sábado, 9 de abril de 2011

Governo e Indústria Assinam Acordo Para Reduzir Sal em Alimentos

Termo de compromisso, assinado nesta quinta-feira (7), estabelece um plano de redução gradual na quantidade de sal (sódio) em 16 categorias de alimentos, começando por massas instantâneas, pães e bisnaguinhas. A medida está ente as ações anunciadas pelo governo federal no Dia Mundial da Saúde. Segundo dados da Pesquisas de Orçamentos Familiares (POF) 2002/03, o consumo individual de sal, apenas nos domicílios brasileiros, foi de 9,6 gramas diários, o que representa quase o dobro do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS): menos de cinco gramas diários por pessoa, pois o excesso está associado a doenças crônicas, como hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, problemas renais e cânceres.

O documento foi assinado pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e associações de fabricantes de alimentos processados – a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia), Associação Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias (Abima), Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) e a Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (Abip).

Metas – Algumas metas devem ser cumpridas até 2012 e aprofundadas até 2014. No caso das massas instantâneas, a quantidade fica limitada a 1.920,7 miligramas (ou 1,9 grama), até 2012 – isso é, 30% menos.

Nos pães de forma e bisnaginhas redução de 10% ao ano, passando de 645 miligramas, até 2012, e para 522 miligramas, até 2014 (pães); e de 531 e 430 miligramas (bisnaginhas).

Está previsto, também, o estabelecimento de metas, ainda em julho deste ano, para o pão francês, os bolos prontos, as misturas para bolos, os salgadinhos de milho e as batatas fritas. Até o fim de 2011, será a vez dos biscoitos (cream cracker, recheados e maisena), embutidos (salsicha, presunto, hambúrguer, empanados, lingüiça, salame e mortadela), caldos e temperos, margarinas vegetais, maioneses, derivados de cereais, laticínios (bebidas lácteas, queijos e requeijão) e refeições prontas (pizza, lasanha, papa infantil salgada e sopas).

Gordura – Entre 2007 e 2010, um acordo entre o Ministério da Saúde e a Abia conseguiu retirar cerca de 230 mil toneladas de gordura trans ao ano dos alimentos processados. Estudo feito pela associação, em parceria com o governo federal, revelou que 94,6% das empresas ligadas à entidade, alcançaram a meta estabelecida em 2007, que limita a 5% de presença de gordura trans do total de gorduras em alimentos industrializados e 2% do total de gorduras em óleos e margarinas.

Fonte: SECOM (Secretaria de Comunicação da Presidência da República)

Nenhum comentário: