sábado, 16 de julho de 2011

Há Benefícios da Dieta Mediterrânea em Doenças Crônicas?

Sim. Pesquisadores têm publicado metanálises mostrando que os benefícios da dieta mediterrânea estão associados com uma melhora significativa no estado de saúde geral, redução significativa na mortalidade total, mortalidade por doenças cardiovasculares, incidência ou mortalidade por câncer, além da diminuição na incidência de doenças neurológicas, como doença de Parkinson e Alzheimer.

Um das metanálises mais importantes, publicada por Sofi et al (2008) na revista científica British Medical Journal, avaliou mais de 1.500.000 indivíduos saudáveis, por meio da análise cumulativa de 12 estudos de coorte. O estudo revelou que o aumento de dois pontos no escore de adesão da dieta mediterrânea reduziu em 9% a mortalidade geral, com redução de 9% na mortalidade por doenças cardiovasculares, redução de 6% na incidência de mortalidade por câncer e uma redução de 13% na incidência da doença de Parkinson e Alzheimer.

Em 2010, este mesmo grupo de pesquisadores publicou na revista The American Journal of Clinical Nutrition uma metanálise atualizada com 18 estudos prospectivos, em que investigaram novamente a associação entre a adesão à dieta mediterrânea e incidência/mortalidade por doenças. Os resultados foram obtidos a partir de mais de 2 milhões de indivíduos, verificando que o aumento de 2 pontos na aderência à dieta mediterrânea determinou uma redução significativa de 10% de morte e/ou incidência de doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, redução de 6% da morte e/ou incidência de câncer e uma redução de 13% na incidência de doenças neurodegenerativas. Com isso, os pesquisadores confirmaram os resultados publicados no estudo anterior, sugerindo uma proteção significativa contra as principais doenças crônico-degenerativas em indivíduos que relataram maior adesão à dieta mediterrânea.

A dieta mediterrânea tem sido amplamente relacionada como um modelo de alimentação saudável que contribui para um estado de saúde favorável e melhor qualidade de vida. Trata-se de um conjunto de hábitos alimentares, tradicionalmente conhecido por ser rico em frutas, verduras, legumes e cereais; azeite de oliva como uma das principais fontes de lipídios; consumo moderado de vinho tinto durante as refeições; consumo preferencial de peixes e baixo consumo de carne vermelha.

Os resultados desses estudos com a dieta mediterrânea parecem ser clinicamente relevantes para a saúde pública, em especial para incentivar esse padrão alimentar para a prevenção primária das principais doenças crônicas.

Autora: Rita de Cássia Borges de Castro
Fonte: Nutritotal

Nenhum comentário: