segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Vantagens e Desvantagens da Dieta Vegetariana

Vale a pena trocar o cardápio com carne por um vegetariano?

Existem pessoas que não gostam de carnes ou simplesmente não querem ingeri-las por algum motivo. Assim, a dieta vegetariana é adotada e, nestes casos, deve-se prestar muita atenção na quantidade de proteína e calorias ingeridas, pois a deficiência destes pode levar a uma desnutrição, anemia, entre outros.

Se a dieta vegetariana estiver balanceada e correspondendo às quantidades adequadas de proteínas e calorias, não há problema em trocar o cardápio de carne por um vegetariano.

A troca pode ser boa porque pessoas que optam por este tipo de dieta apresentam menor nível de colesterol no sangue, menor taxa de mortalidade por doença coronariana, menor índice de obesidade, menor incidência de alcoolismo, uma probabilidade menor para intestino preso, câncer de pulmão, diabetes e outros problemas. A dieta vegetariana bem planejada tende a oferecer um bom suprimento da maioria dos minerais e vitaminas, além de quantidades balanceadas de carboidratos, proteínas e lipídeos.

A troca pode ser ruim se a dieta for mal planejada e/ou muito restrita, podendo contribuir para o surgimento de deficiências nutricionais. O maior problema está em atingir a necessidade de proteína sem a inclusão de carnes. Para tal é necessário uma combinação de inúmeras fontes.

Se você resolver adotar a dieta vegetariana só por uns tempos para desintoxicar o organismo deve tomar cuidado com o aporte de proteínas, se está sendo adequado ou não. Deve-se dar preferência a outros alimentos que contém proteína de alto valor biológico como o leite, ovos e derivados para não haver deficiências nutricionais, mesmo que por um curto período.

Se você resolver adotar a dieta vegetariana de uma vez por todas deve tomar o cuidado de optar por uma dieta que permita alimentos como ovos, leite e derivados, pois os alimentos de origem animal possuem proteína de alto valor biológico, essencial para o organismo. Alimentos à base de soja são freqüentemente utilizados para substituir essas fontes. Deve-se estar atento para que as quantidades estejam suprindo as necessidades do organismo para não haver deficiências.

Se quiser adotar a dieta vegetariana e ao mesmo tempo emagrecer deve evitar alimentos fritos, massas ou alimentos em geral com molhos gordurosos, doces gordurosos como bolos, tortas, cremes, chocolates, deve-se prestar atenção também para não exagerar na quantidade de carboidratos ingerida como pães, risotos, pizzas, massas em geral.

Quais os alimentos que não podem faltar numa dieta ovo-lacto-vegetariana?

Todos exceto a carne. No caso de uma dieta vegetariana, os grãos tomam um papel mais importante, devendo aparecer com maior freqüência.

Quem pratica exercício duas ou três vezes por semana pode adotar a dieta vegetariana sem prejuízos? Quais os cuidados que a pessoa deve adotar?

Sim, desde que planeje refeições que forneçam calorias adequadas para suprir suas necessidades energéticas e faça no mínimo seis refeições por dia. É importante também que as quantidades sejam moderadas. Para praticantes de atividade física é importante ter uma refeição equilibrada. Os carboidratos (pães, cereais, arroz, macarrão, batata, etc.) são utilizados preferencialmente como fonte de energia, além da proteína (agora de grãos integrais, soja, ovo, leite e derivados) tendo sua participação mais discreta, porém importante. Para a recuperação a alimentação pós atividade deve conter pelo menos uma fonte de cada destes nutrientes. As vitaminas e minerais (frutas, hortaliças e alimentos integrais) também são importantes por participarem de todas as reações orgânicas, além de atuarem como antioxidantes.

E os atletas, podem ser vegetarianos sem prejuízo?

Sim, porém o atleta vegetariano perde peso com facilidade. Para manter o equilíbrio energético, é necessário um bom planejamento alimentar e fazer seis ou mais refeições por dia em quantidades moderadas. Se a alimentação não inclui leite e derivados ou ovos, é importante formar diferentes combinações de alimentos, incluindo maior quantidade de grãos integrais, principalmente a soja.

