sábado, 20 de março de 2010

Os Efeitos do Consumo de Peixes e Carnes na Demência

Já a alguns meses venho adotando a prescrição de dietas mais ricas no consumo de peixes e frutos mar, por morar em uma cidade litorênea e, principalmente, por minha experiência acadêmica nos estudos sobre gorduras e desenvolvimento neurológico.

E estudos recentes tem mostrado cada vez mais que o consumo regular de peixes, não só favorece o bom desenvolvimento das células nervosas, já que os óleos "Ômega 3" e "Ômega 6" estão intimamente ligados a estas.

Agora, recentemente, um estudo mostrou que o consumo destes também previne a incidência de demência. Leia mais abaixo.

Pesquisadores observaram que quanto maior o consumo de peixes, menor a incidência de demência em idosos da América Latina, China e Índia. O consumo de carne, porém, mostrou resultados opostos.

Esta pesquisa, com duração de quatro anos, foi realizada com aproximadamente 15 mil idosos (≥ 65 anos), residentes nas áreas rurais e urbanas do Peru, México, China e Índia, e apenas nas áreas urbanas de Cuba, República Dominicana e Venezuela.

“Este foi o primeiro estudo com resultados significativos sobre a menor prevalência de demência entre aqueles com maior consumo de peixes em uma amostra populacional de cinco países da América Latina, China e Índia”, dizem os autores, uma vez que as evidências sobre este efeito protetor dos peixes era limitado aos países desenvolvidos.

A associação direta entre o consumo de carne e presença de demência só foi presente entre a população idosa de Cuba e do Peru. Em Cuba ainda houve uma associação significativa entre a gravidade da doença e a quantidade de carne consumida entre as pessoas com demência.

“Não tivemos informações sobre os tipos de peixe e carne consumidos, tamanho das porções e nem a respeito do método de preparo. Estes fatores poderiam ser bastante relevantes. Embora os resultados do estudo sejam válidos, não devem ser generalizados à população mundial, somente para aqueles grupos populacionais com hábitos dietéticos e de vida similares aos dos países estudados”, concluem os autores. (leia a coluna completa clicando aqui)

O que sugiro aos que lêem este post é que adotem com mais frequencia o consumo de peixes, reduza o consumo de carnes vermelhas ao máximo de 3 vezes na semana, considerando almoço e jantar, assim você poderá estar mantendo os níveis séricos de ferro e outros nutrientes presentes nas carnes vermelhas. Também, tenham moderação no consumo de carne suína e das víceras (fígado, coração, moela etc), por mais saborosas que elas sejam, alguns nutrientes presentes e em grandes quantidades nestas carnes (como ferro), também vem acompanhados de outros que podem ser prejudiciais para quem precisa, por exemplo, manter ou baixar os níveis de colesterol no sangue. Para isso, consulte seu nutricionista, oriente-se melhor e verá que não é tão dificil passar por uma reeducação alimentar, bem diferente das "dietas" que estão rodando por aí em revistas que prometem mais do que cumprem, proibindo você de comer, de ter prazer em sem alimentar.

Autora: Iara Waitzberg Lewinski
Fonte: Nutritotal

Nenhum comentário: