segunda-feira, 27 de junho de 2016

CANELA

A canela é o nome genérico de uma especiaria obtida a partir da casca interna de árvores do gênero Cinnamomum, da família Lauraceae
É consumida desde 2000 a.C., no antigo Egito, onde era usada como condimento para bebida, na medicina popular e como agente de embalsamamento. Era tão valorizada que as pessoas a consideravam mais preciosa que o ouro. A canela é mencionada na Bíblia e em um dos primeiros livros sobre medicina e botânica na China, datado por volta de 2700 aC. 
Existem dezenas de árvores do gênero Cinnamomun cujas cascas são vendidas como canela, mas as mais comuns são das seguintes espécies: Cinnamomum verum e Cinnamomum cassia. Ambas têm sido utilizadas como especiaria e na medicina ao longo dos séculos. E ambas são saborosíssimas. 
Existem uma série de benefícios da canela que fazem com que ela seja uma saborosa e saudável opção de condimento.

QUAIS AS PROPRIEDADES DA CANELA?

A canela apresenta como principais nutrientes o cálcio, o manganês e as fibras. É uma ótima fonte de cálcio o que é benéfico para os ossos e para os músculos, que necessitam do mineral para se contraírem. Uma colher de sopa de canela fornece cerca de 78 mg de cálcio.
Nos tempos medievais, os médicos já a usavam para tratar doenças como a tosse, artrite e dores de garganta. Atualmente diversos estudos têm confirmado e revelado as propriedades medicinais da Canela.
O cinamaldeído ou ainda aldeído cinâmico, substância química que dá a canela seu sabor e odor tão característicos, é um dos principais ativos encontrados na especiaria.

QUAIS OS BENEFÍCIOS DA CANELA?

Auxilia na perda de peso
A canela apresenta várias propriedades que auxiliam o processo de emagrecimento. Ela tem a capacidade de retardar o esvaziamento do estômago. Com isso, a sensação se saciedade será maior e consequentemente a quantidade de alimentos ingerida será menor.
A canela é também um digestivo natural, isto é, auxilia na digestão dos alimentos. Isso promove um melhor aproveitamento dos alimentos, já que mais nutrientes serão extraídos (sem a necessidade de ter que comer mais para isso). Ela também ajuda a aumentar o metabolismo de açúcar. O excesso de açúcar no sangue é convertido, pelo fígado, em ácidos graxos (gordura). Sendo assim, o consumo de canela fará com que menos gordura seja armazenada pelo organismo.
Estudos indicam que a canela ajuda a manter os níveis de energia, concentração e agilidade, ou seja, auxilia na manutenção de uma vida mais ativa.
A atividade antimicrobiana da canela também contribui para o emagrecimento. A presença de certos micro-organismos no trato gastrointestinal está associada com o ganho de peso. A bactéria Clostridium difficile está relacionada com a obesidade e um estudo mostrou que a canela reduziu a produção de toxinas e a citotoxicidade da mesma in vitro. A presença da levedura Candida no nosso organismo também está relacionada com o ganho ou a incapacidade de perder peso. E a canela é uma das alternativas mais eficazes para conter o crescimento desse fungo.

Alivia a dor muscular
A canela contém sustâncias com atividade anti-inflamatória. Uma delas, o álcool de cinamilo, reduz a liberação de ácido araquidônico, molécula precursora das prostaglandinas, protagonistas dos processos inflamatórios do nosso organismo. Já o eugenol, inibe a ação das prostaglandinas propriamente ditas. Uma vez que a dor muscular ocorre pela inflamação decorrente do esforço, a canela pode ser um auxiliar no combate à ela e muito útil para praticantes de atividades físicas.

Ajuda a controlar o nível de açúcar no sangue
Como já citado, a canela retarda o processo de esvaziamento do estômago e com isso reduz a quantidade de açúcar no sangue após a ingestão de alimentos.
Uma pesquisa avaliou a taxa de esvaziamento do estômago com o consumo da canela. No estudo, 14 indivíduos saudáveis comiam 300 g de pudim de arroz sozinho ou temperado com 6 g de canela. Adicionar canela ao pudim de arroz baixou a taxa de esvaziamento gástrico de 37% para 34,5% e reduziu significativamente os níveis de açúcar no sangue.
A canela também pode ajudar as pessoas com diabetes do tipo 2, por melhorar a habilidade das suas células responderem à insulina. Estudos com animais mostraram que os compostos presentes na canela estimulam os receptores de insulina e inibem uma enzima que os inativa, aumentando significativamente a habilidade das células em captar glicose.
Outra pesquisa feita com 60 pessoas (30 homens e 30 mulheres) com diabetes do tipo 2 mostrou que a canela melhora os níveis de glicose e lipídios no sangue. Os indivíduos foram divididos em 6 grupos: os grupos 1, 2 e 3 receberam 1, 3 ou 6g/dia de canela respectivamente, e os grupos 4, 5 e 6 tomaram cápsulas de placebo. A canela foi consumida durante 40 dias, seguido por um período sem consumo de 20 dias. Os resultados foram os seguintes: após 40 dias, todos os que consumiram a canela tiveram uma redução do nível de glicose de jejum em 18-29%, de triglicérides em 23-30%, colesterol LDL em 7-27% e colesterol total em 12-26%; não houve alterações significativas nos grupos de placebo.
Assim, a canela pode ser usada por portadores de diabetes para ajudar no controle da doença e por todas as pessoas, pois reduzindo a glicemia, ajuda também a reduzir o acúmulo dessa glicose na forma de gordura.

Ajuda a prevenir o câncer
Uma pesquisa mostrou que o óleo de canela é uma solução promissora no tratamento de tumores, câncer gástrico e melanomas. A resposta para este efeito provavelmente está no fato da canela ajudar a controlar o nível de açúcar no sangue e o açúcar ser muito requerido pelas células cancerosas. O Cinamaldeído e o Eugenol, ativos encontrados na canela, se mostraram bastante eficazes contra células de hepatoma humano e de câncer de cólon, respectivamente.
Um estudo realizado utilizando extratos de Cinnamon cassia, em modelos animais com melanoma humano (ratos), revelou uma atividade pró-apoptótica (estimula a morte celular programada) nas células cancerígenas.

É boa para o coração
Como já dito anteriormente, a canela ajuda na perda de peso, e este é um fator de risco para as doenças cardíacas. A canela, mais precisamente o cinamaldeído, tem a capacidade de reduzir a agregação plaquetária. A agregação de plaquetas pode levar a formação de coágulos nas artérias e estes, por sua vez, podem causar AVC ou ataques cardíacos.
A hipertensão é outra causa de doenças cardíacas. Em uma pesquisa, pacientes diabéticos receberam 2 g de canela por dia, durante 12 semanas. Ao final do estudo, estes pacientes tinham níveis reduzidos de pressão arterial (sistólica e diastólica), em comparação com o grupo placebo.
A canela é uma boa fonte cálcio e fibras, que podem se ligar aos sais biliares e com isso removê-los do organismo. Quando a bile é removida do nosso corpo, ele precisa repô-la e para isso é necessário degradar o colesterol. Este processo diminui os níveis de colesterol, o que é útil para a prevenção das doenças cardíacas.

Alivia as dores da Artrite
Muitas pessoas afirmam que o chá de canela ajuda a amenizar as dores decorrentes da Artrite. Outras também relatam que massagens a base de óleo de canela aliviam essas dores. Estes efeitos são observados muito provavelmente pela conhecida ação anti-inflamatória da canela, já que a artrite reumatoide é uma doença inflamatória por natureza.

Retarda a Doença de Alzheimer
Dois compostos encontrados na canela, o cinamaldeído e a epicatequina, podem ser eficazes na luta contra a doença de Alzheimer. De acordo com um estudo realizado por dois cientistas da Universidade da Califórnia, a canela impediu o desenvolvimento dos “emaranhados” filamentosos encontrados nas células cerebrais, que caracterizam esta doença.
Existe uma forte ligação entre a doença de Alzheimer e o diabetes. Cerca de 70% das pessoas com diabetes tipo II, em última análise, podem desenvolver Alzheimer (há pesquisadores que acreditam que o Alzheimer seja um tipo de diabetes). São notórios os benefícios da canela para pessoas com diabetes do tipo II (controlando e reduzindo o nível de açúcar no sangue) e, por consequência, seu consumo também ajuda na prevenção da doença de Alzheimer.

Pode auxiliar no tratamento da Doença de Parkinson
Neurologistas da Rush University Medical Center revelaram que a canela pode reverter as mudanças biomecânica, celular e anatômica provocadas pela doença de Parkinson (DP). O resultado foi observado em cérebros de ratos portadores da doença. O estudo concluiu que após ingestão oral da canela, ela foi metabolizada no fígado e transformada em benzoato de sódio. O benzoato vai para o cérebro, protegendo os neurônios, normalizando os níveis de neurotransmissores, e melhorando as funções motoras nos ratos com DP.
O Parkinson ocorre por conta de uma degeneração progressiva de neurônios numa área cerebral chamada de substância nigra. A degeneração dessas células leva a uma redução do neurotransmissor dopamina, e a depleção do mesmo resulta nos sinais clássicos da doença. Até hoje não se sabe o que de fato provoca a morte desses neurônios. A hipótese mais difundida é que ocorre um “estresse oxidativo”, o que faz com que as células liberem moléculas venenosas que provocam a própria morte. No cérebro, o benzoato de sódio atua como um antioxidante. Por isso, o uso da canela parece ser tão promissor para o tratamento da doença de Parkinson.

Outros Benefícios

  • A canela possui propriedades carminativas (combate gases no intestino), antiulcéricas e estomacais. Seus azeites essenciais dissolvem melhor os alimentos, além de estimular a salivação e os sucos gástricos. Ajuda também a combater a aerofagia, as digestões difíceis e a acidez, estimulando também o apetite.
  • A canela também combate bactérias e fungos nocivos. Também se mostra bastante eficaz contra candidíases e úlceras.
  • Tem propriedades anti-inflamatórias e age no processo de desinflamação de tecidos, entre outros. É uma rica fonte de substâncias como manganês, ferro e cálcio.
  • Combate os radicais livres, contribuindo para a prevenção do envelhecimento precoce e do enfraquecimento dos fios de cabelo.
  • Possui também efeito termogênico: promove o aumento da temperatura do corpo, assim, facilitando a queima das gorduras.
  • Ativa o metabolismo, facilitando a queima de calorias.
  • É rica em antioxidantes que combatem os radicais livres e ainda regulam os níveis de colesterol ruim no organismo.
  • Ajuda a combater os sintomas do resfriado.


CUIDADOS

Para obter todos os benefícios da canela citados é importante observar alguns cuidados:
  • Geralmente o uso de canela não provoca efeitos colaterais. Mas o consumo exagerado deste tempero pode irritar a mucosa da boca, causando feridas. Quando aplicada à pele, pode causar vermelhidão e irritação.
  • A presença mais significativa de cumarina na canela do tipo Cassia é um alerta para não consumi-la exageradamente, sobretudo as pessoas com problemas hepáticos.
  • Se você é diabético, comunique seu médico quanto ao uso de canela. O consumo concomitante de canela com os medicamentos para diabetes pode provocar um quadro de hipoglicemia.
  • A canela também pode interagir com medicamentos para o coração, anticoagulantes (“afinadores do sangue”) e antibióticos. Converse com seu médico antes de iniciar a suplementação com canela.
  • Pela falta de evidências quanto a quantidades seguras para o consumo humano, o uso de canela não é recomendável para crianças, mulheres grávidas e lactentes.

Referências:



  • Ribeiro, Filho, et al. “Effects of plant extracts on HIV-1 protease.” Current HIV research 8.7 (2010): 531-544.
  • Zhu, Min, et al. “Short-term germ-killing effect of sugar-sweetened cinnamon chewing gum on salivary anaerobes associated with halitosis.” The Journal of clinical dentistry 22.1 (2010): 23-26.
  • Gupta, Charu, et al. “Comparative study of cinnamon oil and clove oil on some oral microbiota.” Acta Bio-Medica: Atenei Parmensis 82.3 (2011): 197-199.
  • Wondrak, Georg Thomas, et al. “The cinnamon-derived dietary factor cinnamic aldehyde activates the Nrf2-dependent antioxidant response in human epithelial colon cells.” Molecules 15.5 (2010): 3338-3355.
  • Lu, Jianming, et al. “Novel angiogenesis inhibitory activity in cinnamon extract blocks VEGFR2 kinase and downstream signaling.” Carcinogenesis 31.3 (2010): 481-488.
  • Khasnavis, Saurabh, and Kalipada Pahan. “Cinnamon Treatment Upregulates Neuroprotective Proteins Parkin and DJ-1 and Protects Dopaminergic Neurons in a Mouse Model of Parkinson’s Disease.” Journal of Neuroimmune Pharmacology 9.4 (2014): 569-581.
  • Kirkham, S., et al. “The potential of cinnamon to reduce blood glucose levels in patients with type 2 diabetes and insulin resistance.” Diabetes, obesity and metabolism 11.12 (2009): 1100-1113.
  • Anderson, Richard A. “Chromium and polyphenols from cinnamon improve insulin sensitivity.” Proceedings of the Nutrition Society 67.01 (2008): 48-53.
  • Rao, Pasupuleti Visweswara, and Siew Hua Gan. “Cinnamon: A Multifaceted Medicinal Plant.” Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine 2014 (2014).
  • Shan, Bin, et al. “Antioxidant capacity of 26 spice extracts and characterization of their phenolic constituents.” Journal of agricultural and food chemistry 53.20 (2005): 7749-7759.

PARA AGENDAR UM ATENDIMENTO
(24) 3365-5739 (ANGRA DOS REIS)
(24) 3371-2198 (PARATY)
(24) 99877-1248 (VIVO)
(24) 99295-8194 (CLARO) [WhatsApp]

Nenhum comentário: