sábado, 13 de outubro de 2012

Programação Fetal


O termo programação fetal refere-se ao processo pelo qual um estímulo ou insulto, quando ocorrido no período crítico do desenvolvimento, tem efeitos permanentes sobre a estrutura e as funções do organismo. Isso ocorre devido à plasticidade e sensibilidade a alterações do ambiente. 

Esse período crítico do desenvolvimento, para a maioria dos órgãos e sistemas humanos, ocorre especialmente na fase intrauterina. Nesta fase, a plasticidade do organismo requer uma modulação estável da expressão de genes, mediada principalmente por mecanismos epigenéticos, como metilação do DNA (ácido desoxirribonucleico) e modificações em histonas. Dessa maneira, o genoma (paterno e materno) e o epigenoma determinam a sensibilidade a fatores ambientais e o posterior risco de doenças.

Assim, a influência do ambiente intrauterino sobre a saúde do feto é explicada pelo conceito de programação fetal, no qual fez surgir a “origem fetal das doenças dos adultos”, também conhecida como a hipótese de Barker.  

Na fase intrauterina, as mães transmitem informações do ambiente externo, como o seu estado nutricional, através da placenta, e aos lactentes, através da lactação. Diversos estudos demonstraram que o crescimento do feto é o resultado do tamanho corpóreo da mãe e do fornecimento materno de nutrientes. A desnutrição no período fetal ou neonatal pode programar o indivíduo para um aumento ou preservação dos estoques de gordura corporal ao longo da vida. 

Neste sentido, as respostas fetais ou perinatais influenciam mudanças no metabolismo, produção hormonal, sensibilidade tecidual aos hormônios que afetam o desenvolvimento de vários órgãos, levando a alterações persistentes na homeostase metabólica dos filhos.

Portanto, esses conceitos demonstram a importância do questionamento e incentivo de estilo de vida materno mais saudável a fim de evitar doenças e garantir um melhor estado nutricional para seus descendentes.

Autora: Rita de Cássia Borges de Castro
Fonte: Nutritotal

sábado, 22 de setembro de 2012

Alimentos com alto índice de proteinas


Conheça mais sobre alguns dos melhores alimentos que contem alto índice de proteinas e auxiliam no ganho de massa muscular e que auxiliam na perda de gordura corporal.

1 – Peito de Frango, Sem Pele

O peito de frango é o alimento mais comum na comunidade do fisiculturismo. Não existe um fisiculturista profissional que não utilize este alimento em sua dieta, devido ao seu alto índice de proteínas e quantidades nulas de carboidratos e gordura. Vale ressaltar que o peito de frango com pele, apresenta uma quantidade maior de gorduras e colesterol, sempre tire ou compre sem a pele. Este alimento pode ser incluido em quantas refeições forem necessárias para suprir a necessidade de proteínas de um fisiculturista. Em 100g de peito de frango sem pele, encontramos cerca de 23g de proteínas, 0g de carboidratos e 0g de gordura.

2 – Atum

O atum é um alimento muito importante para quem deseja ganhar massa muscular, contém uma quantidade quase nula de carboidratos e é rico em gorduras boas. Não fique assustado, o atum é rico em ácidos graxos essencias que são as gorduras boas, estas são essenciais para o bom funcionamento do corpo humano e aumentam a produção natural de hormônios como a testosterona e o hormônio do crescimento. Em 100g de atum encontramos 23g de proteínas, 3g de carboidratos e 9g de gorduras. Pode ser consumida todos os dias a qualquer horário, mas é mais indicado o seu consumo antes de dormir, pois é durante o sono que os hormônios anabólicos são excretados pelo corpo, você pode facilitar este processo pela ingestão dos ácidos graxos essenciais.

3 – Batata Doce

A batata doce é pobre em proteínas, mas contem uma grande quantidade de carboidratos de baixo índice glicêmico, perfeito para nós atletas. O baixo índice glicêmico da batata doce permite uma liberação gradual e longa de energia e uma resposta controlada de insulina, evitando acúmulo de gordura. Proteína é vital para o ganho de massa muscular, mas para que o corpo use a proteína para reconstruir o tecido muscular, é necessário a ingestão correta de carboidratos para que o corpo o use como fonte de energia e não a proteína. A batata doce também é rica em vitamina A, que é uma vitamina que age como um antioxidante e é muito importante para a manutenção dos ossos, tecido epitelial, sistema imunológico e reprodução. Em 100g de batata doce encontramos 30g de carboidratos de altíssima qualidade.

4 – Clara de Ovo

A clara de ovo é rica em proteínas de alto valor biológico e é rica em aminoácidos. Outro alimento fundamental para a construção e hipertrofia muscular. Lembrando que este alimento deve ser sempre consumido após o cozimento ou fritura(fritar sem óleo), a clara de ovo em sua forma crua contem enzimas que em resumo prejudicam o valor biológico de suas proteínas, afetam a qualidade do alimento e também pode conter bactérias como a salmonela que podem provocar sintomas como febres, náuseas, vômitos e diarréias. Basta cozinhar este alimento e você estará livre de qualquer problema.

5 – Carne Vermelha

A carne vermelha é um alimento extremamente rico em proteínas e qualquer tipo de carne vermelha contem todos os aminoácidos essenciais para o corpo e para o crescimento muscular. A carne vermelha também é rica em Ferro que atua no transporte de oxigênio para o corpo. O lado negativo da carne é que alguns tipos contem muita gordura saturada e colesterol. Ingerir carne vermelha uma ou duas vezes por semana não afetará em nada a sua saúde, esta freqüência é ideal para poder aproveitar as propriedades positivas da carne e evitar as negativas.

Fonte: PreSaúde

Piores alimentos para se consumir no dia a dia


Essa lista é muito interessante, e esta na vida de milhoes de brasileiros diariamente, veja alguns dos exemplos que são de refeições que você deveria evitar e saiba o porque.

10º lugar: Sorvete.
Apesar de existirem versões mais saudáveis que os tradicionais sorvetes industrializados, esse alimento geralmente possui altos níveis de açúcar e gorduras trans, além de corantes e de saborizantes artificiais, muitos dos quais possuem neurotoxinas – substâncias químicas que podem causar danos no cérebro e no sistema nervoso.

9º lugar: Salgadinho de milho
Desde o surgimento dos alimentos transgênicos, a maior parte do milho que comemos é um “Frankenfood”, ou “comida Frankenstein”. Ela aponta que esse alimento pode causar flutuação dos níveis de açúcar no sangue, levando a mudanças no humor ganho de peso e irritabilidade, entre outros sintomas. Além disso, a maior parte desses salgadinhos é frita em óleo, que vira ranço e está ligado a processos inflamatórios.

Solução: É verdade o milho está quase todo transgênico, mas ainda temos a pipoca orgânica. Promova uma deliciosa rodada de pipoca de verdade, aquela da panela que faz barulho e convide a criançada para participar. Garanto que os salgadinhos serão esquecidos, pois o cheirinho e o carinho são muito mais irresistíveis.

8º lugar: Pizza
Nem todas as pizzas são ruins para a saúde, mas a maioria das que são vendidas congeladas em supermercados está cheia de condicionadores de massa artificiais e conservantes. Feitas com farinha branca, essas pizzas são absorvidas pelo organismo e transformadas em açúcar puro, causando aumento de peso e desequilíbrio dos níveis de glicose no sangue.

Solução: Ah também tenha dó pizza congelada,ninguém merece. Peça uma quentinha na pizzaria mais próxima (é menos prejudicial e bem mais gostosa) ou faça a sua própria massa e chame todo mundo para colocar o recheio favorito.

Aproveite e desvende novos sabores, tenha várias cumbucas com ingredientes diferentes: mussarela ralada, azeitonas pretas picadas, alho poro refogado, cogumelos no azeite, muito tomate orgânico temperado, folhinhas de rúcula e manjericão, ricota temperada, mussarela de búfala, e tudo o mais que a sua imaginação for capaz de criar. Aproveite e faça umas doces também: bananas ou maçãs cozidas com açúcar e canela, brigadeiro, goiabada e queijo branco.

7º lugar: Batatas fritas
Contêm não apenas gorduras trans, que já foram relacionadas a uma longa lista de doenças, mas também uma das mais potentes substâncias cancerígenas presentes em alimentos: a acrilamida, que é formada quando batatas brancas são aquecidas em altas temperaturas.

Além disso, a maioria dos óleos utilizados para fritar as batatas se torna rançosa na presença do oxigênio ou em altas temperaturas, gerando alimentos que podem causar inflamações no corpo e agravar problemas cardíacos, câncer e artrite.

Solução: Começo a pensar que o problema maior não são os industrializados, e sim os hábitos das famílias. Já que as crianças amam batatas fritas porque não usar batatas orgânicas fritas em óleo de girassol, feitas em casa lógico?

Conhecem as falsas batatas fritas? Aí vai a receita: Cozinhar ligeiramente as batatas cortadas em cubinhos, escorrer, salpicar sal marinho e jogá-las em óleo bem quente apenas para dourar. Pode ser feito com mandioquinha e mandioca também. É fritura, sim, mas bem menos perversa.

6º lugar: Salgadinhos de batata
Além de causarem todos os danos das batatas fritas comuns e não trazerem nenhum benefício nutricional, esses salgadinhos contêm níveis mais altos de acrilamida, que também é cancerígena.

Solução: O conselho do 5º lugar aqui também é válido.

5º lugar: Bacon
O consumo diário de carnes processadas, como bacon, pode aumentar o risco de doenças cardíacas em 42% e de diabetes em 19%. Um estudo da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, descobriu ainda que comer 14 porções de bacon por mês pode danificar a função pulmonar e aumentar o risco de doenças ligadas ao órgão.

