quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Obesidade na Adolescência


A obesidade é uma epidemia globalizada. Atualmente, entre os adolescentes escolares, 30% apresentam excesso de peso. Muitos fatores estão relacionados na gênese da obesidade, como os genéticos, fisiológicos e metabólicos, mas os que melhor explicam este rápido aumento estão relacionados à alimentação e ao estilo de vida.

Crianças e jovens obesos podem sofrer os mesmos males que adultos nesta situação, como hipertensão e diabetes do tipo 2. Ainda apresentam mais chances para problemas graves no futuro, como doenças cardíacas e até alguns tipos de câncer.

Diversos estudos comprovam que a obesidade é multicausal e, ainda, pode incluir problemas familiares levando a um desequilíbrio emocional. “Nem sempre o problema está na falta de conhecimento de uma alimentação balanceada. Os excessos cometidos pelos jovens têm causas, às vezes, no âmbito familiar”, afirma a nutricionista Simone Freire, coordenadora do PAPO - Programa de Atividade para o Paciente Obeso, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Um dos pontos fundamentais no tratamento de jovens, bastante priorizado no atendimento do PAPO, são os laços familiares. “Podemos afirmar que uma das causas da obesidade é o fraco vínculo do adolescente com a família. O suporte de pessoas próximas é muito importante para o tratamento“, alerta a nutricionista.

No programa, outros aspectos que não estão diretamente relacionados à alimentação e à prática de atividade física são trabalhados por uma equipe multiprofissional.

“Temos médicos, psicólogos, professores de teatro, de dança e até mesmo uma profissional de moda, que vai trabalhar a percepção corporal utilizando as roupas escolhidas por cada uma delas. Buscamos resgatar a auto-estima, que geralmente vem escondida sob muita roupa pesada de cor escura, inclusive no verão, nos dias mais quentes”, explica.

Segundo Simone, mesmo estando acima do peso, estas meninas podem usar roupas coloridas e, para isso, esta profissional oferece dicas para combinar as peças adequadamente.

Outra novidade utilizada no grupo é o Qi-Mental, uma prática chinesa da medicina, que ajuda os adolescentes a traduzir a linguagem do corpo e da psique com relação ao seu excesso de peso, de forma que possam conectar com seus sentimentos e mobilizá-los a favor das mudanças desejadas.

A nutricionista também destaca a importância do contato com outras jovens que convivem com os mesmos problemas, dúvidas e angústias. “Este contato com as colegas acaba sendo um estimulo muito forte, por que elas vivenciam as mesmas dificuldades e com isto adquirem consciência de quem são, do que querem e do que precisam para mudar. Juntas, acabam se fortalecendo e lidando melhor com as dificuldades”.

Programa de Atividade para o Paciente Obeso

O Programa de Atividade para o Paciente Obeso (Papo), da Unifesp, atende gratuitamente adolescentes do sexo feminino de 13 a 17 anos de idade.

O serviço já existe há dez anos e há dois é coordenado pela nutricionista Simone Freire. Nos últimos quatro anos, aproximadamente 80 meninas foram atendidas, com evasão aproximadamente de 15% por grupo trabalhado. “Dentro de programas para emagrecimento, é muito comum um número expressivo de desistentes, visto que ao iniciar o programa muitas meninas ainda não estão na fase de contemplação, ou seja, ainda não estão pensando em mudar suas atitudes”, afirma a coordenadora.

Realizado pelo Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente, coordenado pela disciplina de Pediatria da Unifesp, o programa trabalha com atuação interdisciplinar e motivadora, levando o grupo a mudanças nos comportamentos motor, alimentar e emocional. Atualmente, a equipe é composta por diversas áreas de atuação com objetivos e conteúdos complementares: dança; educação física; modalidades esportivas; educação nutricional; teatro/moda; psicologia e Qi-Mental.

O principal objetivo do programa é a conscientização das jovens para o problema e trazer de volta a auto-estima. “A duração do programa é curta para a mudança do estado nutricional. Ainda assim, as meninas conseguem diminuir de 3% a 5% do peso inicial, o que é um ótimo resultado para mudanças em vários padrões, sejam eles bioquímicos e de comportamento. Esta diferença já é muito expressiva para melhora da pressão arterial, redução da hiperglicemia e hiperlipidemia, assim como melhora da auto-estima, que pode ser entendida quando as adolescentes mudam o padrão de roupas e melhoram o vínculo social com os familiares e amigos, por exemplo”.

A partir deste ano, o Papo realizará suas atividades duas vezes por semana no Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente (CAAA), na rua Botucatu, 715 – Vila Clementino, São Paulo.

As inscrições para o novo grupo estão abertas e devem ser feitas exclusivamente pelo telefone (11) 5576-4360, de segunda à sexta-feira, das 8h às 16h até o dia 29 de janeiro.

Nenhum comentário: