo deve ser cozido ou frito, até que a gema fique dura. A carne tem de estar ao ponto ou bem passada.

Peixes e frutos do mar: Antes de consumi-los, observe o aspecto e o odor. Se notar algo diferente, assim como sabor estranho, despreze-os. Coloque-os sempre em local refrigerado, sem mantê-los por muito tempo em temperatura ambiente. Na hora de comprar frutos do mar, preste atenção na pessoa que os vende. "Se o manipulador estiver com roupas sujas, mãos, barbas e unhas compridas, prefira comprar o produto de outro fornecedor."

Frutas, verduras e legumes: Antes de consumi-los, deixe-os em solução de água com cloro (1 litro de água e 1 colher de sopa de cloro) por cerca de 15 minutos. Depois, lave-os com água potável. Há também alguns produtos industrializados específicos para higienização desses alimentos, que são práticos e seguros.

Cereais: A bactéria B. cereus pode ser encontrada em cereais, como arroz, farinhas e temperos secos. O cozimento em vapor sob pressão, a fritura e o ato de assar em forno a temperaturas superiores a 100º C a elimina. Se notar sinais de bolor, despreze todo o alimento. "Não adianta desprezar somente a parte que está embolorada, porque, provavelmente, todo o produto já está impróprio ao consumo."

Água: A opção potável, filtrada ou mineral, é a melhor, tanto para beber quanto para cozinhar. Caso use a água de torneira, a dica é fervê-la.

Leite: O risco maior está em consumir leite do mercado informal, já que não recebe tratamento para esterilização e conservação. A recomendação da nutricionista é consumir os do tipo longa vida, que, quando abertos, precisam ser armazenados na geladeira (por até três dias) ou como indicar o fabricante.

Derivados do leite: É preferível comprar os industrializados em vez dos caseiros. Quando quiser saborear sorvetes de massa, vendidos por quilo, fique atento aos pegadores que ficam na água. "Devem estar em água limpa e ser trocados constantemente."

Enlatados: O consumo de enlatados pode ocasionar o botulismo, transmitido pela toxina do Clostridium Botullinun, que, além dos sintomas gastrointestinais, pode causar problemas neurológicos. Para prevenir, verifique as latas e vidros. Se estiverem estufados ou, se ao abrir, observar sinal de presença de ar, descarte o alimento.

Fonte: Terra

Mais da Metade de Anoréxicas Desenvolve Doença aos 10 anos

Anorexia costuma ser associada à adolescência. Mas, de acordo com uma pesquisa conduzida pelo grupo de apoio Comedores Compulsivos Anônimos da Grã Bretanha, mais da metade das pacientes (53%) desenvolveram o problema aos 10 anos ou menos.
A instituição entrevistou 250 mulheres com o distúrbio alimentar por meio do seu site. Pouco menos de um terço (29%) delas disseram que tinham entre 11 e 15 anos quando ficaram doentes.
Segundo o jornal Daily Mail, mais da metade responsabilizou traumas familiares, como divórcio dos pais ou perda de alguém querido, pela sua condição. Apenas 3% das participantes afirmaram que foram influenciadas pelas celebridades magras.

Fonte: Terra

Farinha de 30 mil anos

Humanos há cerca de 30 mil anos não comiam apenas carne e tinham uma dieta mais diversificada do que se estimava. Um novo estudo descobriu um importante consumo de vegetais em indivíduos no Paleolítico europeu.

O trabalho será publicado esta semana no site e em breve na edição impressa da revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

O Paleolítico é uma era pré-histórica que se estende da introdução de ferramentas de pedras por hominídeos como Homo habilis, há cerca de 2,5 milhões de anos, até o início da agricultura, há aproximadamente 12 mil anos.

Até agora achava-se que a subsistência no Paleolítico europeu tivesse sido baseada em proteína e gordura animal, com raras evidências de consumo de plantas. Mas em estudo feito a partir de sítios arqueológicos na Itália, Rússia e República Tcheca, um grupo de cientistas desses países descobriu grãos de amido em pedras de cerca de 30 mil anos.

Os padrões de desgaste nas amostras e a presença de amido, verificada a partir de análise com microscopia óptica e eletrônica, permitiram concluir que as pedras foram utilizadas para amassar raízes e grãos, de modo similar ao empregado em um pilão para fazer farinha.

Segundo o estudo de Anna Revedin, do Istituto Italiano di Preistoria e Protostoria, na Itália, e colegas, os resíduos de vegetais nas pedras parecem ser principalmente de plantas ricas em carboidrato e energia.

A descoberta, de acordo com os autores, indica que o processamento de alimentos e a produção de farinhas eram comuns na Europa no período.

O artigo 30,000 year old flour: new evidence of plant food processing in the Upper Paleolithic (doi/10.1073/pnas.1000948107), de Anna Revedin e outros, poderá ser lido em breve por assinantes da PNAS em www.pnas.org.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Abóbora

Recentemente fiz alguns trabalhos com este legume e, hoje, venho postar algumas curiosidades sobre a abóbora e duas receitas praticadas na Cozinha Experimental.

De alto valor nutritivo, a abóbora contém grande quantidade de vitamina A, indispensável à vista, conserva a saúde da pele e das mucosas, evita infecções e ainda auxilia o crescimento.

Possui ainda Niacina, que faz parte das vitaminas do Complexo B, cuja função é evitar problemas de pele, do aparelho digestivo, do sistema nervoso e reumatismo. Tem, ainda, sais minerais como Cálcio e Fósforo, que participam da formação de ossos e dentes,construção muscular, coagulação do sangue e transmissão de impulsos nervosos.

É indicada para pessoas de todas as idades por ser de fácil digestão. Laxativa e diurética, contém sementes tidas como potentes vermífugos, que agem principalmente contra a tênia (solitária). Para essa finalidade, as sementes devem ser utilizadas frescas, sem a película que as cobre, moídas e misturadas com açúcar. Elas são boas também contra náuseas em geral e vômitos de gestantes. A abóbora é indicada na recuperação de enfermidades agudas do aparelho digestivo, especialmente inflamações dos intestinos.

Alguma receitas com Abóbora

BOLO DE ABÓBORA COM COCO
Ingredientes
4 ovos
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 xícara (chá) de coco ralado seco
2 xícaras (chá) de farinha preparada
2 xícaras (chá) de abóbora cozida
2 xícaras (chá) de açúcar
4 colheres (sopa) de margarina

Bata as claras em neve e reserve. À parte, bata as gemas com a margarina, acrescente aos poucos os outros ingredientes, deixando o fermento por último, Por fim adicione as claras em neve, mexa delicadamente e leve ao forno para assar em assadeira untada e enfarinhada.


BOLO DE CASCA DE ABÓBORA
Ingredientes
1 ½ xícara de farinha de trigo
2 xícaras de açúcar
¾ xícara de amido de milho
3 ovos
1 xícara de óleo
2 xícaras de casca de abóbora picada
1 colher de fermento em pó

Preparo
Cozinhe as cascas por 10 minutos, deixe esfriar, em seguida, bata no liquidificador e reserve. Bata as claras em neve e reserve. Bata o açúcar e as gemas, em seguida, acrescente a farinha de trigo, o amido de milho e o óleo. Acrescente as cascas de abóboras batidas e as claras em neve. Por último, acrescente o fermento. Coloque numa forma untada e polvilhada com farinha de trigo ou fubá.
Leve para assar em forno médio.
Faça uma cobertura de chocolate e despeje sobre o bolo.

Dica: a massa pode ser totalmente preparada no liquidificador. Bata os ovos sem separar.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Casca de Abóbora Protege Contra Infecções, diz estudo

As abóboras, tradicionalmente esculpidas e iluminadas para espantar os fantasmas e duendes no Halloween, ou Dia das Bruxas, feriado de origem pagã celebrado amanhã em toda a América do Norte, contêm uma substância que poderia assustar, na verdade, os micróbios que causam, a cada ano, milhões de casos de infecções fúngicas em adultos e crianças. Pelo menos, é o que sugere um novo estudo conduzido por cientistas coreanos e publicado na última edição da revista especializada Journal of Agricultural and Food Chemistry.
No estudo, um time de pesquisadores liderados por Kyung-Soo Hahm e Yoonkyung Park explica que alguns micróbios causadores das doenças fúngicas estão se tornando mais resistentes aos antibióticos existentes. Como resultado, cientistas em todo o mundo estão à procura de novos antibióticos com propriedades variadas. Estudos anteriores já haviam sugerido que a casca da abóbora, muito utilizada na medicina popular de países como o México, Cuba e Índia, pode impedir o crescimento de microorganismos.
Os cientistas extraíram proteínas de cascas de abóbora, para descobrir se estas inibem o crescimento de micróbios, incluindo o perigoso Candida albicans, uma espécie de fungo associado a alguns tipos de infecção oral e vaginal.
Resultado
Uma das proteínas estudadas, a Pr-2, teve efeitos potentes em inibir o crescimento do C. albicans em experimentos de cultura de células, sem efeitos tóxicos evidentes. O estudo sugere que a proteína da abóbora pode ser incorporada em remédios naturais para combater infecções fúngicas. A proteína também retardou o crescimento de vários fungos que atacam plantações e, assim, pode ser útil como uma fungicida agrícola, acrescenta o estudo.

Fonte: Terra

domingo, 17 de outubro de 2010

Para quem Gosta de Ler

Bem... não lembro de ter postado algo assim antes, mas um livro como este deveria ser mais divulgado. 

Sinopse
"Há muitos e muitos anos, tantos quanto o número de estrelas no céu, o paraíso celeste foi palco de um terrível levante. Um grupo de anjos guerreiros, amantes da justiça e da liberdade, desafiou a tirania dos poderosos arcanjos, levantando armas contra seus opressores. Expulsos, os renegados foram forçados ao exílio e condenados a vagar pelo mundo dos homens até o Dia do Juízo Final. Mas eis que chega o momento do Apocalipse, o tempo do ajuste de contas. Único sobrevivente do expurgo, Ablon, o líder dos renegados, é convidado por Lúcifer, o Arcanjo Negro, a se juntar às suas legiões na Batalha do Armagedon, o embate final entre o céu e o inferno, a guerra que decidirá não só o destino do mundo, mas o futuro da humanidade. Das ruínas da Babilônia ao esplendor do Império Romano, das vastas planícies da China aos gelados castelos da Inglaterra medieval, A Batalha do Apocalipse não é apenas uma viagem pela história humana - é também uma jornada de conhecimento, um épico empolgante, repleto de lutas heroicas, magia, romance e suspense." (Fonte: Saraiva)

O livro simplesmente prende!
Comprei-o totalmente no "escuro", após vê-lo na Flip. Me instigou. Pela capa, pelo apelo do título e, pela resenha: "Não há na literatura em língua portuguesa conhecida nada que se pareça com A Batalha do Apocalipse." - José Louzeiro, escritor e roteirista 
E, confesso, me surpreendeu. Tanto que o recomendo a todos, todos os meus amigos, apaixonados ou não por literatura e, alguns gostaram tanto que estão fazendo o mesmo!
Nota?? Para que?

sábado, 16 de outubro de 2010

Resveratrol Contra Herpes

Uma substância presente no vinho tinto pode prevenir o alastramento do herpes labial. A descoberta foi fruto de uma pesquisa feita nos Estados Unidos, na qual se identificou um componente do vinho, chamado resveratrol (leia mais sobre resveratrol, clicando aqui), que, ao ser ministrado nos locais inflamados, impede a transmissão do vírus, com chances, ainda, de bloquear o seu desenvolvimento. Os cientistas que conduziram o estudo disseram que a técnica também deve ser usada para prevenção, podendo, futuramente, ser usada contra o herpes genital: a substância seria aplicada em camisinhas.

O herpes é incurável, mas não é fatal para adultos. Ele pode ser perigoso se transmitido para o feto durante a gravidez, causando cegueira e doenças fatais na infância. Acredita-se que 20% da população americana, por exemplo, esteja infectada pelo vírus, mas apesar disso, poucas pessoas sabem que foram contagiadas, devido à natureza assintomática da doença. O vírus pode permanecer incubado e os sintomas se manifestar esporadicamente, ao longo de dias, meses ou até mesmo anos.

Entretanto, cientistas da Universidade de Medicina do Nordeste de Ohio acreditam que a descoberta pode ajudar os médicos a controlar o vírus. Eles dizem que o resveratrol, que já é usado na proteção contra doenças cardíacas pode pará-lo. Testes feitos com uma versão modificada da substância, chamada stil-5, pararam a infecção em 99.9% dos casos.

A descoberta foi apresentada na Conferência Intercientífica sobre Quimioterapia e Agentes AntiMicróbios, em Toronto, no Canadá. Uma vacina contra o herpes genital feminino foi apresentada nesta mesma conferência por cientistas de uma empresa farmacêutica.

Resveratrol

Cientistas de Harvard isolam substância do vinho e rejuvenescem coração de roedores

Um novo estudo da Universidade de Harvard comprova os benefícios do resveratrol, um composto químico presente no vinho tinto, e levanta a hipótese de que a suplementação desta substância isolada melhoraria consideravelmente a saúde dos seres humanos. A expectativa é tanta que a indústria farmacêutica já investe no desenvolvimento de medicamentos à base de resveratrol. De acordo com a pesquisa, publicada na revista "Cell metabolism", a substância eviraria uma série de problemas de saúde relacionados com o envelhecimento, ao beneficiar o coração e fortalecer os ossos, além de prevenir a catarata.

O estudo, realizado com ratos alimentados com uma dieta acrescida de resveratrol, é o primeiro a dar esperanças de que medicamentos com a substância possam melhorar a saúde das pessoas. A maioria dos roedores que receberam resveratrol não viveu muito mais do que os outros animais, no entanto, eram muito mais saudáveis.

- A boa notícia é que podemos melhorar a saúde. Creio que isso é mais importante do que estender a vida - diz David Sinclair, da Escola de Medicina de Harvard, que coordenou o estudo com Rafael de Cabo, do Instituto Nacional sobre Envelhecimento, órgão do governo americano.

Os animais foram divididos em três grupos. O primeiro recebeu uma dieta de baixa caloria. Os outros dois foram tratados com dieta altamente calórica, sendo que um deles recebeu suplementação de resveratrol. Este terceiro grupo sobreviveu ao que não recebeu o composto. A substância só foi ministrada quando os animais completaram um ano, o que equivale a 35 anos de uma pessoa.

- O resveratrol acabou com o efeito negativo das altas taxas de gordura - afirma De Cabo.

A substância, presente nas uvas e no vinho tinto, tem despertado o interesse da comunidade científica e da indústria farmacêutica. Este ano a GlaxoSmithKline pagou US$ 720 milhões pela Sirtris Pharmaceuticals Inc, uma empresa que desenvolve farmácos que imitam os efeitos do resveratrol. Especialistas da empresa participaram do estudo.

Benefícios concretos
Os ratos tratados com resveratrol apresentaram menor deterioração cardiovascular, relacionada à obesidade ou à idade. Também houve redução no colesterol total e as artérias aortas estavam em melhores condições. A substância, acrescentam os autores, pareceu moderar as inflamações cardíacas. Os animais também tinham melhor saúde óssea e menor incidência de catarata nos olhos. Os cientistas observaram que os ratinhos também apresentavam melhor equilíbrio e coordenação motora.

Os genes dos ratos que tomaram resveratrol estavam ativos de modo similar aos que foram alimentados com dieta de baixa caloria. Estudos anteriores já haviam demonstrado que a redução da ingesta calórica favorece a desaceleração do processo de envelhecimento e aumenta a expectativa de vida em alguns animais.

O estudo foi uma continuidade de uma outra pesquisa, publicada em 2006, que revelou que o resveratrol melhorava a saúde e a longevidade dos ratos com sobrepeso. Segundo De Cabo, apesar de os novos resultados serem alentadores, seria imprudente que as pessoas começassem a tomar suplementos de resveratrol para melhorar sua saúde, já que não se sabe ainda como este composto interage com outros medicamentos.

Fonte: O Globo