4º lugar: Cachorro-quente
Michelle cita um estudo da Universidade do Havaí, também nos EUA, que mostrou que o consumo de cachorros-quentes e outras carnes processadas pode aumentar o risco de câncer de pâncreas em 67%. Um ingrediente encontrado tanto no cachorro-quente quanto no bacon é o nitrito de sódio, uma substância cancerígena relacionada a doenças como leucemia em crianças e tumores cerebrais em bebês. Outros estudos apontam que a substância pode desencadear câncer colorretal.

Solução para o 5º e 4º lugares: As carnes em geral são repletas de promotores de crescimento, às processadas ainda se acrescentam os aditivos químicos. Troque tudo isso por um lindo pão caseiro feito com linhaça e gergelim, aberto ao meio, coloque um ovo caipira frito na manteiga, rodelas de tomate temperado com azeite extra virgem, sal marinho e orégano. Acrescente fatias de mussarela ou queijo branco. Leve ao forno para derreter o queijo. Depois de tirar do forno acrescente 1 ou 2 folhas de alface. Coloque num prato bem bonito. Duvido que alguém reclame. Não gosta de ovo? Faça só com queijo.

3º lugar: Donuts (rosquinhas fritas)
Entre 35% e 40% da composição dos donuts é de gorduras trans – o pior tipo de gordura que você pode ingerir. Essas substâncias estão relacionadas a doenças cardíacas e cerebrais, além de câncer. Para completar, esses alimentos são repletos de açúcar, condicionadores de massa artificiais e aditivos alimentares, e contêm, em média, 300 calorias cada.

Solução: Um bolo caseiro substitui muito bem essas rosquinhas horrorosas, puro açúcar. Temos como opção um bolo de chocolate, preferência nacional, mas pode ser de fubá, cenoura, laranja, baunilha.

2º lugar: Refrigerante
De acordo com uma pesquisa do Dr. Joseph Mercola (www.mercola.com), uma lata de refrigerante possui em média 10 colheres de chá de açúcar, 150 calorias, entre 30 e 55 mg de cafeína, além de estar repleta de corantes artificiais e sulfitos. Além disso, essa bebida é extremamente ácida, sendo necessários 30 copos de água para neutralizar essa acidez, que pode ser muito perigosa para os rins. Para completar, os ossos funcionam como uma reserva de minerais, como o cálcio, que são despejados no sangue para ajudar a neutralizar a acidez causada pelo refrigerante, enfraquecendo os ossos e podendo levar a doenças como osteoporose, obesidade, cáries e doenças cardíacas.

1º lugar: Refrigerante Diet
É o pior alimento de todos os tempos. Além de possuir todos os problemas dos refrigerantes tradicionais, as versões diet contêm aspartame, que agora é chamado de AminoSweet. De acordo com uma pesquisa de Lynne Melcombe, essa substância está relacionada a uma lista de doenças, como ataques de ansiedade, compulsão alimentar e por açúcar, defeitos de nascimento, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperatividade, insônia, dor nas articulações, dificuldade de aprendizagem, TPM, cãibras musculares, problemas reprodutivos e até mesmo a morte. Os efeitos do aspartame podem ser confundidos com a doença de Alzheimer, síndrome de fadiga crônica, epilepsia, vírus de Epstein-Barr, doença de Huntington, hipotireoidismo, doença de Lou Gehrig, síndrome de Lyme, doença de Ménière, esclerose múltipla, e pós-pólio.

Solução para o 2º e 1º lugares: Sucos, sucos e sucos de frutas. Vitaminas com leite e frutas, banana e chocolate. Deixe seu filho conhecer novos sabores, ofereça, coloque em copos e jarras chamativos, canudos, guardanapos engraçados, mesas enfeitadas. Pense bem, as propagandas e as embalagens são muito mais gostosas que a bebida ou a comida em si, será que não está faltando charme em sua mesa? Será que o belo não está sendo esquecido em função da praticidade? Comemos primeiro pelos olhos, sempre. Capricho, carinho e atenção são os melhores condimentos.

Lembrando: a Natureza cobra, e somos parte dela, nossa natureza é um alimento puro, vivo, com a energia do carinho na escolha, na preparação e no servir.Reveja seus valores nutricionais, converse com seu filho sobre os problemas causados pelo alimento no Ser Humano e no Meio Ambiente. Vale dedicar um pouco mais de tempo para o alimento, o resultado aparece na Saúde e na Consciência.


Fonte: PreSaúde

Ricos de Ingerir Alimentos Industrializados


Os produtos industrializados ocupam uma parcela cada vez maior do mercado de alimentos. Eles são bem práticos, pois já vêm prontos ou semi-prontos.

O único trabalho é abrir a embalagem, e mesmo as embalagens estão cada vez mais fáceis de abrir. Além da praticidade, os alimentos industrializados também possuem um prazo de validade bem maior do que os produtos “in natura”, tornando fácil o armazenamento. Vieram para ficar e representam uma solução para a vida corrida das grandes cidades.

Acontece, porém, que existe uma regra universal, de conhecimento popular, chamada lei das compensações. De acordo com ela, as coisas boas, na maioria das vezes, não são tão boas quanto parecem, assim como as ruins também não são tão ruins quanto possam parecer à primeira vista. Em tudo há uma parte boa e uma parte ruim. Assim, importa analisar os prós e os contras para decidir o que é melhor.

Como não poderia deixar de ser, esta regra se aplica também aos alimentos industrializados. Para conseguir a praticidade e durabilidade dos produtos, os fabricantes se utilizam de milhares de aditivos químicos, que, na grande maioria das vezes, não fazem bem à saúde de quem os consome com freqüência. O uso desses produtos químicos deve ser discriminado nas embalagens dos alimentos. O nome de muitos desses produtos químicos vêm codificados, talvez para que o consumidor não se assuste ao ler estas informações do rótulo. Portanto, é uma questão de escolher entre o aspecto saudável dos alimentos “in natura”, e a praticidade dos alimentos artificiais e/ou industrializados.

Os produtos químicos encontrados com maior freqüência nos alimentos industrializados são:

Corantes
Aromatizantes
Conservantes
Antioxidantes
Estabilizantes
Acidulantes
Conheça melhor esses aditivos químicos:

Corantes

A função dos corantes é “colorir” os alimentos, fazendo com que os produtos industrializados tenham uma aparência mais parecida com os produtos naturais e mais agradável, portanto, aos olhos do consumidor. Eles são extremamente comuns, já que a cor e a aparência tem um papel importantíssimo na aceitação dos produtos pelo consumidor. Uma gelatina de morango, por exemplo, que fosse transparente não faria sucesso. Um refrigerante sabor laranja sem corantes ficaria com a aparência de água pura com gás, o que faria que parecesse mais artificial, dificultando sua aceitação. É inegável que uma bebida com sabor de laranja e com cor de laranjada é muito mais agradável de se beber do que uma bebida incolor com gosto de laranja.

Os corantes são encontrados na grande maioria dos produtos industrializados, como as massas, bolos, margarinas, sorvetes, bebidas, gelatinas, biscoitos, entre outros.

Aromatizantes

Os aromatizantes tem por função dar gosto e cheiro aos alimentos industrializados, realçando o sabor e o aroma. Assim como os corantes, os aromatizantes também fazem com que os alimentos industrializados se pareçam mais com os produtos naturais, pois como já foi dito, isso é essencial na aceitação do produto pelo consumidor.

Informar que um salgadinho artificial de milho tem sabor e cheiro de presunto ou de churrasco faz com que ele seja mais aceitável, já que o consumidor vai reconhecer naquele produto um sabor que ele já conhece, de algum outro produto não industrializado que ele já comeu, causando a falsa impressão de que o produto não é tão artificial assim.

Muitos alimentos não possuem em sua composição as frutas que as embalagens anunciam, mas apenas aromatizantes que lhes imitam o sabor e aroma. São encontrados em sopas, carnes enlatadas, biscoitos, bolos, sorvetes, entre outros.

Conservantes

Ao contrário dos corantes e aromatizantes, os chamados conservantes não possuem função de fazer com que os produtos industrializados pareçam ser o que na realidade não são, ou seja, naturais. Sua meta é evitar a ação dos microorganismos que agem na deterioração dos alimentos, fazendo com que durem mais tempo sem estragar.

É possível reconhecer o uso de conservantes na composição dos produtos a partir da leitura dos rótulos das embalagens. Eles são caracterizados pelos códigos P1 a P10. São encontrados em refrigerantes, concentrados de frutas, chocolates, sucos, queijos fundidos, margarinas, conservas vegetais, carnes, pães, farinhas e em milhares de outros alimentos industrializados.

Antioxidantes

Assim como os conservantes, os antioxidantes procuram manter os alimentos em boas condições de consumo por mais tempo. Eles tem sua principal aplicação em óleos e gorduras, impedindo ou retardando sua deterioração, evitando a formação de “ranço” por algum processo de oxidação.

Podem ser encontrados em sorvetes, leite em pó instantâneo, leite de côco, produtos de cacau, conservas de carne, cerveja, margarina, óleos e gorduras em geral, farinhas, polpa e suco de frutas, refrescos e refrigerantes.

Estabilizantes

São utilizados para manter a aparência dos produtos, tendo como principal função estabilizar as proteínas dos alimentos. É possível identificá-los nos rótulos das embalagens pelos códigos ET1 até ET29.

Acidulantes

São utilizados principalmente nas bebidas com função parecida com a dos aromatizantes.

Os acidulantes podem modificar a doçura do açúcar, além de conseguir imitar o sabor de certas frutas e dar um sabor ácido ou agridoce nas bebidas.

Também aparecem codificados nas embalagens, sendo reconhecidos pela letra H. São encontrados nos sucos de frutas e refrigerantes, entre outros.

Aditivos Alimentares
(Fonte: Cartilha Novas Tecnologias – Procon-PBH)

Os aditivos alimentares são largamente utilizados pela indústria alimentícia. Aqui vale a máxima “é a dose que faz o veneno”. Na prática isso significa controlar o consumo de alimentos industrializados, diversificando ao máximo a dieta. Assim, o consumidor elimina o risco de estar acumulando altos níveis de uma determinada substância química no organismo. A dosagem de cada um dos aditivos considerada segura é determinada pela FAC e pela OMS – respectivamente Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura e Organização Mundial de Saúde. Veja o significado e a indicação dos estranhos nomes nos rótulos dos produtos industrializados:

C: São corantes naturais (Cl) ou artificiais (C2).

F: Indica aromatizantes ou flavorizantes, que têm o papel de realçar, respectivamente, o odor e o sabor dos alimentos. Há naturais e artificiais.

EP: Sinónimo de espessante, cuja função é dar consistência ao alimento. Geralmente, é de origem vegetal.

U: É o umectante. que impede o ressecamento do alimento.

AU: São os anti-umectantes, que evitam a absorção de umidade.

ET: Indica a presença de estabilizantes para impedir que os diferentes ingredientes se separem. Os mais comuns são óleos naturais.

H: Sigla dos acidulantes, responsáveis por acentuar o sabor ácido do alimento industrializado. Alguns estão naturalmente presentes nas frutas.

D: Ou edulcorantes. Usados nos produtos dietéticos em substituição ao açúcar

P: Significa a presença de conservantes.

A: São os anti-oxidantes, que evitam a rancificação de produtos gordurosos.

Produto

Aditivos Possíveis

Principal Risco
Dicas
SalsichaAntioxidante e realçador de sabor
Os conservantes mais usados em embutidos são os nitritos e nitratos, reconhecidamente carcinogênicos. Não se iluda achando que salsichas sem corante tomam-se um alimento saudável.
Reduza ao mínimo o consumo de embutidos dando preferência às carnes frescas.
Pudins e IogurtesEspessante, aromatizante, acidulante, conservante e corante.
Nessa classe de produtos, os corantes e conservantes representam o maior risco. Em excesso, podem causar alergias e disfunções digestivas e metabólicas.
Pudins feitos em casa são imbatíveis e uma coalhada enriquecida com frutas frescas é uma opção melhor do que o iogurte industrializado.
HambúrguerAntioxidante, conservante. corante, estabilizante, realçador de sabor.
O glutamato monossódico, um reforçador de sabor já foi alvo de acusações de ser carcinogênico, mas não há comprovação científica a respeito.
Sempre que possível, substitua o hambúrguer industrializado por um caseiro, feito com carne moída fresca.
Gelatinas, Balas e DocesAcidulante, aromatizante e corantes artificiais
Os corantes são os vilões, pelo risco de alergias. A longo prazo, há suspeitas de que possam levar a danos digestivos, metabólicos e até neurológicos.
Uma boa substituição são os doces e caramelos caseiros. além de gelatina de folha, transparente. enriquecida com suco natural de frutas.
Fonte: PreSaúde

Emagreça Trocando Alimentos


Emagreça trocando alimentos. Muitas pessoas sentem dificuldade em fazer dietas porque têm medo de sentir vontade de comer coisas gostosas, doces e calóricas.

No entanto, fazer regime não é sinônimo de privação do sabor. 

Já pensou poder emagrecer e ainda comer lanches, doces, salgados, massas e bebidas? Pode parecer incoerente, mas é possível fazer isto com algumas mudanças no seu cardápio. 

Basta usar a cabeça e fazer trocas inteligentes na hora de escolher o que comer. Por isso, segue uma lista com 25 itens entre lanches, fast-food, pratos completos, doces e bebidas, com alternativas menos calóricas para você saber o que deve ou não ir para o seu prato. Confira:

Lanche

Em vez de 1 pão de queijo grande (320,4 calorias)
Escolha 3 mini pães de queijo (108 calorias)
Economize 212,4 calorias

Em vez de 1 esfiha de carne (230,4 calorias)
Escolha 1 esfiha aberta de escarola (129,6 calorias)
Economize 100,8 calorias

Em vez de 1 enroladinho de salsicha (277,2 calorias)
Escolha 1 enroladinho de queijo (241,2 calorias)
Economize 36 calorias

Em vez de 1 coxinha – tamanho de lanchonete (356,4 calorias)
Escolha 1 quibe assado (162 calorias)
Economize 194,4 calorias

Em vez de 1 pão francês com 1 fatia de mussarela (208,8 calorias)
Escolha 2 fatias de pão de fôrma integral light com 1 fatia fina de queijo branco (136,8 calorias)
Economize 72 calorias

Fast-food

Em vez de 1 fatia de pizza 4 queijos (432 calorias)
Escolha 1 fatia de pizza marguerita (230,4 calorias)
Economize 201,6 calorias

Em vez de 1 porção batata frita grande (267 calorias)
Escolha 1 porção de batata sautê (68 calorias)
Economize 199 calorias

Em vez de 1 sanduíche de hamburguer (306 calorias)
Escolha 1 hambúrguer (129,6 calorias)
Economize 176,4 calorias

Em vez de 1 sundae de chocolate (349,2 calorias)
Escolha 1 frozen yogurt de chocolate (183,6 cal.)
Economize 165,6 calorias

Em vez de 1 misto-quente (313 calorias)
Escolha 1 pão com mortadela (190,8 calorias)
Economize 122,2 calorias

Prato feito

Em vez de 1 prato de macarrão ao alho e óleo (266,4 calorias)
Escolha 1 prato macarrão ao sugo (237,6 calorias)
Economize 28,8 calorias

Em vez de 1 prato (raso) de arroz com 1 bife à parmegiana – 150g (971,2 cal.)
Escolha 1 prato (raso) de arroz com 1 bife contra-filé (298 calorias)
Economize 673,2 calorias

Em vez de 1 pedaço de lasanha aos 4 queijos – 190g (239 calorias)
Escolha 1 pedaço de lasanha de berinjela -190g (72 calorias)
Economize 167 calorias

Em vez de 1 omelete com presunto, queijo – 1 ovo (53 calorias)
Escolha 1 omelete simples – 1 ovo (28 calorias)
Economize 25 calorias

Em vez de 1 prato (raso) de nhoque ao molho branco – 30g (62,2 calorias)
Escolha 1 prato (raso) de nhoque ao molho vermelho – 30g (50,4 calorias)
Economize 11,8 calorias

Bebidas

Em vez de 1 lata (330 ml) de suco de manga (108 cal.)
Escolha 1 copo (200 ml) de suco de manga concentrado (28,8 calorias)
Economize 79,2 calorias

Em vez de 1 xíc. (chá) de café com leite integral (64 calorias)
Escolha 1 xíc. (50 ml) de café com açúcar (33 calorias)
Economize 31 calorias

Em vez de 1 copo (240 ml) de suco de laranja com açúcar (180 calorias)
Escolha 1 copo (240 ml) de suco de laranja sem açúcar (81 calorias)
Economize 99 calorias

Em vez de 1 xíc. (chá) de chá com açúcar (60 cal.)
Escolha 1 xíc. (chá) de chá com adoçante (0 cal.)
Economize 60 calorias

Em vez de 1 copo (200 ml) de refrigerante (84 cal.)
Escolha 1 copo (200 ml) de refrigerante diet (0 cal.)
Economize 84 calorias

Doces

Em vez de 1 brigadeiro (40 cal.)
Escolha 1 beijinho (24 cal.)
Economize 16 calorias

Em vez de 1 fatia fina de bolo de cenoura com cobertura de chocolate (266,4 calorias)
Escolha 1 fatia fina de bolo de cenoura (194,4 calorias)
Economize 72 calorias

Em vez de 1 biscoito recheado de chocolate (71 cal.)
Escolha 1 biscoito de água e sal (21 cal.)
Economize 50 calorias

Em vez de 1 tablete pequeno (30 g) de chocolate ao leite (162 calorias)
Escolha 1 chocolate batom (90 calorias)
Economize 72 calorias

Em vez de 1 fatia fina de goiabada e 1 de queijo branco (169,2 calorias)
Escolha 1 fatia de goiabada light (50,4 calorias)
Economize 188,8 calorias.

Mas lembre-se, isso não quer dizer que você esteja "livre" para consumir em grandes quantidades. Seja inteligente, consuma com moderação, procure um nutricionista para saber qual a melhor hora, a quantidade certa para você, e faça atividades físicas com regularidade.

Retenção de Líquidos


A retenção de líquidos pode surgir em qualquer fase da vida, mas algumas mulheres costumam sentir o peso e inchaço característicos do problema todos os meses, durante o período menstrual. De acordo com o endocrinologista Alfredo Cury, “a mulher pode ganhar até dois quilos durante a menstruação, devido a retenção hídrica. Abdômen, pés, mãos e face ficam inchados, resultando no aumento de peso”.

O médico explica que, em geral, o inchaço desaparece sozinho, mas se o problema for persistente é preciso procurar um médico. “É preciso estar atenta por que o edema, ou inchaço, também pode ser o sintoma de complicações de saúde, como problemas renais e circulatórios”. Confira o que pode causar a retenção de líquidos e como evitá-la:

Causam retenção de líquidos
. Oscilação hormonal
. Calor excessivo
. Sedentarismo
. Excesso de peso
. Baixa ingestão de líquidos
. Período pós-parto, pós-operatório e menstrual
. Alimentação: Em excesso, embutidos, azeitonas e sal podem promover a retenção hídrica.

Amenizam a retenção de líquidos
. Chás: “Os chás são diuréticos naturais e podem ajudar a amenizar os sintomas da retenção de líquidos. Gestantes devem consultar o médico, já que algumas ervas têm potencial abortivo”, orienta a ginecologista Viviane Monteiro

. Água, água de coco e sucos naturais: Segundo o endocrinologista Alfredo Cury, “a ingestão inadequada de líquidos pode aumentar os riscos de formação de cálculos e retenção de substâncias que são eliminadas naturalmente pela via renal”

. Drenagem linfática: “A drenagem linfática é uma massagem que estimula manualmente o sistema linfático, ajuda a drenar o líquido retido e diminuindo os edemas”, explica a ginecologista Viviane Monteiro

. Atividades físicas: a ginecologista Viviane Monteiro recomenda a prática regular de atividades físicas para a eliminar o líquido retido

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Inglesa perde quase 70 kg para ficar parecida com a atriz Angelina Jolie


Uma inglesa de 26 anos eliminou quase 70 kg em 16 meses para ficar parecida com a atriz Angelina Jolie, de quem é fã.

A decisão de Christina Staggs veio após um desconhecido lhe dizer que ela lembrava a estrela de Hollywood – e aí começou a saga para imitar a mulher de Brad Pitt.

A jovem havia chegado a pesar quase 140 kg após o nascimento do segundo de seus três filhos. Ela era compulsiva por doces como chocolate e sorvete, e costumava sentir dores no peito.

Para perder metade da gordura corporal, em abril de 2010 Christina aderiu à organização de emagrecimento Slimming World, onde aprendeu que é possível comer o que quiser, mas com moderação.

Desde então, a inglesa faz três refeições de baixa caloria por dia e leva o cãozinho Ben para andar quase 6 km todas as noites. Além do incentivo de seu animal de estimação, ela começou a fazer atividade aeróbica em casa, já que tinha vergonha de ir a uma academia.

Depois de algum tempo, Christina se sentiu melhor com o próprio corpo, entrou na natação e na academia, aonde vai uma ou duas vezes por semana.

Fonte: Bem Estar

Tomar refrigerante aumenta risco genético de obesidade, revela estudo


O consumo regular de bebidas doces como refrigerantes aumenta o risco genético de uma pessoa se tornar obesa, aponta uma nova pesquisa feita pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade Harvard, nos EUA. A probabilidade chega a dobrar entre quem toma uma porção por dia, em relação aos que ingerem menos de uma por mês.

O estudo foi publicado nesta sexta-feira (21) na edição online da revista científica "New England Journal of Medicine".

Segundo os autores, liderados pelo professor Lu Qi, ele reforça a tese de que fatores ambientais e genéticos atuam em conjunto para controlar as chances de alguém ficar mais suscetível ao ganho de peso.

O trabalho se baseou em dados de três estudos prévios, que envolveram 121.700 mulheres, 25 mil mulheres e 51.529 homens, respectivamente. Desse total, foram analisados apenas 6.934 mulheres do primeiro levantamento, 4.423 homens do segundo e 21.740 mulheres do terceiro – estas últimas, de ascendência europeia.

Todos os participantes responderam a questionários em que detalhavam sua alimentação, incluindo a ingestão de bebidas ao longo dos anos. Eles foram divididos em quatro grupos, de acordo com a quantidade consumida: aqueles que tomavam menos de uma porção por mês, os que bebiam de uma a quatro por mês, os que ingeriam de duas a seis por semana, e os que chegavam a uma ou mais por dia.

Para representar uma predisposição genética global, que abrangesse pessoas de diversas etnias, os cientistas calcularam 32 variações nas sequências de DNA associadas ao índice de massa corporal (IMC), número obtido pela quantidade de quilos dividida pelo quadrado da altura.

Nas últimas três décadas, o consumo de bebidas açucaradas aumentou drasticamente em todo o mundo. Embora haja evidências de uma ligação entre esses produtos, as taxas de obesidade e doenças crônicas – como a diabetes tipo 2 –, pouco ainda se sabe se esses líquidos realmente interferem no DNA humano e influenciam a predisposição genética ao acúmulo de gordura corporal.

Refrigerante fora da dieta
Outra pesquisa ligada ao tema foi publicada online nesta sexta no "New England Journal of Medicine". Segundo pesquisadores do Hospital Infantil de Boston, ligado à Faculdade de Medicina de Harvard, adolescentes que eliminam bebidas doces da alimentação durante um ano ganham em média 1,8 kg a menos que aqueles que não o fazem.

Os cientistas analisaram 224 jovens entre 14 e 16 anos, com sobrepeso ou obesidade, que tomavam refrigerante regularmente. Para que o consumo do grupo diminuísse, os pesquisadores resolveram oferecer, durante um ano, bebidas não calóricas aos participantes e suas famílias. Por mais um ano, foi feito um acompanhamento.
Os adolescentes hispânicos tiveram o maior benefício ao parar de beber refrigerante adoçado: ganharam em média 6,3 kg a menos que o grupo de controle – indivíduos que participaram do trabalho, mas não foram submetidos à intervenção.

Segundo os autores, os achados sugerem que os adolescentes são mais propensos a fazer escolhas mais saudáveis quando há apoio e alternativas disponíveis.

Fonte: Bem Estar

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Procon investiga composto lácteo da Nestlé que tem 'cara' de leite e deixa pais confusos


As embalagens de Ninho e Ninho Fases são semelhantes: latas redondas e
amarelas com a marca Ninho em letras grandes. Mas consumidores mais atentos
verão que, dos dois, só um é leite em pó.

Diferentemente do leite Ninho, o Ninho Fases é um composto lácteo, uma
mistura à base de leite e outros ingredientes, como óleos vegetais. A frase
"este produto não é leite em pó" está na parte de trás da lata. Ele tem tem
diferentes versões para casa faixa etária, de um a cinco anos.

Por causa da possibilidade de o consumidor ser induzido a erro, o Procon de
São Paulo começou a investigar a Nestlé, após receber a denúncia de um
consumidor.

Até há poucas semanas, o próprio site da Nestlé colocava o Ninho Fases na
categoria de leite. Só mudou após uma notificação do PROCON.

A entidade agora analisa o material publicitário da empresa e poderá
multá-la ou exigir contrapropaganda. O prazo para o resultado da análise é
de 120 dias, segundo Paulo Arthur Góes, diretor executivo do Procon-SP.

"A informação nem sempre é clara. O consumidor não sabe a diferença entre
leite e composto lácteo. Para ele, é tudo leite, mas o composto lácteo não
tem as mesmas propriedades."


O Ministério da Agricultura também recebeu denúncias sobre o Fases.

QUALIDADE
Não há consenso entre os especialistas sobre se é melhor dar composto
lácteo ou leite integral às crianças a partir de um ano -antes disso, o
ideal é que ela receba leite materno.

Segundo Edson Credidio, médico nutrólogo e pesquisador em alimentos
funcionais da Unicamp, o leite integral, por ser mais rico em nutrientes, é
melhor para o desenvolvimento dos pequenos.

"Os melhores suplementos nutricionais estão nos alimentos e não no que se
adiciona a eles. Essas novidades são meramente comerciais."

O publicitário Adriano Ferreira, 37, de Sorocaba (SP), ficou surpreso
quando a médica de sua filha Heloísa, 3, disse que o Ninho Fases não era
leite e pediu que ele trocasse de produto.

"Escolhi o Fases no supermercado porque vi que tinha um monte de vitaminas.
Para mim era um leite Ninho mais incrementado. Você olha a embalagem e nem
questiona se é leite porque conhece a marca Ninho. Me senti enganado."

Em blogs, outros pais se dizem surpresos e até revoltados quando descobrem
que o Ninho Fases não é leite e contém xarope de milho, um tipo de açúcar.

Sophie Deram, pesquisadora e nutricionista do ambulatório de obesidade
infantil do HC da USP, afirma que a tentativa de elaborar produtos com
menos gordura saturada e mais vitaminas e minerais que o leite natural cria
produtos doces e educa o paladar das crianças dessa forma. "Dou prioridade
a alimentos reais, sem tantos processos industriais e adição de suplementos
vitamínicos."

Já o pediatra Moises Chencinski afirma que o composto lácteo tem uma
formulação mais apropriada para a criança manter o peso adequado e
prebióticos para a saúde da flora intestinal.

"O leite integral pode ter mais nutrientes, mas não são os adequados para
essa faixa de idade."

Cid Pinheiro, coordenador das equipes de pediatria do Hospital São Luiz e
professor assistente da Santa Casa, afirma que, com o passar dos anos, o
leite deixa de ser tão essencial para a criança porque as fontes de cálcio
ficam mais diversificadas com a ingestão de outros alimentos, como queijo e
iogurte, e, portanto, não há problemas em consumir o composto lácteo.

"No fim, a decisão sobre qual tipo de leite a criança vai tomar depois do
aleitamento materno tem que ser individualizada e orientada por um
pediatra."


OUTRO LADO
Em nota, a Nestlé afirmou que respeita o direito de informação ao
consumidor e cumpre a legislação referente à comercialização de compostos
lácteos do Ministério da Agricultura.

A empresa diz que os ingredientes adicionados ao leite visam contribuir
para a ingestão de nutrientes importantes na infância.

A reportagem também questionou a Nestlé sobre o uso de xarope de milho no
Ninho Fases. O ingrediente adicionado a produtos industrializados, com alta
concentração de frutose e composto também por glicose, já foi acusado de
ser um dos culpados pela epidemia da obesidade nos EUA. O nutrólogo Edson
Credidio afirma que nele há quase as mesmas calorias do açúcar.

A empresa diz que uso do ingrediente visa reduzir o dulçor do produto. "O
xarope de milho é um carboidrato que confere um sabor menos doce, o que
garante a palatabilidade de Ninho Fases, colaborando para que as crianças
acostumem o paladar a alimentos menos doces."