Fonte: RGNutri

domingo, 30 de janeiro de 2011

59,4% dos Paulistanos Estão Acima do Peso

Levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia mostra que 59,4% dos paulistanos estão acima do peso. O estudo ainda indica que 39,7% dos entrevistados se mantêm na faixa de peso considerada saudável, mas grande parcela destes encontra-se na área limítrofe da referência considerada saudável. A pesquisa foi feita com amostragem de 250 pessoas no final de 2010.
O estudo destaca que, entre aqueles que já procuraram auxílio médico, 18% disseram ter sido classificados como obesos, destes, 60,8% são homens e 39,2% são mulheres.
A situação na cidade São Paulo se repete no Brasil. De acordo com Pesquisa do Orçamento Familiar, divulgada no final de 2010, o sobrepeso atinge hoje 48% das mulheres e 50,1% dos homens acima de 20 anos. Além disso, 30% das crianças entre 5 e 9 anos de idade e cerca de 20% da população entre 10 e 19 anos também sofrem com o problemas de peso.
Segundo a nutricionista Carolina Godoy, as causas que levam mais da metade da população a estar acima do peso estão vinculadas ao estilo de vida. “As causas estão ligadas ao alto consumo energético. Excesso de gorduras saturadas e trans, muito sal e tudo isso aliado a pouca atividade física”.
De acordo com a sociedade de endocrinologia, a obesidade é o maior problema de saúde pública da atualidade. Desde 1980, o número de obesos dobrou e atualmente já são 300 milhões no planeta. Segundo a entidade, o excesso de gordura no corpo desencadeia e piora uma série de problemas de saúde, como doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e aumento do triglicérides e colesterol. A perda de peso, na maioria dos casos, leva à cura ou ao controle dessas doenças, com a diminuição do colesterol e redução da glicose no sangue.

Fonte: UOL

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Sobremesa Red Diet

O vermelho exuberante da ameixa deve sua cor às antocianinas, pigmentos de cor intensa, que promovem inúmeros benefícios ao nosso organismo. Aliadas a várias outras substâncias benéficas, as antocianinas fazem da fruta uma excelente pedida para o paladar e para a saúde.

Ingredientes
6 ameixas médias descaroçadas e picadas em pedaços médios
1 cacho de uvas grande
1 lata de creme de leite
1 envelope de gelatina sem sabor dissolvida em água morna (conforme as instruções do fabricante)
1 envelope de Clight de morango
1/2 colher (café) de ácido cítrico (pó)

Modo de Fazer
Coloca todos os ingredientes no liquidificador e bate até a mistura ficar toda rosinha (vermelhinha). Coloca numa forma de pudim (aquela que não tem furo) previamente umedecida com água filtrada, e leva à geladeira.

Para desenformar, coloca a forma por 1 minuto sobre o fogo brando e utilize o auxílio de uma faca sem ponta, separando a mousse por toda a lateral da forma, cubra com o prato de servir e vire. Pronto! Utilize cerejas em calda pra enfeitar.

Dicas Para uma Boa Alimentação Nestes Dias Quentes

Se, em um dia normal, já é difícil optar pelos alimentos corretos na hora das refeições, no verão essa escolha se torna ainda mais complicada. O que devo comer ? Posso almoçar normalmente? Que alimentos devem ser evitados ? 
Essas e outras perguntas estão sempre atormentando as nossas mentes e transformando simples questões em complexas decisões. Mas, não se preocupe! Siga as dicas abaixo e tenha um verão mais tranquilo e saudável.


1 – Use e abuse da água! Manter se constantemente hidratado é essencial para conservar uma boa saúde durante essa estação. O mais indicado é consumir, no mínimo, 2,5 litros de água por dia. Além de ser essencial para o bom funcionamento de nosso organismo, a água ajuda na busca por um corpo mais bonito.

2 – Prefira frutas pouco calóricas e que contenham bastante líquido, como a melancia e o melão. A água de coco também é muito indicada. Além de ser rica em vitaminas e sais minerais, ela ajuda a manter o corpo hidratado. Mas, atenção! Não substitua a água mineral pela água de coco! A dica é que você não beba mais que dois copos por dia

3 – Coma mais vezes e em menor quantidade! No verão, as refeições devem ser feitas, pelo menos, de três em três horas, pois o calor excessivo faz com que gastemos mais energia do que o normal. Nada de fazer dietas malucas nessa estação! O segredo é se alimentar corretamente.

4 – Prefira alimentos leves. Frutas, verduras e legumes devem estar presentes em qualquer refeição. Inclua em seu cardápio, também, os alimentos integrais, pois esses são ricos em fibras e vitaminas e bem menos calóricos e gordurosos. Pães, arroz, biscoitos, todos esses alimentos devem ser integrais!

5 – Evite os alimentos gordurosos de sua rotina. Nada de frituras, comidas pesadas, doces em excesso... O melhor é optar por alimentos assados, grelhados ou cozidos. Essa dica é essencial para quem quer manter o corpo em forma. A gordura só favorece o aparecimento de celulite e gorduras localizadas!

6 – Prefira a carne branca à carne vermelha, pois elas possibilitam uma melhor digestão e evitam o desconforto intestinal. Essa sugestão vale também quando o assunto é uma pele bonita e saudável. O melhor funcionamento do organismo favorece, e muito, o desaparecimento de espinhas. Os peixes podem ser consumidos à vontade!

7 – Troque os refrigerantes pelos sucos naturais. Limão e abacaxi são ótimas sugestões. Além de serem frutas muito comuns nessa época do ano, contêm poucas calorias e refrescam e hidratam bastante. Além disso, os refrigerantes são um dos grandes vilões para quem quer estar em forma nessa estação!

8 – Se for consumir doce, opte pelos sorvetes e picolés de frutas. Já existem no mercado muitas opções sem açúcar. Se forem esses, melhor ainda! Abacaxi, melancia, melão, limão e maracujá são as melhores escolhas.

9 – Cuidado com os restaurantes! Nessa época do ano, o cuidado com a conservação dos alimentos deve ser redobrado. Não coma aqueles que ficam expostos durante muito tempo e fique atento aos pratos que contém maionese, leite e ovo! Esses produtos estragam com muita facilidade.

10 – Não exagere no álcool! As bebidas alcoólicas são muito refrescantes, porém não contém nenhum nutriente que favoreça a saúde. Além disso, são extremamente calóricas e ajudam a cultivar aquela “barriguinha” que não combina em nada com o verão.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Constipação Intestinal, entenda um pouco mais sobre este assunto.

O intestino humano possui dez vezes mais bactérias e 100 vezes mais material genético do que o total de células do nosso organismo, sendo habitat de aproximadamente 100 trilhões de microorganismos. A colonização dessas bactérias se dá de maneira diferente ao longo de todo o intestino, visto que elas apresentam também atividades diferentes, dependendo do local onde colonizam. Conforme vamos descendo ao longo de todo o trato gastrointestinal em direção ao íleo, aumenta o número de bactérias e a variedade delas. Nem sempre as bactérias serão prejudiciais ao órgão, ao contrário, existem bactérias que devem estar no intestino como as bactérias denominadas probióticas. Essas bactérias são consideradas benéficas, por serem capazes de garantir a saúde do intestino, afastando doenças com o fortalecimento do sistema imunológico.
Além disso, fabricam vitaminas do complexo B e até fibras solúveis. Devido ao perfil da dieta moderna, com excesso de alimentos refinados, gorduras, açúcar, sódio, baixo consumo de frutas, verduras e de fibras alimentares, o intestino acaba sendo invadido por bactérias patogênicas que, ao contrário das probióticas, abrem caminho para o aparecimento de doenças importantes, por fragilizarem e desequilibram todo o funcionamento do organismo.
Outros fatores que também comprometem a saúde intestinal, são: pH , disponibilidade de material fermentável, a idade, frequência de funcionamento , interação com outros componentes, infecções repetitivas, estado imunológico, requerimentos nutricionais, uso de antibióticos e outros medicamentos. O início desse processo até chegar ao surgimento de doenças, acontece com um quadro chamado disbiose, que se define pelo desequilíbrio entre bactérias saudáveis e não-saudáveis localizadas no intestino gerando uma situação desfavorável à saúde do ser humano. As consequências da disbiose é a formação de “buracos” na parede do intestino e a maioria das vitaminas, minerais e outros nutrientes ingeridos não são bem digeridos antes de serem absorvidos e devido a esses “buracos” passam direto para a corrente sanguínea. Os nutrientes que deveriam permanecer no intestino não ficam, gerando deficiências nutricionais. A digestão do indivíduo também fica prejudicada pois enzimas que ajudam no processo não são formadas por falta de nutrientes que ajudariam as mesmas a serem formadas.
O sintoma de distensão abdominal é evidente em pacientes com alterações intestinais por ocorrer fermentação dos alimentos, há dificuldade na absorção de gordura e produção de substâncias inflamatórias. Esta hiperpermeabilidade da parede intestinal descrita, provoca também uma estimulação excessiva do sistema imunológico, criando condições favoráveis ao aparecimento das alergias, hipersensibilidades e respostas autoimunes (tireoidite auto - imune, artrite reumatóide, lúpus eritematoso, entre outras). O acúmulo de toxinas no fígado e aumento da produção de radicais livres provoca um estresse no organismo afetando todo processo digestivo e o equilíbrio orgânico. Através da presença ou não de um ou mais sintomas , assim como, a frequência e intensidade que ocorrem, podemos diagnosticar a Disbíose Intestinal e seu grau ( I, II, II )

Principais sintomas:
* Enxaqueca.
* Cãimbras.
* Dor de cabeça.
* Distensão abdominal.
* Insônia.
* Flatulência.
* Fadiga Dermatites.
* Diarréia.
* Problemas respiratórios (asma, bronquites, sinusites, rinites).
* Constipação.
* Halitose.
* Celulite.
* Má digestão.
* Tensão pré-menstrual.
* Acne.
* Bruxismo.
* Depressão.
* Edema.
* Hiperatividade.

Se não houver uma intervenção nutricional adequada ainda nesta fase dos sintomas, futuramente eles se transformam em doenças graves como diabetes, problemas cardiovasculares, hipotireoidismo, câncer, obesidade e doenças neurológicas. Os sintomas funcionam como sinais do corpo avisando que algo está errado e que é preciso mudar o que está errado. Para que se consiga manter um intestino saudável e livres de patologias é importante lembrar que praticamente todos os fatores que interferem na saúde intestinal é de associação direta com a alimentação.

Dicas para cuidar do seu intestino:
* Eliminar excesso de alimentos gordurosos, processados, refinados, ricos em sódio e açúcares.
* Aumentar o consumo de frutas frescas, verduras e legumes.
* Aumentar o consumo de fibras (farelos, aveia, arroz e pães integrais).
* Evitar ficar muitas horas em jejum, pois o jejum prolongado também pode provocar os “buracos” no intestino.
* Ingestão adequada de água (pelo menos 2 litros de água por dia).
* Aumento do consumo de alimentos funcionais como quinua, linhaça, oleaginosas, frutas vermelhas arroxeadas, vegetais folhosos escuros.
* Prebióticos - São importantes como fonte de energia para a manutenção do equilíbrio da microbiota. Eles podem ser encontrados em alimentos como frutas, alcachofra, alho, chicória, bardana , aveia e banana verde.
* Probióticos - Importante também para o equilíbrio e restabelecimento da microbiota intestinal. É indicado no caso de disbiose, alteração das fezes, déficit de digestão intolerâncias alimentares, doenças inflamatórias intestinais, infecções respiratórias. Quando necessário, usa-se como suplemento.
* Retirar alimentos que você apresenta intolerância e alergia (O apoio de uma nutricionista vai ajudar a você saber que tipo de alimentos você não tolera bem).

Essas orientações são essenciais e devem ser mantidas durante toda vida, não só para estabelecer a saúde intestinal, como também, para melhorar todos os mecanismos de defesas, energia, vitalidade , equilíbrio e o bom funcionamento de todo o organismo.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

O Que Comer na Praia?

Se você se preocupa com sua saúde e procura manter a forma, certamente você já se fez essa pergunta. Verão, sol, mar, a maioria das pessoas arruma um jeitinho de curtir uma praia nesta estação, mas o que comer lá? O que é saudável, seguro e mata a fome?

O ideal é que se leve algo de casa, como biscoito, barra de cereais, frutas e sanduíche natural (se você tiver como armazená-los de forma adequada), mas se não for possível, procure na praia as opções mais saudáveis e que ofereçam menos riscos à sua saúde.


Biscoitos de polvilho são recomendados como uma opção saudável, pois são leves e não tem uma condição que os faça estragar rápido. Picolés de fruta também são indicados, são pouco calóricos e estão armazenados em temperatura adequada. O milho também pode ser uma boa pedida, apenas observe se a água em que ele se encontra está fervendo.

Se você for comprar sanduíches naturais, observe se está bem armazenado. Procure os que contêm, além do pão, um alimento fonte de proteína (peito de peru, frango desfiado, atum em água ou queijos do tipo branco, cottage, ricota,) e uma salada. Evite os molhos, principalmente maionese.

Queijos não podem ficar muito tempo sem refrigeração, pois as chances de contaminação são enormes. Consuma somente se você souber a procedência.

Evite as frituras (pastel, camarão, salgadinhos, etc.), eles podem ser fritos em óleo de origem desconhecida, ou utilizar o mesmo óleo várias vezes, tornando prejudicial à saúde, além do que, a fritura adiciona muitas calorias desnecessárias ao alimento.

Fique atento também com o que você vai beber, lave bem as latinhas de refrigerantes, antes de abrir. Cuidado com a água, pois é um veículo de contaminação para caipirinhas, sucos, raspadinha, etc.

Evite comer o que está exposto ao sol sem proteção alguma. Fique atento às características dos alimentos, como cor, odor, textura e aparência. Analise a barraca que você irá comprar o alimento, veja se o ambulante usa luvas, toucas e se higienizam corretamente as mãos e os materiais.

Autora: Roberta dos Santos Silva 
Nutricionista-chefe do programa Cyber Diet, formada pela Universidade Católica de Santos
Fonte: Cyber Diet