quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Bebidas energéticas afetam o funcionamento do coração, diz estudo

Cirurgias cardíacas de emergência relacionadas ao consumo de bebidas energéticas quase duplicaram nos Estados Unidos entre 2007 e 2011, mas só agora cientistas tem uma explicação possível sobre a questão. Um estudo mostrou que o aminoácido conhecido como taurina, presente na maioria dos energéticos, aumenta a taxa de contração do coração em pessoas saudáveis apenas uma hora depois do consumo. A pesquisa foi apresentada nesta segunda-feira (2) na reunião anual da Sociedade Radiológica da América do Norte.

“Nós não sabemos exatamente como ou se esta maior contratilidade do coração impacta as atividades diárias ou o desempenho atlético”, afirma o pesquisador e radiólogo residente Jonas Dörner, da Universidade de Bonn, na Alemanha, em um comunicado à imprensa. “Existem preocupações sobre possíveis efeitos colaterais adversos dos produtos em função do coração, especialmente em adolescentes e adultos jovens, mas há pouca ou nenhuma regulamentação de vendas de bebidas energéticas”.

Os pesquisadores fizeram ressonâncias magnéticas cardíacas em 18 adultos saudáveis antes e depois do consumo de uma bebida energética com cafeína e taurina. A ressonância magnética revelou um pico maior de tensão no ventrículo esquerdo do coração, onde o sangue oxigenado flui dos pulmões e é bombeado para a aorta. Não houve diferença na frequência cardíaca ou pressão arterial.

“Nós mostramos que o consumo de bebida energética tem um impacto de curto prazo sobre a contratilidade cardíaca”, explica Dörner. “Mais estudos são necessários para avaliar o impacto de longo prazo do consumo de bebidas energéticas e o efeito de tais bebidas em indivíduos com doença cardíaca”. Embora o estudo esteja em andamento, os pesquisadores aconselham pessoas que apresentam arritmia cardíaca diagnosticada a evitar bebidas energéticas, levantando a hipótese de que as mudanças na contratilidade pode provocar ou aumentar as arritmias.

Fonte: Jornal GGN

Nenhum comentário: