sábado, 9 de junho de 2012

Qual o papel da canela (Cinnamomum zeylanicum) no controle da glicemia?

Embora existam diferentes espécies de canela, a Cinnamomum zeylanicum é categorizada como a canela verdadeira quando se refere ao seu uso culinário. Os estudos científicos sugerem que ela pode apresentar efeitos benéficos no controle da glicemia, contribuindo para a redução da glicemia e colesterol.
Estudos realizados com indivíduos pré-diabéticos ou com resistência à insulina e síndrome metabólica revelaram que a canela pode melhorar o controle glicêmico e a sensibilidade à insulina. No entanto, os estudos demonstraram que os efeitos no controle da glicemia em pacientes com diabetes tipo 1 ou 2 é controverso. 
As propriedades benéficas da canela foram inicialmente avaliadas em estudos in vitro e in vivo com experimentos em animais, demonstrando que seus polifenóis estimulam a captação de glicose no músculo esquelético e tecido adiposo. Cao et al (2007) relataram que o extrato purificado de canela e seus polifenóis aumentam os níveis do receptor de insulina e do transportador de glicose (GLUT4) em adipócitos. 
Além disso, outros estudos relataram que a canela retarda o esvaziamento gástrico, e isso pode também estar associado com a redução da glicemia pós-prandial. Entretanto, ao longo dos últimos anos, diferentes estudos clínicos têm demonstrado resultados conflitantes. Foi verificado que a ingestão de 2g por dia de canela durante 12 semanas reduziu significativamente a HbA1c (hemoglobina glicosilada) e a pressão arterial entre pacientes com diabetes tipo 2 não controlada, no entanto, os efeitos da canela em indivíduos diabéticos bem controlados (HbA1c <7%) parece ser mínimo. 
Esta pode ser a razão pela qual Crawford (2009) e Akilen et al (2010) demonstraram que a canela foi capaz de induzir o controle da glicemia em indivíduos diabéticos com HbA1c acima de 7%. 
Portanto, pesquisadores concluem que a inclusão da canela na alimentação pode ser considerada como uma opção adicional a fim de regular os níveis de glicose sanguínea e de pressão arterial em indivíduos com a diabetes mellitus tipo 2.

Autora: Rita de Cassia Borges de Castro
Fonte: Nutritotal

Nenhum comentário: